Este blog nasceu em 6 de Março de 2004

Mais de 3 milhões de visitas e 4 milhões de páginas visitadas- Obrigado



Domingo, 5 de Setembro de 2010

Poeta do amor e liberdade

 

DALILA MOURA BAIÃO

 

POETISA

(IMAGEM do Facebook)

 

 

 

 

HONRA E GLÓRIA AOS POETAS

 

Quem segue este blog desde o ano de 2004 sabe, - nunca o escondi - que a poesia que escrevi e escrevo, desde 2002, foi, é, e será sempre influenciada pelo conhecimento, pelo sofrimento, pelos avanços e os recuos, na esperança, de cura da minha doença de Parkinson.

Este estado física agita-se, tal como uma maré revolta, um Adamastor que me desfaz a nau e me leva o coração.

Por mais que lute para me libertar, esquecendo, raramente o consigo fazer. Esta constante agitação consciente, que mexe e remexe na minha mente, tem na poesia que escrevo um grito (catarse) em que pareço morrer, e ao mesmo tempo, me liberta e trás vivo.

 

Há dias escrevi no "mural" da minha página do FACEBOOK o meu actual estado de alma. Esta agitação, este tremer constante, esta dor na perna esquerda, este medo de "vegetar" num futuro próximo, faz de mim um ser que procura a solidão; que se esconde quando se sente pior. De facto, sinto que pioro, "a olhos vistos", e começo a ter vergonha de enfrentar os olhares...

 

Hoje, ao visitar a minha página no FACEBOOK, fiquei surpreso e ao mesmo tempo feliz com o belo poema, que a poetisa portuguesa, Dalila Moura Baião, escreveu e me dedicou. POETA DO AMOR E LIBERDADE foi o título que a amiga e poetisa Dalila Moura deu a este seu poema.

 

Dalila Moura Baião: O meu coração arde de emoção por tão belo poema. Do fundo, bem fundo da minha alma, do local por onde perpassa o encantamento e se esconjuram as dores, transcendem palavras de agradecimento e escapa-se um grito:

 

HONRA E GLÓRIA AOS POETAS

VIVA A POESIA

OBRIGADO POETISA DALILA

  




 

 

 

Foto de Rogério Martins Simões

( Pôr-do-sol na Praia das Bicas - Meco)

 

 

 

 

 

 

“POETA DO AMOR E LIBERDADE”

(Ao meu amigo Rogério Simões, com carinho)

O teu poema:
É o grito rasgado que guardas no peito
É o eco lançado no abraço perfeito
Com que enlaças a vida no mar do desejo
De seres marinheiro da palavra viva
Que soltas no olhar…

O teu poema:
É ternura cansada que banhas em esperança
Na dor extenuada que aguarda a mudança
No rio do silêncio que clama, na foz
Do desassossego, que ergues na voz
Aguardando confiança…
Em cais de firmeza.

O teu poema:
É o fio de lua nas tuas mãos de criança
O brilho dourado da estrela que dança
O rumor timbrado da harpa escondida
Que na melodia suave te envolve de vida

Porque o teu poema, mesmo sem ser escrito
Está no teu olhar, na tua vontade
Na tua ternura, que pinta a beleza
Duma alma nobre, onde há liberdade
De ser poesia em cada momento
Lutando e crescendo contra o desalento.

E porque és poeta, do amor e da paz
Onde a liberdade passeia acordada,
Mesmo sem “escreveres”palavras na tela
Num papel visível, num ecrã mostrado,
Está no teu olhar o poema vivo
Nessa poesia, que guardas magoado.
Serás sempre Poeta: Tu foste fadado!

Dalila Moura Baião

05/09/10

 

www.PRchecker.infowww.PRchecker.info Poemas de amor e dor conteúdo da página
publicado por poetaromasi às 21:06
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |  O que é?
Comentários:
De Carlos Pereira a 5 de Setembro de 2010 às 22:27
Caro POETA Rogério;

Acabei de ler o seu post. É com uma lágrima de emoção que estou feliz por si. Que belo presente este poema, tão meritório, que lhe dedica a sua amiga e extraordinária poetisa, por certo um excelente balsamo para a sua dor.
Creia-me seu leitor e dedicado seguidor.
Um abraço.
Carlos Pereira

Comentar post

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved