(Imagem - Tempestade - óleo sobre tela -Elisabete Maria Sombreireiro Palma)



Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2016

OLHOS MEUS

IMG_0023.JPG

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

OLHOS MEUS

Rogério Martins Simões

 

Quando eu partir, olhos meus,

Que outros iguais os não viram,

Cegos sejam se mentiram:

Mais não viram como os teus.

 

Ver é percorrer os céus,

Para onde eu sei que fugiram.

Meus olhos nos teus partiram,

Na hora de dizer adeus.

 

Lê estes versos sem dor:

Poema para o meu amor

Que meus olhos também leram.

 

São cartas de amor p´ra ti

Que te deixo e que escrevi:

Nossos olhos não morreram.

 

Meco, 05/02/2016 22:25:16

publicado por poetaromasi às 23:00
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |
Sexta-feira, 29 de Janeiro de 2016

DESFIANDO ORAÇÕES

DESFIANDO ORAÇÕES Rogério Martins Simões Olhou as paredes que ficavam nuas, Sem compreender todos os porquês. Encer...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:15
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |
Domingo, 10 de Janeiro de 2016

SORRINDO À DOR PARA V...

SORRINDO À DOR PARA VIVER Rogério Martins Simões Amarram-se as minhas mãos com que escrevo. Perco os movimentos tre...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:26
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |
Quarta-feira, 6 de Janeiro de 2016

ESTA MINHA VIDA

5/1/1951 Eu com 18 meses de idade ESTA MINHA VIDA… Rogério Martins Simões Esta minha vida certa, Que incerta desl...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:10
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |
Domingo, 29 de Novembro de 2015

VAGA

VAGA Rogério Martins Simões O mar tem o movimento que me falta. O mar tem um corpo de mulher. E de tantas vezes em ...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:31
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |
Sábado, 17 de Outubro de 2015

DARFUR SUDÃO

DARFUR - SUDÃO Rogério Martins Simões Era uma noite, tão noite, Nem uma só luz existia, As velas, acesas, não brilh...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:54
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |
Terça-feira, 22 de Setembro de 2015

Das escadas da praia

DAS ESCADAS DA PRAIA Rogério Martins Simões Distendo no olhar Todas as incertezas da minha vida E no horizonte dest...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:37
link do post | ##COMENTAR## | Ler comentários (2) | favorito
 O que é? |
Terça-feira, 11 de Agosto de 2015

DESCIDA

DESCIDA Rogério Martins Simões Enfrento a mesma escada de antigamente. Fico a pensar longamente, A olhar para ti, A...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 20:15
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |
Sexta-feira, 31 de Julho de 2015

DOU A VOLTA AO SORRISO

DOU A VOLTA AO SORRISO… Rogério Martins Simões Meu amor ajuda-me a viver! Massaja-me esta dor no peito! Que trist...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:55
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |
Terça-feira, 14 de Julho de 2015

POETA CASTRADO NÃO

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 21:19
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2013. Todos os direitos reservados. All rights reserved




CAIXA DE CORREIO



# Adicionar PAD aos Favoritos




VOLTEI!

(Rogério Martins Simões)

Venho dos limites do tempo)

De uma galáxia qualquer

Já fui mar, já fui vento

Agora sou pensamento

Aparado em dado momento

No ventre de uma Mulher!


Meu corpo é magistral!

Brutal! Perfeito! Soberbo!

De início não era verbo

Agora sou o verbo ser


Tenho comigo segredos

Segredos do universo

Transporto no corpo recados

Escrevo em forma de verso.


Venho dos limites do tempo

Não sei o que fui e sou:

Deserto? Nascente?

Já fui Norte, já fui Sul

Pó astral, mar azul!

Luar, estrela cadente.


Eu me vou!

Partirei num cometa qualquer

E serei novamente pôr-do-sol.

Cor-de-rosa, aloendro, malmequer!


Voltei...Já cá estou…


Agora sou pensamento

Nascido em dado momento

Do ventre de uma Mulher!


23-09-2004 18:39


Aldeia do Meco

.DIGITE POR MESES E LEIA MAIS DE 500 POEMAS

.posts recentes

. OLHOS MEUS

. DESFIANDO ORAÇÕES

. SORRINDO À DOR PARA VIVER

. ESTA MINHA VIDA

. VAGA

. DARFUR SUDÃO

. Das escadas da praia

. DESCIDA

. DOU A VOLTA AO SORRISO

. POETA CASTRADO NÃO

. SOS Florestas

. A poesia é eterna

. PÁRA

. Imortal formosura

. COBRI DE ROSAS

. ERA UMA VEZ

. Meio Homem Inteiro

. Convite

. AMO-TE TANTO MEU AMOR

. A COR DOS TEUS OLHOS

. Mágoa

. MESTRE E MARINHEIRO

. ONDA APÓS ONDA...

. Dançam as moças solteiras

. Terna ternura eterna

. POESIA, LÁGRIMAS E SORRIS...

. Pela noite fora

. FELICIDADE

. BENDITA ROSA, MIMOSA, EM ...

. QUANTA TRISTEZA TEM O MEU...

. Telhados de Alfama

. Para

. DE QUEM MEUS OLHOS NUNCA ...

. SECAM AS PALAVRAS

. SALTO PARA O INFINITO

. UM SORRISO DE TERNURA

. BALANÇA

. O FADO DA MINHA VIDA

. ALZHEIMER

. Empréstimo de duzentos e ...

Vídeos no YOUTUBE

  • Eternidade
  • Mar revolto
  • Carrossel
  • Brincando com as tintas
  • Em sonho me dependurei no luar
  • Uma eternidade nos espera
  • Destino ou coragem
  • CANAL dos POEMAS DE AMOR E DOR

    BLOG DOS POETAS ALMADENSES

  • POETAS ALMADENSES
  • Poeta e meu pai José Augusto Simões

    Brincando com as tintas

    Elisabete Sombreireiro Palma

    (p.f desligue 1º a música de fundo)




    LINKS para POEMAS AMOR DOR

  • Blog da DALVA
  • FENIX
  • Milton
  • Infinitos
  • Jornal de poesia
  • Luso Poemas
  • No Olhar do V. Macaense
  • Padre José Correia da Cunha
  • Paixão e poesia
  • Repensando
  • Sou mais eu
  • Top Lagos blogs

    PARKINSON PORTUGAL

  • Parkinson Pt- o meu blog

    PARKINSON BRASIL - outras


    Participe no CHAT (BRASIL):
    Se é doente ou familiar:

    2ª feira das 19,00 às 20,00 do Brasil:
  • Entre! Está entre amigos
    Promovido pela Profª. DALVA e Profº Marcílio:


  • Doença de PARKINSON
  • Associação Brasil Parkinson
  • Parkinson Campinas
  • Depoimentos
  • M. J. Fox
  • National Parkinson Fundation
  • Parkinson on Line
  • Parkinson Society of Canada
  • Parkinson U.K.
  • World Parkinson Desease Association
  • Unione Parkinsoniani

    Check Page Ranking

    Desde 25/02/2007:
    Google


    A MINHA GRATIDÃO

     PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

     QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


    A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

    RSS
    Rogério Martins Simões

    Cria o teu cartão de visita

    VOLTEI A ESCREVER
    E JÁ NÃO QUERIA

    Voltei a escrever e já não queria

    Pensava ter esquecido este meu versejar

    Ser poeta é criar e sofrer todo o dia

    Passar ao papel o que a alma encontrar.



    Este estado de alma que já não ousaria

    Que nos faz sofrer, para me encontrar,

    Deixa o meu corpo quando escrevo poesia,

    Nos poemas que ela cria, para me libertar.


    A ti que mais amo e sem querer

    Se fico triste e te faço sofrer

    Rosa eu te quero, rosas eu te dou.


    E se tu me vires distraído ou disperso

    Uma única coisa eu imploro e peço,

    Espera! A minha alma não regressou.


    Rogério Martins Simões