Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




mensagem

 

 

MENSAGEM

 

Amanhã dia 27/3/2004 pelas 17 horas, vai ser editado um caderno com 12 poemas que retirei da gaveta.

Será o caderno n.º 41 da Colecção “Índex Poesis” uma iniciativa da Ermelinda Toscano, a quem agradeço.

Não poderia deixar de agradecer a “quem” me aconselhou a visitar o Blog de divulgação de cultura que eu já incluo nos favoritos.

Uma palavra de reconhecimento e gratidão para a autora da feliz ideia de divulgar a poesia e os novos poetas, com o título “Uma dúzia de páginas de poesia”, no Café com Letras, sito na Rua Cândido dos Reis, n.º 88, Cacilhas – 2800-297 – Almada, durante a sessão de << poesia vadia >>.

Citando Ermelinda Toscano “para que a poesia nunca mais fique aprisionada nas gavetas da memória, ou esquecida numa folha de papel que ninguém lê”.

Para recordar a o dia em que publico, pela primeira vez 12 poemas, dou a conhecer um dos meus primeiros trabalhos que não rasguei.

Obrigado, e que vivam os poetas e a poesia.

ROMASI

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

A seguir a mim...

AdeusCor.jpg

(óleo sobre tela Elisabete Sombreireiro Palma)

A SEGUIR A MIM

Rogério Simões

 

A seguir a mim

Tudo perdurará no tempo

No Sol, no orvalho da manhã

Tudo é e será diferente.

E se tudo andar!

Guiar, parar, falar,

Ou gritar!

Quero girar

Por onde tudo anda

E nada pára.

E acima de tudo

Quero acordar no tempo

E partir!

Andar por aí

Fazendo tudo e nada

Em busca do meu papel.

Que papel?

De um jornal que se apaga

No estrume,

Ou se queima no lume,

Mas que arda!

Ou a vida se renove.

Mas a prova?

A prova está aqui, ainda vivo,

Cheirando o ar,

Semeando

Colhendo

O brilho do sol,

Por entre as nuvens.

Quero,

Atravessar os desertos

Do pensamento

E colher as areias

De cada momento,

Grão a grão!

Até ao fim!

Pois a grandeza é estar vivo

E de certeza

Permanecer no espaço

Depois de ido

À espera

Que uma simples gota de orvalho caia

E me traga de volta:

Sem cabelos grisalhos,

Num sorriso de criança,

No colorido de uma crisálida

Ou num papagaio de papel

15-12-2003

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Palavras amargas

 

 

 CLAUDE MONET

 

 

 
 
Palavras amargas
Rogério Martins Simões
 
Grito, castigo,
Amigo,
Ponte.
Atravesso a ponte
Nadando.
Penando
E para aqui ando…
 
Andei para a ponte…
Atravessei o muro…
A murro, a cinto
E sinto o meu corpo
Tingido de púrpura…
 
Aponto!
Aponto…
Todos os dias a consciência
Aponto a continência
A abstinência
A turbulência
Que me lixa o peito
Que me traz vivo.
 
Agito
Este carvão consumido
Agito a minha ida
E vou a nado
Para a outra margem
Salto a torre de menagem
E de lá parto, também,
Sem saber para onde.
 
Quero resistir
Os tempos são de mudança
Sei para onde quero ir
Parei na descida
Regressa a minha confiança
Tenho de refazer a minha vida…
 
1989

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Despido de preconceitos

 

 

 

Despido de preconceitos
Romasi
 
Meu amor assim
Despido de preconceitos
Teu amor em mim
Debruçada em parapeito…
Meu amor em ti
Sublimando doçura e jeito
Na alva cor
da frescura dos teus peitos…
 
Junho 1975
Poemas de amor e dor conteúdo da página

Felicidade

 

 

 

 

FELICIDADE

Rogério Martins Simões

 

Felicidade

Passa

E quase não se sente,

Passa.

Sem passado

Nem presente.

 

Olhem!

Quase não se vê

Como a ausência

que não se lê.

 

Felicidade

Passa

Tão perto, tão rente

Junto de nós

Calada.

Colada levemente

 

Olhem

Quase não se vê

Como a tristeza que não se lê.

 

Felicidade

Passa

E quase não se sente

Passa

Mesmo ao nosso lado

E desaparece de repente.

 

1998

 

 

 

 

 

(Óleo sobre tela

 

Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Esta vida não vivi!

 

 

 

 

 

 

ESTA VIDA NÃO VIVI
Romasi
 
Será que na vida não vive
Quem na vida já viveu?
Ou será que terá vida
Quem nesta vida sofreu.
E eu que morri e que vivo
Dentro do mundo que passou:
Nos versos que não morrerão
Após rasgar a vida
Irão lembrar quem chorou
E esta vida não viveu.
 
1971

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR