Este blog nasceu em 6 de Março de 2004

Mais de 3 milhões de visitas e 4 milhões de páginas visitadas- Obrigado



Quinta-feira, 11 de Setembro de 2008

Quisera andar de carrossel na voz de Luís Gaspar Estúdios Raposa

 

 

Este poema, de que gosto muito, foi dedicado a todos os meus “companheiros” portadores da doença de Parkinson e publicado pela primeira vez no dia em que o meu livro de poesia, “Poemas de amor e dor”, foi acedido 1 milhão de vezes em 18 meses. (início do blog Março de 2004). Foi escrito quando pela 2ª vez fiz “borrada” e foi assim:

A minha doce Elisabete fazia anos e eu até não estava muito mal, porém fui um desastre, no restaurante, nesse jantar de anos: Salpicou comida na gravata, para as calças, e quando me pretendia limpar, levantando-me, tombou a cadeira e o casaco foi ao chão.

Pouco se notam as diferenças mas parece que caem sobre nós todos os olhares e virei carrossel, recordei-me do melaço com que enfarruscava o meu rosto, que recuperei na lembrança, e fui de novo criança, agora, mais tonta e mais perdida.

Agora que sabem o segredo deste poema, quero agradecer ao Luís Gaspar ter emprestado a voz a este poema. Aos Estúdios Raposa a minha gratidão. Deixo-vos com o poema e com a sua gravação em mp3 no link ao lado.

Saudades e viva a poesia,

Rogério Martins Simões

 

 

 

 

QUISERA ANDAR DE CARROSSEL
Rogério Martins Simões
 
Quisera andar de carrossel
Com um sorriso de criança que ri
Rosto rebuçado, melaços de mel
Laivos da festa que resta em ti…
 
Num dedo prendo o balão,
Com outro seguro o corcel
Soco a bola com a mão
As mãos, o rosto e a testa
Besunto-me todo com mel.
 
Solta-se dos dedos o balão
Que voa a caminho do céu
-Mãe! Vai-me apanhar
Um sorriso igual ao seu…
 
-Meu filho a mãe não sabe!
Ler, nunca aprendeu:
A mãe vai procurar
O balão que se perdeu…
 
-Mãe que sabe escutar,
Meus choros em seu coração
Abençoada o seja minha mãe
Por tudo o que foi e me deu!
 
Rodopiam as lembranças da festa
Pára o movimento ondulante
Sujo-me de novo a cada instante…
Sem rebuçados com sabor a mel
Mas… Brinquei tanto no carrossel….
 
2005-10-20
Poemas de amor e dor conteúdo da página
ano do poema: 2005
publicado por poetaromasi às 23:50
link do post | ##COMENTAR## | favorito
 O que é? |  O que é?

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved