Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Ceifeira campo de trigo a crescer

 

(Óleo sobre tela

Elisabete Sombreireiro Palma)

 

 

 

Ceifeira campo de trigo a crescer
(Romasi)
 
Há terra lavrada
E vida nas ceifeiras.
Há trigo desejado
Em cada espiga cortada:
Nasceram os filhos
Às ceifeiras!
E ouvem-se pelos montes
Cantos da esperança
Por cada nova jornada:
Cantem!
Porque chora uma criança.
 
Há terra lavrada
E vida nas ceifeiras
Haja alegria
Pois a espiga doirada
Deu mais trigo à jornada.
Viva o trigo a crescer
O povo a viver
Pois em cada espiga cortada
Há uma força redobrada
Da natureza a parir.
 
Viva! A espiga doirada
De trigo a sorrir.
 
1976

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Partir

 

 

 

PARTIR…
Rogério Martins Simões
 
Tudo tenho feito para parar…
Falta-me a coragem para partir!
Se escrevo e não quero
Por que escrevo?
 
Tenho de voltar à fogueira...
E recuperar o fogo
Que apagou a minha poesia.
 
Pouca sorte partir;
Pouca sorte chegar…
Estou doente e cansado.
Sobra o grito que ecoa
Pelos confins dos tempos
- Honra e glória aos poetas
Viva a poesia!
 
07-10-2005 20:36:59
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

CORRE A ÁGUA CRISTALINA (reeditado)

 

 

 

 

CORRE A ÁGUA CRISTALINA
Rogério Martins Simões
 
Corre a água cristalina
Mata a sede é fresca e pura
Vai à fonte a menina
Com espreitada formosura
 
Traz colo de rosa
Duas roseiras atrevidas…
-Menina que corres à fonte
De onde vêm os teus risos?
-Vêm do cimo do monte!
Da brancura dos granizos!
Vai a água à fonte
Vai a fonte às rosas…
Cobiçadas por sorrisos…
 
E traz um sorriso atrevido
Um cântaro de mão na ternura
Vem a sede à menina
Mata a sede, fresca e pura
Corre a água cristalina
Que se espraia na secura…
 
Alagada por sorrisos…
Com que corres à fonte
De onde vêm os teus risos
-Vêm do cimo do monte!
 
Tanta sede molha os seios…
Tanta sede desatina…
Vem a fonte por seus meios
Corre a água cristalina
Enche o cântaro é fresca e pura
Vai a sede à menina…
Não tem sede a formosura…
 
12/08/2005
 
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Pinga no meu olhar...

 

(Óleo sobre tela

da minha querida e amada companheira

Elisabete Maria Sombreireiro Palma

 

PINGA NO MEU OLHAR…
Rogério Martins Simões
 
Pinga no meu olhar desterrado
– quem me dera ver!
Já não sei se quero!
Que importa,
se a porta está ferrugenta.
Arrasto esta casa
que me encolhe
e confina ao meu espaço melancólico.
Optassem por me mandarem embora.
Espere…!, faltam-me os óculos
e não almejo o dia seguinte sem chorar!
21-10-2008 22:59:39
 
Emparcelo os meus precipícios
em suplícios esquartejados
Soluço degredos,
antigos medos esconjurados…
Trago nesta única mão
estas letras esfareladas
Trago duma só vez
todas as ingratidões
Trago o acre do sofrimento…
a agulha pica e não sinto
Sinto pingar o chão deste desterro
onde me estreito e deito…
Optassem por me deixar partir!
Espere…!, agora não quero ir…
21-10-2008 23:16:30
 
Piorei antes e depois por estares pior
Melhoraria se soubesse que estarias melhor
Que melhoras terei
se não estás bem?
Volto a estar só!
O cão faz tanta falta
e ainda só agora começou a chover!
Espere…!, não quero ficar só!
21-10-2008 23:33:44
 
 É tarde! Estou gelado!
O frio tomou conta deste espaço
que derruba as minhas preces.
Amo-te tanto meu amor!
22-10-2008 0:30:56
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

O elixir da longa vida

 

 

(MONET)

 

 

O elixir da longa vida
Rogério Martins Simões
 
Disseram que tudo os sábios sabiam.
E os sábios nem colocaram objecção.
Tudo sabiam e de nada se esqueciam.
Escreveram tratados para afinação…
 
Clonagem, poção, tudo eles conheciam,
Para reparar o homem em construção:
Pernas, braços, cabeça, tudo mudariam,
Vendidas como peças de substituição.
 
Prometeram o elixir da eterna vida.
(Mas só aos mais ricos era garantida)
Vida eterna na terra onde nascemos.
 
Como é a natureza que quer mandar.
Manda um maremoto p´ra nos avisar.
Vida eterna, na terra, nunca teremos!
 
11-01-2005
Poemas de amor e dor conteúdo da página

Um sorriso de ternura

 

 

 

UM SORRISO DE TERNURA
Rogério Martins Simões
 
Um sorriso tanto de candura
Aberto, secreto e luzidio
A beleza que em ti irradia,
Formosa discreta e segura
 
Mas se uma lágrima te cai,
Manhã cedo espreitando o rio…
Leve, leve, como a neve fria,
Tão breve, logo amanhece
Na solidão do dia-a-dia,
Segredos da desventura
Que só a tua alma conhece.
 
Vai! Solta a amarra
Dá liberdade à ousadia
Deixa que ela te traga
De volta a tua alegria.
 
E um sorrir de ternura
Aberto, liberto e atrevido…
A beleza que em ti irradia,
Formosa, discreta e segura.
 
31/08/2004

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Outono

 

 

 (MONET)

 

Outono

Rogério Martins Simões

 

Os nossos dedos esfriaram

E depressa nos cercou de cores

Com que se transvestiu na nudez

O Outono! Mais uma vez!

 

As folhas despedidas caíram

Tapando as raízes às flores

E transmutou com tanta beleza

Fazendo descansar a natureza

O Outono! Mais uma vez!

 

 Apanhei no chão uma clareira

E com vinho maduro das luas

Acendi nos teus seios a fogueira.

Chegando minhas mãos às tuas

No Outono! Mais esta vez!

 

E não nos quedámos na espera…

Misturámos os aromas no mosto,

Ao teu gosto

Ao meu gosto

No teu ventre Primavera

 

 E lá foi o Outono outra vez…

 

Lisboa, 17-04-2008 0:52:21

 

 

(Poema escrito para a Ciranda das Letras, Brasil,

e dedicado a todos os brasileiros que desde 2004 me visitam)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Meu tempo corre...

Foto de 1970 nas Caldas da Rainha. Serviço Militar

 À esquerda um camarada que ficou em 2º lugar na prova da Unidade militar no 2º turno de 1970. À direita, eu, o então atleta do Sporting Clube de Portugal, Rogério Martins Simões após ter vencido a corrida final da Unidade. Como o tempo corre! Resta-me a lembrança e as "voltitas" que a Parkinson me deixa fazer. E por meio de tudo isto, ainda existe alguma esperança apesar de muitas vezes me sentir demasiado desesperado e  triste...

Sejam todos felizes com muita saúde!

Rogério Simões

ROMASI

 

 

MEU TEMPO CORRE
Rogério Martins Simões
 
Meu tempo corre!
Corre sem tempo…
E lentamente trepo
Nas minhas ilusões…
 
Os meus sentidos
Quase não são sentidos;
E os meu passos
São passos perdidos
Em busca do tempo.
 
Meu tempo corre.
Corre o meu tempo.
Mas não tem sentido:
Sem ilusões!
Sem paixões!
Inalterável e perdido…
 
O tempo corre
Corre em todas as situações
Volta quando se descobre
Os sentimentos e as emoções.
 
Que importa que o tempo voe
Se teu voo é um navio
Que não parte sem saudade.
Que importa que teu ai ecoe…
Se o grito é um pavio
Chama e hino à liberdade…
 
Bendito sejam os laços
Sem baraços nem sarilhos…
Correm bem cedo a meus braços
Os meus queridos filhos.
 
Meu tempo corre.
Corre o meu tempo.
Agora tem sentido!
1989

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Não posso abandonar a esperança

 

 

 

NÃO POSSO ABANDONAR A ESPERANÇA
(Rogério Martins Simões)
 
Andam as minhas mãos
cansadas
Trocam-me as voltas…
E volta e meia perco
a força.
A direita vai à frente e não
 desiste
A esquerda preguiçosa …
insiste
Onde está a delicadeza
do meu gesto?
Onde pára a minha pose
de dança?
Bolero?
Tango?
Flamengo?
Tudo quero!
Não posso abandonar
a esperança!
09-01-2005 1:06:49
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

Vestígios...

 

 

 

(Óleo sobre tela Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

 

 

VESTÍGIOS…
Rogério Martins Simões
 
Por vezes faço as pazes comigo,
Sem-abrigo, viajante diurno,
Durmo ao leme, embarco e sigo,
Ponho a minha alma de turno…
 
Meus medos são cerejas fingidoras
Que se me enrolam nos dedos.
Meus dedos são janelas voadoras
Que esconjuram os medos.
 
Não quero esticar a corda…
Sigo em frente sem enredos.
Cem segredos a minha alma recorda:
Hoje sou um rio sem rochedos.
 
Cega viajo! Sem tempo acorda.
- Acorda! É dia e a noite remonta!
 
É estranho viajar de dia!
Prefiro as noites cegas
Sem guia…
Que não têm regras.
Hoje sou um farelo amadurecido!
Um tempo de milho
Bem-parecido…
Mas só a noite me encontra!
 
23-10-2006
Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

Pág. 1/2