Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

26.04.08

 

 

ANTES

 

Na prosa um poema

Na solidão dele uma prisão

Na prisão o grito esvai-se pelas grades...

Cá fora corações perros...

Encerram a morte dos poemas

romasi

5/02/1969

 

 

Quisera eu ser poeta, um poeta sem nome ou raça.

Apenas um poeta

Gostaria de cantar coisas doces, mas só me saem palavras beliscadas

Com formas aguerridas e duras de roer.

Queria ser livre! Para ler e estudar, mas não consigo

E na minha tristeza

Este meu findar

Este meu esquecimento

romasi

1972

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1974

 

 

 

RENOVAÇÃO

ROMASI

 

Se há algo que não concordo

É da injustiça e do medo

Das torturas que me recordo

Dos homens que partiram cedo

 

Atraídos à cilada

Despedaçados com matracas

Por discordarem da vida

Que levavam nas barracas

 

Só pediam pão, só isso!

E um pouco de educação

Só queriam paz e justiça

E o fim da opressão!

 

Fugiram, os que puderam,

Para França ou para qualquer lugar

E foi lá que souberam

Que podiam regressar.

 

Aqueles que escaparam à morte

Que para África foram lutar

Desfilaram cantando a sorte

Por poderem regressar

 

E no 1º Maio fizeram a festa

Que há muito estava proibida

Não há festa como esta

De chegar à liberdade com vida:

 

“Maio dos bravos,

Maio primaveril

Nascem viçosos os cravos

Do vinte e cinco de Abril.

 

1974

 

Um dia depois

26 de Abril de 2008

 

Este é o meu protesto!

A liberdade está a ficar cercada e os nossos votos de nada servem. Os nossos sonhos viajantes estão a ficar cansados. Onde estão os valores de Abril?

Que futuro podem ter os jovens com trabalho precário?

Serão de facto velhos os desempregados com 40 anos de idade?

Qual a razão que assiste, a quem nos governa, para não respeitarem os compromissos assumidos com os seus eleitores?

Por que fecham os hospitais sem alternativa?

 

Por que razão mudaram as regras da aposentação?

Dizem – Mudamos a regra porque a esperança de vida é agora maior! Será assim? Vejamos!

 

Se nos aumentaram o tempo para alcançar a reforma, é por que nos querem, nos nossos postos de trabalho, até mais tarde.

Nada mais falso! O que querem é reduzir os montantes das aposentações!

É por isso que nos incentivam a ir para a reforma mais cedo. Qual a razão para nos anunciarem a pré-reforma? Não! Estes senhores apenas querem retirar direitos adquiridos e antecipar reformas com penalização.

 

Qual a penalização nos vencimentos dos políticos?

Será que o político tem uma profissão de desgaste rápido?

Onde estão e por onde param esses profissionais quando saem da política?

Será que ainda posso protestar?

 

Ontem fui um dia igual aos outros. Ah! Não é verdade! Ontem ergui o meu copo, do mais sublime néctar, aos militares que me restituíram a liberdade.

 

SEMPRE
ROMASI, desculpem! Dizem que ainda há liberdade,

Sempre,

Rogério Martins Simões

 

 

CHAMARAM-ME COMUNISTA
romasi
Rogério Martins Simões
 
A pouca luz dos candeeiros
escondiam a raiva cerrada
nos dentes dos prisioneiros.
 
Ai se eu pudesse falar
Beijar os seios nus
da liberdade
Ai se pudesse romper
 os cadeados da injustiça
e tingir de sangue
Os lençóis de linho dos cobardes.
 
Por aqui vou andando
meu pai.
Escrevo esta carta
que não irá receber
Carta imaginária 
sem papel ou tinta.
Acabei por confessar
o que nunca pensei!
Acabei por assinar
o que não sei!
 
Chamaram-me comunista!
Que é isso meu pai?
 
1973
 
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

24.04.08

 

(por um dia fui pastor)

 

 

 

DOU A VOLTA AO SORRISO…
Rogério Martins Simões
 
Meu amor ajuda-me a viver!
Massaja-me esta dor no peito!
Que triste é sentir-me sem jeito,
Sem asas para na sorte erguer…
 
Asas ou esperança quero ter,
Planando num adejo perfeito:
Meu amor ajuda-me a vencer,
O caminho que à luz espreito.
 
Ah! Se pudesse rir como ria.
Pudesse ser ainda mais forte.
Lançava os dados e tentaria,
Passar as fronteiras da sorte…
 
Com teu amor sorte não preciso!
Darei a volta ao meu sorriso.
 
Lisboa, 07-04-2008 22:09:14

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

23.04.08

 

 

PRIMERA VEZ EN CAPITAL FEDERAL ARGENTINA

Domingo 4 de mayo de 2008
17:00hs

 

El lugar de encuentro es el OBELISCO de la ciudad Autónoma de Buenos Aires. Ícono de la República Argentina

República Argentina

Se reunen, Los Poetas,  La Poesía, Las Musas y Tu Voz. 

 

Motivo:Compartir y dar a conocer

Nuestra voz,

Nuestra poética

Nuestros sentimientos

Nuestros hechos.

LA CONVOCATORIA ESTA ABIERTA

Llevemos trípticos, libros, poemas impresos, señaladores o lo que gustes para compartir entre nosotros y los argentinos, que nos escuchen.

Los poetas tenemos que decir presente en este momento, vení sumate, multiplicate, animate a decir presente, te esperamos. 

 

 

Difundamos esta iniciativa, si no puedes estar ayuda en la difusión de este evento, unidos seremos uno, pero gigante, y nos podrán ver.

 

Dijeron presente:

 

1.   Maria Elena Sancho 

2.   Long Ohni

3.  Juan Ricardo Sagardía (SANTOAMOR)

4.  Alejandro Drewes

5.  Celina Vautier

6.  Gito Minore

7.  Gabriela Abeal- Mar del Plata

8.  Victoria Servido

9.  Juan Carlos Maidana

10. Alba Gutierrez

11. Oscar Galante

12. Elisabet Bet

13. Liliana Arena

14. Perpetua Flores-Brasil

15. Horacio Mario Aguilar

16. Marisa Aragón Willner

17. María Clara Segobia- Brasil

18. Fátima Boerchet- Brasil

19. Pako Rizzo

20. Paulo Monti- Porto Alegre-Adhesion

21. Darcy Tortonese

22. Analía Pinto

23. María Beatriz Montiel

24. Carlos Alberto Dávila

25. José Luís Pace

26. Adriana Rodriguez

27. Liliana Lapadula

28. Eduardo Monte Jopia (3+1)

29. Silvia Garolla

30.  Ricardo Lejarza

31.  Alejandra Zarhi - Santiago - Chile
32. Julio Lewitt
33. Jorge Vilchez
34. Nora Santana

35. Dora Giannoni

LA BIBLIOTECA POPULAR MADRE TERESA, de Virrey del Pino, La Matanza,  
36. Mario Escobar Castex

37. Victor Damian Cuello

38. Lidia Fantoni

39. Eduardo Raul Burattini

40. Blanca Horisberger

41. Enrique Yañez Quiroga 

42. ??

Lista de los que brindan su apoyo, en imposibilidad de estar presente:

 

  1-  Emilio Medina Muñoz - Ciudad Real, España

  2-  Grupo Poesia Portugal - Coimba-

  3-  Revista Paralelo30 - Porto Alegre-Brasil-

http://geocities. yahoo.com. br/paralelo_ 30/index. htm

  4- Elizabet Cincotta - Berazategui - Bs. As.
  5- Liliana varela - Capital federal - Bs. As.
  6- Julio Yossi May - Petach Tikwa - Israel
  7- Carlos Alberto Fernández - Argentina
  8- Raquel Tepich - Mar Del Plata - Argentina
  9- Sergio Holtz - Brasil
10- Astir - Brasil
11-  Grupo Muestrario de Palabras - 

                                http://ar.groups. yahoo.com/ group/muestrario depalabras/
12- Maria Fischinger- USA       
13-  Fanny G. Jaretón - Córdoba - Argentina
14- Manuel Cortes - España

16- Constantino Méndez Alves - Brasil

17-Matchornicova

18- Rogerio Martins Simões - Portugal 

                       http://poemasdeamoredor.blogs.sapo.pt

19-Susana Lizz- Gualeguaychú-

                  www.susanalizzi.blogspot.com

20 - Analía Pascaner - Catamarca

http://www.convozpropiaenlared.blogspot.com

21 Aldo Novelli-narrador-poeta-ensayista -Neuquen Patagonia Argentina

      http://www.la-sed-infinita.blogspot.com 

22-Ezequiel Midana-

www.ricardomaidana.com.ar

 

 

Con un copio y pego registraremos los convocados.

Por favor, envia una copia a santoamor2005@ yahoo.com. ar

mariaelenasancho@ fibertel. com.ar

para ir anotando a los convocados y  llevar un registro.

Desde ya muchas gracias por la difusión.       

 

Desde ya mi eterno agradecimiento a los que participaran a los que adhieren.

Esto comenzó como una cosita de nada solo con la humilde intención que cada poeta podamos tener la oportunidad de mostrarle a todos nuestros escritos, sentimientos, siempre con respeto por el otro

Mil gracias a los que se mantienen al margen y no ponen piedras

Mil gracias mas que seguro se irán anotando para que esto sea una fiesta de sentimientos.

Maria Elena Sancho

PD: mil gracias a santoamor que no dejo un solo instante en apoyar esta idea desde un comienzo

 

La chica baila?

Rogério Martins Simões

(Traducción Maria Elena Sancho)

 

 

Mí madre que a pasar conmigo

Paso los días a cuidar del ganado

Pide a la señora del Bonfim

Que me arregle un buen noviazgo.

 

Mí madre quedase bien así?

Duché el río en mí cuerpo ya creado

No pongo cambray! Pongo satén

Senos carmines y cuerpo rosado

 

Mí madre si yo me voy a bailar

No necesito tú chal o mantón)

Mí madre! voy a tener cuidado

 

Verdor de rosa, clavo y alecrín

Mí madre reza por mí

Pues que no tengo novio!

 

La chica baila? Vamos a bailar?

Arreglo el paso! Salta la pasión

Me mira los senos, los tapo con la mano

Quieres noviar? vamos a noviar!

 

Apreta, abraza, suena el corazón

Somos los reyes de la fiesta: linda pareja!

Sube el compás, cubro con la mano

Quieres noviar? Vamos a noviar!

 

El tiempo pasa, sólo la recordación:

Cómo te llamas? Quieres casarte conmigo?

Se apagó la luz, la noche y el lunar

La señora baila? Ahora no...

 

Mí madre quedase bien así?

Duché el río en mí cuerpo ya creado

Pongo cambray! No pongo satén

Senos carmines y cuerpo cansado.

 

 

A MENINA DANÇA?

Rogério Martins Simões

 

Minha mãe que vai ser de mim

Passos os dias a cuidar do gado,

Implore à senhora do Bonfim

Que me arranje um bom noivado!

 

Minha mãe está bem assim?

Lavei o rio no meu corpo criado…

Não visto cambraia! Visto cetim

Seios de carmim e corpo rosado.

 

Minha mãe e se eu for ao baile,

Não precisa de vestir seu xaile…

Minha mãe! Vou ter cuidado:

 

Viço de rosa, cravo e alecrim

Minha mãe reze por mim

Que eu não tenho namorado!

 

A menina dança? Vamos dançar?

Acerto o passo! Pula a paixão…

Olha-me nos seios, sobe a visão…

Olho-o nos olhos, querem beijar.

 

Aperta, e abraça, bate o coração…

Somos os reis da festa: bonito par!

Sobe o compasso, protejo com a mão…

Você namora? Vamos namorar!

 

O tempo passa, resta a recordação:

Como é sua graça? Vamos casar!

Apagaram a luz, a noite e o luar…

A senhora dança? Agora não…

 

Minha mãe está bem assim?

Lavei no rio o meu corpo criado

Visto cambraia! Não visto cetim…

Seios de carmim e corpo cansado!

 

Lisboa, 22-09-2007 23:36:37

 

PORTUGAL

 

Os poetas, a poesia, as musas e a tua voz

A festa dos sentimentos

Fiesta de sentimientos.

Domingo 4 de Maio de 2008, pelas 17 horas, em Buenos Aires – Argentina irá ter lugar um marco histórico na poesia. UM ENCONTRO DE POESIA, COM A POESIA, COM OS POETAS.

O mundo sem poesia fica mais desumano, menos sonhador. Chamem-nos loucos. Sejamos então loucos! Vamos fotocopiar e distribuir livremente a nossa poesia. Vamos declamar os poemas dos nossos livros, livremente, para que os sonhos voem mais alto que o OBELISCO que se ergue no lugar deste encontro.

A iniciativa terá partido da poetisa MARIA ELENA SANCHO e existe neste momento uma enorme corrente e muitos poetas já disseram presente a este encontro. Pela lista de inscritos, e que de propósito se deslocarão à Argentina, este encontro promete ficar na história como o mais importante e surrealista encontro de poetas. Caso não possa ir escreva a apoiar.

 

Viva a poesia,

Rogério Martins Simões

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

19.04.08

 

 

 

(Óleo sobre tela - Elisabete Maria Sombreireiro Palma)
 

 

 

 

Recuperei o meu olhar
Rogério Martins Simões
 
Seguia pela berma da estrada,
 Sem ver, sem olhar o caminho:
Quem olha e não dá por nada,
Nada lhe serve andar sozinho.
 
O sol feria queimava os olhos,
Meus olhos ficaram sem ver:
Quem olha e não vê escolhos…
Nada serve bons olhos ter!
 
Minha sombra avelhantada
Nesse dia protestou com tino:
Andamos a avelhar na estrada,
Por quê andar sem destino?
 
Percorri caminhos? Não sei!
Aonde estive? Para onde vou?
E foi ao meio-dia que notei,
Que até a sombra me deixou…
 
Veio a noite e fui descansar!
De noite sombra não nos falta…
Adormeci sem as estrelas e o luar
Acordei quando a tarde já ia alta.
 
Veio o pôr-do-sol e o alvorecer.
A estrela maior saiu ao caminho:
- Que prazer em te conhecer!
Não te vou deixar sozinho!
 
 
Nem sombra nos olhos notei…
Só! Nem minha alma gostou!
E na luz dos teus olhos achei
A luz que um dia me deixou!
 
Lisboa, 17-04-2008 22:23:46
 
 
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

11.04.08

 

´

(Óleo sobre tela da autoria de

Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

 

DIA MUNDIAL DO DOENTE COM PARKINSON

 

11de Abril de 2008

(Sexta-feira à tarde)

 

RTP2 – SOCIEDADE CIVIL

(Programa apresentado por FERNANDA FREITAS)

 

No próximo dia 11 de Abril é lembrado à sociedade que existe uma doença, neurodegenerativa, que dá pelo nome PARKINSON.

No serviço público da televisão, de qualidade, RTP2, no programa magazine de informação, “Sociedade Civil”, vai falar-se sobre Parkinson.

 

PARKINSON

(DIAGNÓSTICO)

Rogério Martins Simões

 

Meu amor! Tu não estavas enganada!

Só tu darias pela diferença no gesto

Pela minha expressão algo errada...

O meu lado esquerdo menos lesto.

 

Hoje, tu não ficaste surpreendida.

Componho este poema, e não desisto:

A direita, com que escrevo, agradecida!

Com a esquerda não escrevo mas insisto!

 

Com a direita escrevo o “A” de amor,

Com a esquerda se escreve o “D” de dor

E o resto deste poema em desespero.

 

Pois sofrer, tanto sofrer não conhece

Meu corpo, tanto sofrer, não merece

Sofrer mais, por sofrer, não quero!

 

04-06-2002

 

 

Todos aqueles que são portadores desta doença sabem o que sofrem e o que fazemos sofrer. Nesta data, em meu nome e como portador da doença, entendo que devo agradecer a quem directa ou indirectamente nos ajuda.

Ao Tiago Fleming Outeiro, ilustre Professor e cientista português, e à sua equipa de cientistas, quero agradecer tudo o que tem feito para minorar os “estragos”. O Tiago sabe, que eu sei, que nos irá dar muitas alegrias. Talvez por isso não tenha estranhado as boas-novas que nos chegaram recentemente. Obrigado TIAGO por colaborar há anos com o meu modesto blog de Parkinson e com o blog “Mal de Parkinson” do Brasil.

Agradeço, também, aos restantes cientistas, aos médicos, aos restantes profissionais de saúde, às Associações de Parkinson, às famílias, aos voluntários e a todos aqueles que ajudam os milhões de doentes, onde incluo doadores, jornalistas e promotores de programas como o que vos é anunciado.

Queridos pais, não se preocupem tanto com este vosso filho! Gosto muito de vós! Pai, mestre poeta com quase 86 anos, vai passar tudo, não vai?!

Aos verdadeiros amigos, e restantes portadores de Parkinson, vai um abraço numa manhã de esperança.

Finalmente à minha esposa! Para ela tudo! Obrigado Elisabete Maria Sombreireiro Palma.

Não irei desistir de lutar!

Deixo-vos com poemas para a Elisabete.

Rogério Martins Simões

 

Segredos, meu amor

(Rogério Martins Simões)

 

Segredos, meu amor

Hoje te quero revelar!

Se pudesse te daria o mundo:

A eternidade, meu amor profundo

Os poemas de amor - sem dor

Num canto belo se soubesse cantar!

 

Cantar, cantavas tu…e tão bem!

Pintar é a tua actual inspiração!

Reservo para ti também:

A poesia! Meu amor-perfeito;

Tempo de pausa e meditação!

A fantasia de alguém

Imperfeito!

Carente, terreno e pensante!

 

E se em momentos de inspiração

Parto por aí algo errante

Numa completa e intemporal dação

(Mas quente e vertical entrega)

Seja breve e que encante!

Minha alma nesse instante sossega.

26-05-2004 23:29

 

 

Guerreira da Luz

(Rogério Martins Simões)

 

Sabendo o que sei, sem saber o que sou.

Partindo de mim, para ti, sem te conhecer,

Cercada de luz te encontrei ao entardecer,

Quando o coração a tua alma encontrou.

 

Teu brilho que um dia me libertou,

Quando nem vontade tinha para escrever

Renovou em mim a vontade de viver,

Sei aquilo que fui; sei para onde vou.

 

Guiado por ti, guerreira da Luz,

Para onde esta estrada nos conduz,

Lado a lado, sem questionar o que fomos…

 

Conduzidos e iluminados pela estrela de Natal,

Numa felicidade diária sem igual,

Rectos e eternos, eternamente, somos.

 

24/12/1998

 

 

PÁRA

Rogério Martins Simões

 

Segredaste-me tantas palavras,

Esta noite meu amor,

Quando no quarto imperava o silêncio!

E disseste tantas coisas,

Em silêncio,

Que nada ficou por dizer!

 

Tu sabes que eu gosto do silêncio!

De respeitar o silêncio,

Mesmo que ele incomode.

 

Incomodam-me

Mais os estados de “não alma”,

Que perturbam o silêncio,

Com palavras ditas de forma não calma.

 

Eu sei que não conheces

As “não palavras:

Que me ferem os tímpanos,

Que não acalmam!

Que me pulverizam o silêncio

Aniquilando o alento!

Que me cortam a respiração

E me deixam frustrado,

Cabisbaixo,

Adiando ou extinguindo

Para sempre a inspiração!

 

Que génio teriam os poetas

Se lhes parassem a respiração,

O pulsar e a pena?!

 

De que forma?

Com que sentido,

Teriam estas palavras,

Se as minhas palavras

Fossem desprovidas de qualquer sentido.

 

Sentidas foram as tuas palavras

Quando me disseste,

Sem falar,

Estas palavras:

Pára de escrever!

Porque as palavras te fazem sofrer!

Pára, vem descansar!

Para o corpo retemperar!

 

Mas meu amor

O meu descanso

Está nas palavras que não comando!

E se sofrer eu sofro

Escrevendo

Pior sorte seria

Não escrever chorando.

 

17/05/2004


Poemas de amor e dor conteúdo da página

05.04.08

 

 

 

 

teu olhar

Rogério Martins Simões

 

Sempre que os olhos se beijam

As mãos

Por mais calmas que sejam

Tremem

 

Sempre que os beijos cantam

Os lábios

Por mais insensíveis que sejam

Sentem

 

Sempre que há desejo

Os olhos

Por mais que mintam

Traem.

 

Dizes!

Que os meus beijos tremem

Quando os teus olhos falam.

 

20 Março de 1977

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

03.04.08

 

 

 

POR TI AMOR

Rogério Martins Simões

 

Sou ladrão

de coração doce

nesta ante paixão

Por ti amor

 

Ataco o ar que respiras.

Fico vermelho

quando me miras

Por ti amor

 

Mato saudades tuas

neste poema

Ando pelas ruas

por ti amor

 

Sufoco

desgostos profundos

Sou infeliz

Corro mundos

Por ti amor

 

Fico puro

nas águas turvas…

E inseguro…

Por ti amor

 

Pois sou sorte

quando estou são…

Mas seria forte

com teu amor…

 

Lisboa 01/1973

 

(publico este poema em homenagem aos meus amigos e antigos colegas da Segurança social. Logo que a saúde permita, se outro não puder, tentarei reorganizar os nossos encontros de antigos colegas de quem tanto gostei)

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

02.04.08

 

 

CONVITE

 

HOJE, dia 2 de Abril de 2008

Das 18,30 às 21,30

 

(local encontro em frente ao Palácio de Queluz, 18,15 horas)

 

ORGANIZADORES

 

Grupo de Teatro Som das Letras do

Ginásio Clube de Queluz

APOIO: Junta de Freguesia de Queluz

 

TERTÚLIA NA TASCA

 

POETAS     *     TROVADORES

CONTADORES DE HISTÓRIAS  

QUARTA-FEIRA, 2 DE ABRIL DE 2008

DAS 18h30 ÀS 21h30

_______________________________

                    

“Abril Solidário”

para com o poeta Rogério Martins Simões

_______________________________________

I – APERITIVO:

Apontamento Épico

 

II – “HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DE QUELUZ”

por Pedro Paulo

 

III – POETA NA TASCA

Rogério Simões Martins

 

IV – TROVADORES[1]

 

José Baião Santos e Eduardo Abrantes

V –  Espaço livre do dizer:

“ABRIL VERSOS MIL”

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub