Este blog nasceu em 6 de Março de 2004

Mais de 3 milhões de visitas e 4 milhões de páginas visitadas- Obrigado



Segunda-feira, 31 de Dezembro de 2007

Efigénia Coutinho, Daniel Cristal e Rogério Simões desejam FELIZ 2008

 

Flores da Efigénia, de Daniel Cristal e do rogério para todos

 

 

FELIZ 2008

 

 

 

 

 

 

 

MENSAGEM DE ANO NOVO

DE UMA MUSA POETA DO BRASIL

EFIGÉNIA COUTINHO

 

O Ano-Novo é um evento que acontece quando uma cultura celebra o fim de um ano e o começo do próximo. Todas culturas que têm calendários anuais celebram o "Ano-Novo". A celebração do evento é também chamada réveillon, termo oriundo do verbo réveiller, que em francês significa "despertar".

A comemoração ocidental tem origem num decreto do governador romano Júlio César, que fixou o 1º de janeiro como o Dia do Ano-Novo em 46 a.C. Os romanos dedicavam esse dia a Jano, o deus dos portões. O mês de Janeiro, deriva do nome de Jano, que tinha duas faces - uma voltada para frente e a outra para trás.


                                


"É tempo de "reflexão". 2007/2008
Por Efigênia Coutinho


Vem surgindo sobre a humanidade, um tipo de visão "planetária".
O mundo explode e se move, por círculos, cada vez maiores à nossa volta.
Minados por tensões, conflitos, guerras, mesmo acontecendo distante de nós, repercutem-se na vida de cada um.

Não temos como evitar estas explosões, contudo, até onde podemos responder a essa consciência planetária?
Somos solicitados por todo Universo a refletir intelectualmente acerca de todas estas informações , que nos saltam por todo o lado; a expressar com ação todo o impulso ético que venha do coração e da mente.
A inter-relação entre os cidadãos do mundo, nos liga a cada segundo,
e há muitas mais pessoas do que nosso coração conseguem acolher!
(Ou melhor: acredito que o coração seja infinito).

Sendo assim a comunicação moderna nos sobrecarrega, com mais problemas do que a Natureza Humana pode suportar e assumir. É gratificante que o coração intelecto e o poder de imaginação se expandam,
mas nosso corpo, nossas mentes, nosso grau de resistência e tempo de vida, não são tão flexíveis, e não consigo ajudar a todas as pessoas que tocam e comungam com o meu coração.

Não posso  enamorar minha alma com todas elas, ou adotá-las como filhos.
Fomos criados numa tradição, que agora se tornou inviável,
pois nosso círculo de amizades, foi ampliado em tempo e espaço!
E por não ter tempo disponível para assimilar em sua totalidade a complexidade do presente, simplifico, desejando a todos
Feliz Ano Novo com sonhos FUTURECIDOS!


"A FESTA DA VIDA SOMENTE ACONTECE QUANDO PARTILHAMOS A PRÓPRIA VIDA".
Efigênia Coutinho 2007/2008

 

COM OS VOTOS DE UM BOM 2008

DO MESTRE POETA ARMANDO FIGUEIREDO

(DANIEL CRISTAL)

UM DOS MAIORES POETAS PORTUGUESES

 

 

A AMPULHETA DO TEMPO

 

Daniel Cristal

 

 

Nesta plataforma propícia à meditação, onde me situo no estado actual, verifico, com algum pesar e incómodo, que tenho andado algo arredado do vosso convívio agradável, e dos amigos mais distantes no espaço geofísico, coincidente por sinal com o mundo cibernáutico; efectivamente, alguns estragos o tempo tem cometido no meu corpo, próprios da idade e de alguns relativos excessos experimentados... mas continuo por cá sorridente, apesar disso. Auto-limitado na acção por decisão própria, receoso do desgaste temporal, cuidando dos arranjos adequados aos órgãos vitais necessários, distanciado de projectos. Apenas gozando o presente, quanto possível! Agradecendo a hora escorrida em cada momento ao Arcanjo que resguarda e vela a mansidão dos justos, na ambiência que nos cabe, graças também a vós. É, de facto, um privilégio viver mais uma hora no interior do bojo do balão fruindo do vosso saudável convívio...

 

É uma honra ser acolhido dia-após-dia nesta casa térrea onde desfrutamos de carinhosa companhia; onde vemos crescer os nossos netos passo-a-passo diferentes, mais soltos, mais afoitos, mais surpreendentes, os filhos a tornarem-se adultos, fortes, eventualmente com algumas cãs raiadas já na cabeleira, as filhas a tentarem agarrar a felicidade possível, noras e genros a procurarem acertar com o percurso que leva à plenitude do universo do amor.

 

Continuo, destarte, por cá sorridente e agradecido... não será por muito tempo, certamente, no comum conceito de esvaziamento da ampulheta. Quantos anos de poeira se mete dentro da ampulheta duma existência? Cinquenta, setenta, noventa? Ninguém sabe quanto pó nos está destinado, ou quanta energia e quanto tempo foram programados por força da Natureza, na edificação do nosso élan-vital. Porém, não esqueçamos, para favorecimento da nossa saúde e equilíbrio mental, que é só pó, eventualmente brilhante e cintilante, ou areia; pouca diferença faz, pó ou areia. Se for pó, ele avisa-nos todos os dias do que nos espera na reversão. Se for areia pode levar-nos a acreditar que ainda nos resta alguma ilusão da eternidade. Por curiosidade, nem sabemos muito bem como se processa o milagre do estado contínuo.

 

Para viver mais uma hora, a partir da meia-idade, é preciso ter renunciado anteriormente ao exercício de vícios e à prática de excessos; esses que dão muito prazer sensorial, mas matam ou reduzem a longevidade. É preciso resistir às drogas, ao tabagismo, aos excessos de álcool e da comida, ao desregramento nos hábitos naturais e salutares. São horas que farão falta à vida vivenciada com o prazer de se estar vivo na plenitude do convívio humano saudável, horas escorridas pelo orifício da ampulheta, que amaciam a alma com a brandura da consciência de todos os objectivos cumpridos, todas as obrigações satisfeitas, todos os deveres resgatados.

 

É um privilégio estar onde estamos, a ocupar o espaço que nos foi e está destinado por forças  muito poderosas, sobrenaturais, quase obscuras; há-de existir algum sentido para que cada um cumpra o seu destino, algumas vezes num âmbito colectivo, outras individual. Somos pertença de quem nos fez à semelhança de um deus original que tanto vive quanto morre, para que tudo continue multiplicado numa ou noutra parte do Universo, nesta forma e matéria, ou noutra possível, virtual, casualmente, para nós, até desconhecida.

 

2007. Portugal

 

 

Neste final de 2007, quero agradecer aos poetas que me deram a honra de os editar aqui. Efigénia Coutinho e Daniel Cristal, para mim, dos maiores entre os melhores. Foi por isso que iniciei esta despedida de 2007 com mensagens que me chegaram por e-mail. Desejo aos dois poetas que muito amo todo o bem do mundo, toda a paz e felicidade.

 

Para todos os amigos que nos visitam deixo uma curta mensagem com votos de feliz 2008

 

Os anos vão passando, a manhã já vai alta e a tarde já escapa.

A vida corre para a meta e a meta fica mais próxima em cada natal, em cada ano novo.

Tudo foge, caem os cabelos, o rosto fica mais rugoso e a vida acontece.

Mas um Menino tão antigo permanece menino como nasceu.

Que magia! Como encanta este menino,

como sai bonito das mãos do carpinteiro

ou de um trabalho de barro.

De barros somos todos nós!

Ainda assim dá para expressar sentimentos e no virar de página de mais um ano, nós viajantes de um espaço terreno aproveitamos o tempo que nos resta para lembrar os amigos que partiram ou que ainda estão entre nós

É por isso que me recordei de cada com um carinho muito especial.

Gosto muito de vós!

 

Feliz 2008 Para Todos.

Muita paz, muita saúde, tudo de bom

São os votos deste vosso amigo

Rogério Martins Simões

 

Visitem POEMAS DE AMOR E DOR

 

EM SITE

 

http://www.romasi.netpampilhosense.org

 

www.PRchecker.infowww.PRchecker.info Poemas de amor e dor conteúdo da página
ano do poema: FELIZ 2008
publicado por poetaromasi às 19:26
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |  O que é?

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved