Este blog nasceu em 6 de Março de 2004

Mais de 3 milhões de visitas e 4 milhões de páginas visitadas- Obrigado



Quinta-feira, 8 de Junho de 2006

Terna e doce recordação

 

Terna e doce recordação

Rogério Simões

I

CAEM LÁGRIMAS

 

Rolam-me na face

Caem no chão

Secam com o vento

As lágrimas tristes

Do meu coração!

 

Continuo escrevendo,

Versando tua beleza,

Apenas interrompido

Por longos suspiros

Da grande tristeza

De meu coração!

 

E, se depois penso

Que jamais serás minha:

Rolam lágrimas

Pelo rosto molhado

Caem no chão!

Secam com o vento!

As lágrimas tristes

Do meu coração.

Abril de 1968

 

 

Recordo-me de ti

II

Recordo-me de ti

nas horas que não eram tempo

quando os nossos olhos

ainda mal se abriam.

Eras menina

E eu corria

ao encontro na Parede

e a parede era mesmo ali

a dois passos do coração.

Eras menina

E as horas não eram tempo

Nem o tempo me separou de ti!

 

 

Terna e doce recordação

III

Eu sei que nos momentos mais duros da vida,

nos pedaços em que ainda retinha o alento

eu me recordava de ti.

Não sei a razão

Mas a menina do meu coração

permanecia na minha vida.

Adivinhava os teus passos!

Sabia de cor os teus gostos.

Afinal estavas aqui...mas fugias sempre!

Faltava-me a coragem...

E não queria perder-te!

 

E nossos pensamentos distantes

Eram dois amantes.

 

Passavam os anos não passava o amor

E até o desencontro não perdia o calor.

Que estranha forma de viver

Têm nossas duas vidas:

Tão cheias de amor e desencontradas.

Deixei endurecer o coração!

Perdi a minha juventude!

Atravessei noites!

Levantei Manhãs!

Mas não perdi a virtude...

Sabes! É tarde!

 

IV

"Terna e doce recordação

Nunca deixaste de me pertencer

É meu, o teu coração

Por favor ajuda-me a viver"

 

V

"Feliz! Só por te ver

Viver? Eu não vivi!

E nesta ânsia de ter

Acabei por te perder

Perto, tão perto de ti"

 

1986

(Diálogos das almas e do poeta perdidos no tempo)

Rogério Simões

Poemas de amor e dor conteúdo da página
ano do poema: 1968
publicado por poetaromasi às 19:40
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |  O que é?
Comentários:
De Blueyes42 a 27 de Junho de 2006 às 01:38
Eu também já vi muito sofrer e compreendo o seu desespero, mas Deus ama sobretudo aqueles que sofrem. Um grande abraço

Comentar post

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved