Este blog nasceu em 6 de Março de 2004

Mais de 3 milhões de visitas e 4 milhões de páginas visitadas- Obrigado



Sábado, 25 de Abril de 2009

A revolução, sabes, é difícil (liberdade)

 

1970 TAVIRA

 

Éramos todos atiradores de infantaria,
E tínhamos a arma por companhia...
Onde estais camaradas?
Ah como vos oiço ainda marchar
pelas ruas de Tavira!
E o barco partia
Entre as lágrimas deitadas no cais
E o barco voltava!
E o barco ia!
Onde estais
Que não vos vi chegar…
Quantas mães choraram!?
Quantos pais gritaram!?
Quantas mulheres enviuvaram!?
Quantos meninos ficaram órfãos.
 
Ah! Se Abril tivesse chegado mais cedo…
Rogério
25/4/2009
 

 

 

 

 

 Quantos antes  de nós tinham partido para sempre...

 

E aqueles que regressaram cumpriram as promessas

 

Queimaram velas

 

Em Fátima comprei uma medalha que dizia assim

 

Em Fátima rezei por ti!

 

 

 

 

 

SENHORA DA ATALAIA

EX VOTOS

 

 

MORSE
Romasi
 
Traço, traço, traço, ponto
Morse, morse, morse morte…
Mais homens, mais gente.
Traço, traço, pouca sorte
Vai partir um contingente!
 
Pouca terra, pouca terra…
Lenços e preces agitam-se no ar
O pranto fustiga todo o cais…
Partem os noivos; chora o mar…
Os filhos, os amigos e os pais!
 
Traço, traço, traço, pronto
Regressa de novo o transporte
Beijam-se os filhos e os maridos
Agitam-se os lenços garridos
Traço, traço, traço, sorte…
 
Morse, morse, morse morte
Apita o barco engalanado
- O soldadinho vem no porão
Marido e o filho tão amado
Que regressa… num caixão!
 
 
 
Traço, traço, traço, ponto…
 
 
Lisboa, 14/02/1969

 

 

E finalmente a guerra terminou.

 

 

 

 

 

A revolução, sabes, é difícil
Rogério Martins Simões
“Sabes, a revolução é difícil”
(Fidel de Castro)
 
Cuspiram na cara do operário
Os tipos da Pátria vendida!
Apertaram os pulsos e olharam desconfiados
Os tipos da pastilha elástica…
 
Crivaram de balas o revolucionário:
Com as balas dos agentes da ordem.
E as vozes responderam em coro:
LIBERDADE!
 
Numa manhã primaveril
As correntes dos pulsos quebraram!
Libertaram os resistentes vivos
Homenagearam os resistentes mortos
E o povo cantou livre pela rua:
LIBERDADE
 
Maio dos bravos
Maio primaveril
Nascem viçosos os cravos
Do vinte cinco de Abril!
 
Pouco a pouco a revolução
Se transformou em tão pouco
Pouco a pouco a fera carregou
Camaradas de luta tombaram
 
Mas as suas e as nossas vozes não se calam:
Irão cuspir de novo na cara do povo
Os tipos da Pátria vendida
Apertarão de novo os pulsos
E olharão desconfiados
Os tipos da pastilha elástica…
 
Cantará de novo,
E com mais força,
O nosso povo:
LIBERDADE
 
Crivarão de novo o povo
Com balas dos agentes da ordem
(Da ordem contrária)
Mas as suas e as nossas vozes
Se erguerão em coro cantando
LIBERDADE
 
Sabes!
A revolução é difícil
 
1975

 

 

 

 

 

Solidariedade, onde estás?
Rogério Martins Simões
 
Ai esta sensação
de solidariedade
Que marcou os meus sonhos.
Que me devolveu o alento.
E que finge
ou teima em tardar...
Pura ilusão!
Onde estás?
De que forma te revestes
Que, ainda,
não te consigo vislumbrar.
07-04-2008

 

 

 

 

 

 

www.PRchecker.infowww.PRchecker.info Poemas de amor e dor conteúdo da página
publicado por poetaromasi às 01:55
link do post | ##COMENTAR## | Ler comentários (1) | favorito
 O que é? |  O que é?

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved