Este blog nasceu em 6 de Março de 2004

Teve mais de 3 milhões de visitas e mais de 4 milhões de páginas visitadas- Obrigado



Terça-feira, 2 de Agosto de 2005

Fui ao Sótão

(fotografia gentilmente cedida pelo Sr. Padre Pedro Pampilhosa da Serra)

 

FUI AO SÓTÃO
Rogério Simões
 
Em Março do ano, de dois mil e quatro, embarquei numa aventura, sem porto seguro, quando decidi dar a conhecer a minha poesia.
Antes de iniciar esta viagem fiz alguns preparativos.
Comprei um livro que ensinava a melhor forma de construir livros virtuais, a que chamam blogs e, quando já me sentia minimamente preparado, arranquei forças, para desenterrar o baú onde guardava alguns segredos.
Peguei no escadote e subi ao forro da minha casa. Alcançado o último degrau, coloquei um pé na parte superior do escadote para me projectar e alcancei as duas pastas ao fundo do tecto falso.
Para mim, existem três momentos distintos na vida: o primeiro em que tudo é distante e grande; o segundo, em que tudo o que aparentava ser grande parece pequeno e o terceiro quando tudo de novo fica distante...
Voltando à viagem ao sótão - no tempo do assim-assim - consegui alcançar as duas velhas pastas de cartão prensado, presas por dois elásticos ressequidos que se pulverizaram num instante, e nesse dia não arranjei coragem de as entreabrir.
Fiquei-me por os inúmeros pensamentos escritos à toa, nas partes exteriores das caixas, alguns dos quais eram mais ou menos assim:
- Quando das quebradas do silêncio os lobos uivam e descem à aldeia as mãos unem-se, com mais força, ateando a fogueira que as aquece.
Ou na minha rua havia crianças nuas olhando as outras crianças com relógios a brilharem ao sol.
Ou esta caixa encerra o lado oportuno da minha vida, a saber: vivias num bairro de lata agora sobram-te telhas.
Nessa noite senti uma dificuldade redobrada em dormir.
Afinal, naquelas pastas, não iria encontrar as diversas compilações de poemas que escrevi e rasguei ao longo da minha vida: “Meu amor despido de preconceitos” “Renovação” “Na berlinda dos Tesos” “Lutas a carvão” “Azimute” “Revolução não pára” “Ego” e tantos mais que não lhe recordo os nomes. Apenas iria encontrar, naquelas duas pastas, alguns marcos e marcas e, certamente, alguns poemas de amor e dor.
Parte II
No Inverno a minha casa torna-se fria e, sempre que posso, acendo a salamandra à procura de bafos de calor - ambiente, que me aqueça o corpo e retempere o espírito.
É interessante: no verão desejamos o fresco do Inverno e no Inverno o calor do Verão, porém, quando vejo o nosso cão enroscado saboreando o prazer do calor versus frio, começo a entender esta aparente contradição, pois o prazer está nestas pequenas coisas e na natureza está tudo certo.
Aproveitei a manta e despejei as pastas no chão e o cão deu-me duas lambidelas.
Fez-se barafunda...num amontoado de papéis. Afinal o meu tesouro continha alguns pedaços de fitas com cálculos de vencimentos; velhos papéis de marcações de consultas (recordações de quando trabalhava nos postos das Caixas de Previdência); folhas de papel cavalinho e outros, todas manuscritas, que utilizei para aproveitar o papel e a inspiração do momento
Peguei num pedaço de papel e comecei a ler, tentando decifrar o que tinha escrito ou o motivo para recordar.
Reparei que afinal há mágoas que se julgam apagadas, mágoas mal resgatadas e sofridas, que regressam de novo mas de uma forma ténue e discreta.
Por fim tudo passa e, a amargura de então, torna-se numa ligeira brisa sem pinheiros.
Finalmente, oxigenei alguns escritos e fiz com o resto um tição para atear mais a fogueira.
Subo de novo o escadote, volto a encerrar a minha poesia e reparo em mais um escrito
 Às vezes penso
O conflito que me arrasta
É um tempo
Marcadamente ingrato
E difícil de curar.
1971
ano do poema: inicio do blog em março 2004
publicado por poetaromasi às 22:16
link do post | favorito
 O que é? |

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved

www.PRchecker.info