Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

PAZ

31.07.07

 

 

P A Z

Efigênia Coutinho

 

P A Z que eu busquei, chegou

companheira, em círculos

paralelos, em clima de harmonia

comungando o pensamento

em sintonia com a Vida...

 

 

P A Z que eu encontrei, chegou

em romaria, deixou o coração

pleno de esperança, sorri da

própria alegria, e vai macia

desenhando este céu de alegrias!

 

 

P A Z que está dentro de mim

é bailarina, dança os sonhos

em volta do luar, de ir e vir

como estar num balanço,  voltar

no tempo e poder ser criança!

 

 

P A Z que estou sentido, é musicalidade

na alma, é o corpo dentro doutro corpo!

É canto suave, para uma só voz, um coro

uníssono com a vida em harmonia!

 

 

P A Z consciência que leva ao

conhecimento de si:

a conhecer e a reconhecer

a quietude da Alma!

 



 

NOVA POETISA, NOVA POESIA
      
          Lino Vitti
    (Príncipe dos poetas piracicabanos)

 Sempre que sou convidado a falar sobre Poesia, vem-me à octogenária cuca-sapiência a figura significativa de uma árvore frutífera. É o que ela é: apendoada fruteira a exibir lindos e coloridos frutos ao olhar de quem passa em romagem pela estrada da vida. E não são poucos os  que, atraídos pela beleza e pelo sabor odorífero daquela manifestação de vida, param, cobiçam, caem em tentação e se põem a degustar, às vezes até com avidez de fome, a maravilhosa oferta. ( Leia o restante ao e-book)

 

PARA LÊR CLIQUE AO LINK

          http://www.avspe.eti.br/e-book/quatropalavras_amor.exe

OU FAÇA  downloads

- Webdesigner Sonia Orsiolli
CLIQUE

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

30.07.07

 

 

 

Eterno Paraíso

Efigênia Coutinho

 

Nunca será tarde para murmurar teu nome

para cantarolar as cantigas antigas

para navegar ao vento a todo pano

e banhar-me nas águas do teu mar.

 

Nunca será tarde para retirar a cinza

acumulada nesta ausência desta estrada

para desbaratar os laços de desilusões

e voltar a rir outra vez entre as flores...

 

Se eu escutar o arrebatamento dos

teus sonhos, tuas mãos para aquecer-me...

teus beijos, o sumo que enternece-me

e em teus passos o desejo de buscar-me...

 

que mova-se todo o Universo a nossa volta

e recriaremos para nós o Eterno Paraíso...

 

 

Balneário Camboriú

12.03.2007

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

29.07.07

 

(Porto - ribeira - Portugal)

 

 

SINTONIAS

Efigênia  Coutinho

 

 

Por todos os lugares onde ando,

reencontro você, e me perco no agora,

momento de doce fantasia,

instante longo que não vai embora...

 

Por todos os lugares em que ando

você se eleva, segundo de emoção

que chega, me faz sonhar

e abrasa meu coração...

 

Por todos os lugares em que ando,

percebo, sinto e reconheço

seu vulto, e seu calor me invade

e me arrebata, tão perto, tão real!

 

Por todos os lugares em que ando,

há um pressagio, é o agora,

chega sem demora, mas que

não passa, nem vai apressado!

 

Por todos os lugares em que ando,

ao senti-lo, vou me encontrando

e meu ser se transmuta, nesta sintonia!

Seus braços procurando os meus!

 

 

Balneário Camboriú

MAIO 2007

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

28.07.07

 

 

beijo sagrado

Efigênia Coutinho

 

dos lábios doce aurora suave

sonora circula pela periferia

estereográfico modelo da nave

desenhada em fogo e magia

 

dito o verso em tom resoluto

ensaiando um rimalhar rico

declamado no todo absoluto

autoria cuja posse reivindico

 

um feito neste universo contido

de todos os elementos composto

na forma mais voraz é concebido

 

beijo sagrado em meu lábio posto

fresca epiderme em candida libido

lírica sensualidade ao nosso gosto

 

 

Balneário Camboriú 2006



 

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

27.07.07

 

 

SINA

Efigênia Coutinho

 

 

A' tardinha quando Phebo já declina

ungida de ternura e suavidade, eu me

ponho a cismar, sem que me enfade,

na escravidão de amor, que é minha Sina!

 

 

E sobre o astro Sol, parece que reclina

um Deus soberbo da pagã Hellade...

outro não tem maior virilidade...

nem se iguala em graça masculina!

 

 

Então apresso-me a venerar seu vulto,

e, enquanto o coração repica o sino

meus lábios ofertam preces de culto!...

 

 

Sonhar assim é meu prazer supino,

e dentro deste templo vibro e exulto,

se devota de ti eu me imagino!...

 

 

Balneário Camboriú

27 - 2 - 2006... 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

26.07.07

 

 

Espera

Efigênia Coutinho

 

Horas de exaltação e de deslumbramento!...

Horas de sobressalto... e de êxtase inaudito!...

Horas em que aquecido o coração atento

sem revolta se entrega a apaixonado rito!...

 

Quando é funda a emoção, cada fibra estremece,

e, toda compungida, a alma mergulha exangue

num incerto cisma, numa doce prece...

que faz gemer a carne e murmurar o sangue!

 

Quem não sentiu jamais um instante brado

de vocação crescida dia a dia, de um coração

gêmeo no teu, capaz de afinidades intensas!

 

Agora, apenas tu me das licença, de

consagrar-me a ti, ao teu devotamento sem

igual. E és meu sonho, meu terno Ideal!

 

 

Balneário Camboriú  2007

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

25.07.07

 

 

 

NA NOITE

Efigênia Coutinho

 

Quando me desejas no esplendor

Dum sonho multicolor de magias

Encantadas, o teu desejo se aninha

E o meu pra ti avança copioso

 

Quando te sonho: Os teus olhos,

faíscam mais que minha memória

E o teu carinho mais quente, é um

mundo diferente quando chegas!

 

Vem o desejo; de ter-te travesso

Ser tua, pelo avesso em tua torre

Sensual em alvos lençóis de cetim

 

Os sonhos que na noite te inundas, não

é mais que os desejos que brotam de mim

De ser tudo... no sentido que nos apura...

 

 

Petrópolis,16 fevereiro 2007

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

24.07.07

 

 

PARA TE VER SORRIR

Efigênia Coutinho

 

 

Não demores tanto assim... olvida tudo...

Amemos, amar é nosso escudo, de que eu cuido!

O que faz este belo sentimento ser cobiçado!

 

Eu sou Enamorada ...Tu, meu namorado...

Nossas Almas Deus uniu para a Eternidade

Hão de unidas viver, ainda este sonho...

 

Oh..Amor... Eu percebo a harmonia,

Da tua alma, por sublimes melodias

Que tens cravadas em teu coração.

 

Cantarei para ti, belas canções de amor,

orvalhando folhas, flores e os frutos

da primavera... só para te ver sorrir....

 

Vem! Serei tua Deusa, tua amante...

Vem! Sonhar em nosso leito delirante

Nosso sacrário templo da paixão...

 

Balneário Camboriú

2007 30.03.2007.

 

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

23.07.07

 

 

NOTURNO

Efigênia Coutinho

 

 

Ah!... a saudade que tenho é mágica.

É uma fresta enfeitiçada, seja na noite

pelas estrelas luzentes, brilho e beleza,

seja de dia, raio de Sol dourando o céu!

 

Ah, um Fascínio Romanesco, por este

banquete da Noite, vestes meus Sonhos

de Noturnos, bendizendo, teus Sonhos com

pompas, sinfonias de estrelas com véus!

 

Tanta veemência, tanto Amor, posso eu ter!

Vais desenhando todo céu , deixando rastros,

Sonhos de Esperanças que não me cansam...

 

Sonhos que se inebriam de Noturnos,

sedução e lume que exalam pela noite

... ao brilho do Luar que nos enfeitiça!

 

Balneário Camboriú

2003 - agosto - 27

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

22.07.07

 

 

O PENHOR DA SINA

Efigênia Coutinho

 

 

Se todos os sonhos vagabundearem acima

Nada o mudará nas cores dum arco-íris

E nem perde da representação fiel a estima

Pelo fato de mostrar o sonho em tom faceiro!

 

 

Sendo tudo um grande sonho, cabe na rima

Só não cabe ao ensejo dum grande soneto

Sendo assim, os sonhos que hoje acalento

Por estes quatorze versos que remeto;

 

 

Venho declarar, para toda a imortalidade

Os milhões de sonhos que tenho crescentes

e, aqui clamo, toda a síntese duma verdade!

 

 

Os sonhos nada tem de extravagante:

Vou sonhando apenas por entre metáforas

deixando a vida solta na penhora da minha sina.

 

 

Balneário Camboriú

Abril,24,2007

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub