Este blog nasceu em 6 de Março de 2004

Mais de 3 milhões de visitas e 4 milhões de páginas visitadas- Obrigado



Segunda-feira, 20 de Setembro de 2004

Alexandrina de balasar

 

 

 

Mistérios da fé

Alexandrina de Balasar

 

Desloquei-me neste fim-de-semana a Balasar, uma aldeia que fica perto da Póvoa do Varzim a caminho de Famalicão (no norte de Portugal), para assistir ao casamento do filho de uma amiga.

O casamento realizou-se na Igreja de Balasar, Aldeia pequena e muito conhecida de “crentes e peregrinos” pois, na capela dessa igreja está sepultada a Beata Alexandrina de Balasar.

Alexandrina de Balasar, seu nome completo: Alexandrina Maria da Costa, mais conhecida pela doentinha de Balasar, foi canonizada recentemente pelo Papa. Alexandrina de Balasar foi elevada aos altares, como Beata, por existirem, posteriormente à sua morte, vários milagres comprovados, nomeadamente, a cura de uma doente em estado avançado de Parkinson.

A visita que fiz à casa onde ele viveu “amarrada” a uma cama durante mais de 30 anos tocou-me seriamente.

Confesso, que sempre senti uma enorme vontade em lá ir. Porém, foi tudo por acaso - se acaso o acaso existe.

No dia que antecedeu o casamento, o dia 17/9/2004, ao visitar a casa onde ele esteve entrevada, senti no corpo e na alma uma enorme presença espiritual para a qual não encontro explicação ou razão racional.

A Beata Alexandrina, segundo rezam as crónicas, esteve entrevada durante 30 anos, desde o dia 27 de Março de 1942 até falecer em 13 de Outubro de 1955, sem tomar alimento de espécie alguma, com dores constantes do corpo e torturas indizíveis da alma mas sempre generosamente resignada, sempre sorridente, a todos acolhendo com bondade impressionante.

«Alexandrina era portadora de compressão medular alta só, ou complicada de outros focos compressivos baixos» «A história da doença, os sintomas de que anteriormente se queixava e que hoje (Maio de 1942) apresenta, fazem crer que se trata de uma espécie de vários focos, mas principalmente lombo-sagrada, em compressão medular de um ou mais focos. É portadora também de uma cistite possivelmente devida aos cateterismos efectuados, durante longo tempo, mas o que principalmente avulta, na sua sintomatologia, é a compressão medular, ou mielite que a impossibilita de mexer-se, atento o grau que ela atingiu, na sua evolução de anos» (exames de 1941, rectificados em Maio de 1942 e anotados em 19 de Janeiro de 1943 pelo Dr. Gomes de Araújo e confirmados pelos Drs. Carlos Alberto Lima, professor Laureado da Faculdade de Medicina do Porto, e Dr. Manuel Augusto de Azevedo formado na mesma Faculdade).

Custa a acreditar que alguém sobreviva durante 13 anos sem comer, alimentada, apenas pela hóstia da comunhão.

Alexandrina ofereceu o seu sacrifício ao seu Deus, sempre com um sorriso, pela salvação das almas de todos os povos do mundo e é dela este pensamento:

 

«Queria consolar e confortar todos.

Queria dar alegria a todos os corações.

Queria tirar a fome aos famintos.

Queria vestir todos os nus.

Que pena eu experimento por todos os pobrezinhos»

 

Do seu diário a seguinte passagem (Diário da Alexandrina, 21.03.1947)

 

«Eu vivo com todo o amor,

porque com todo o amor por ti sou amado.

Amas-Me quando choras,

quando sorris;

amas-Me na dor

e na alegria;

amas-Me no silêncio

ou falando:

amas-Me em tudo».

 

(Beata Alexandrina de Balasar)

Nasceu: 30/03/1904

Faleceu 13/10/1955

Rogério Simões

20-09-2004 1:15:38

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página
ano do poema: texto
publicado por poetaromasi às 02:01
link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved