Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

30.12.08

 

 

 

Não imaginam quanta coragem é preciso ter para mostrar o vídeo que se segue. Por isso, antes de o abrir, leia por favor até ao fim.
 
PARKINSON
 
Tendo por certo a morte, é na vida que nos vemos e revemos. Então, com fé ou esperança, movemos montanhas, por vezes de ilusões, mas movemos, esperando que um milagre qualquer aconteça
 
Acredito que a minha fé ajude a encarar os momentos mais difíceis, com mais tranquilidade, sempre à espera de um milagre. Mas, também, fico na esperança de conseguir que, num dado momento, sobre por aí uma pílula milagrosa que nos cure.
 
No século passado, todos que estavam diagnosticados com o bacilo da tuberculose, antes de ter sido descoberta a penicilina; quanta esperança em alguns; quanto desalento noutros e, afinal, no limiar da descoberta, do tal antibiótico, muitos dos que tinham esperança morreram e muitos dos que não acreditavam na cura sobreviveram.
 
Quiçá, muitos, na esperança não desistiram da vida - pela vida, e viveram mais uns anos na terra, graças à ciência, mas, sobretudo, ficaram vivos por não terem perdido a esperança.
 
Acredito com firmeza que alguém me dê a notícia que tanto anseio: A cura para a doença de Parkinson.
 
Volto às palavras iniciais: Que difícil é mostrar os “estragos” visíveis que a doença de Parkinson causa em nós.
Que mais não seja, que os meus tremores e os temores sirvam para vos incentivar a não desistirem de viver e de lutar pela cura.
Irei continuar a escrever poesia e a declamá-la mesmo que chore...
 
Só mais uma palavra para quem se sente doente ou sofre do mal da solidão. Desejo, de todo o meu coração, que todos tenham fé e esperança para que o dia de amanhã seja melhor. Afinal a existência da Internet fez com que este meio pudesse ser útil para nos aproximarmos mais uns dos outros e para que os outros nos aceitem com mais dignidade.
Sejamos felizes com mais fé, mais esperança, mais amor e muita paz.
 
FELIZ ANO NOVO. FELIZ 2009
 
(Dado que, por razões óbvias, não consegui ler o poema, como então lia, deixo aqui esse mesmo poema e mais dois, não lidos mas cheios de Esperança).
 
Rogério Simões na Sessão Mensal de Poesia Vadia, realizada em 25-10-2008, no Café Le Bistro Almada (Rua Dr. Julião de Campos, nº 1). Uma organização dos Poetas Almadenses, que conta com o apoio do FAROL Associação de Cidadania de Cacilhas e da SCALA Sociedade Cultural de Artes e Letras de Almada.
 
 



 


 

 

Amanhã estarei melhor
Rogério Martins Simões
 
Hoje continua o lastro
do meu estado de alma
do dia de ontem.
 
Estou envolvido
numa teia que enleia.
Estou como que pregado
a um madeiro
sem pregos ou cordas.
Solto uma terrível agonia
e, sem dar conta,
nem vómitos dão a perceber.
 
Sou uma represa invisível
num turbilhão de água
pesarosa.
 
Se ao menos chorasse.
Se ao menos morresse.
 
Sou um ser solitário
acompanhado
com a mulher mais presente
- O amor da minha vida.
 
Será do tempo?
 
Hoje meu corpo
nem o Tejo espreitou!
Sinto-me agarrado a nada,
e nem mesmo a lua
terá saudades em me ver.
 
Este vazio imenso
parece furtar
as palavras do coração.
Parece levar a alma,
que renascia,
quando noite fora partia,
pelo Tejo,
em busca de uma bruma de saudade.
 
Será do Inverno?
 
Não! O Inverno esquivou-se
nas estações esquecidas,
onde nem as carruagens
de terceira classe param.
 
Amanhã estarei melhor!
2008
 
 


 

 

ESPERANÇA
Rogério Martins Simões
 
Entrelaço os meus dedos nos teus
Vivas ilusões, ténues lembranças
Foram inatingíveis os versos meus
Outono breve, poucas esperanças
 
Ateámos o fogo nas estrelas dos céus
Mapeávamos nossos corpos de danças,
Encontros e desencontros, não são réus
Presos não estamos, procuro mudanças
 
Agora, adorno enigmas, bordados de cruz
Cintilam horizontes de esperança e luz
Meu fogo arde no mais puro cristal
 
E se na alquimia busco a perfeição
Respondo às interrogações do coração
Descubro no amor a pedra filosofal.
 
Lisboa, 02-10-2006 23:58

 

 

 

 

NÃO POSSO ABANDONAR A ESPERANÇA
(Rogério Martins Simões)
 
Andam as minhas mãos
cansadas
Trocam-me as voltas…
E volta e meia perco
a força.
A direita vai à frente e não
 desiste
A esquerda preguiçosa …
insiste
Onde está a delicadeza
do meu gesto
Onde pára a minha pose
de dança
Bolero,
Tango,
Flamengo
Tudo quero!
Não posso abandonar
a esperança!
09-01-2005 1:06:49
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

27.12.08



 


 

DESTINO OU CORAGEM

Hoje fui apanhado de surpresa – Localizei um poema meu, um soneto, no YOUTUBE.

Não! Não fiquei triste! Antes pelo contrário. Alguém que não conheço, que gostou do meu poema e manteve a minha autoria fez um vídeo, muito belo, com o meu soneto: DESTINO OU CORAGEM.

Agradeço ao seu autor que não conheço.

Aproveito para desejar, a todos, um feliz, muito feliz, 2009

Sempre,

Rogério Martins Simões

Poemas de amor e dor conteúdo da página

22.12.08

 

Foto da autoria da world Press Photo Contest

 

 

É NATAL
(Francisco Simões)
 
É Natal,
Mas talvez nem todos saibam,
Talvez porque não caibam
No Natal.
 
Seu nome é José,
Ele não tem Maria
Já teve um dia
Hoje é só o Zé.
O Zé lá da praça
Que fala sozinho
Ou fala com os anjos,
Que fala baixinho
E sorri pra menina
Um anjo que passa
Que não fala com o Zé.
Ninguém sabe quem é,
As flores, o vento,
Os grãos de areia
Entendem José.
Os pássaros também.
A praça limita seus passos
Mas não seus pensamentos.
Sua mente alceia, alceia,
E passeia muito além.
Ninguém conhece o José,
José não conhece Belém.
A árvore de Natal na praça
Para José não passa
De uma alegria iluminada
Que pisca e pisca pra ele,
Que pisca e pisca, mais nada.
 
Seu nome é Maria
Da porta da igreja,
Está ali todo dia,
Talvez só Deus a veja.
A igreja é de Deus.
Ela ouviu a história
Dos bondosos Reis Magos.
Eles passam pra lá,
Eles passam pra cá,
Sem mirra, incenso ou ouro.
Para ela são Reis Magos
Que não lhe dão afagos,
Que não lhe dão presentes.
Nada ouvem por mais que peça
Pois, toda aquela gente
Leva nos pés muita pressa.
Sem pressa tocam os sinos
O seu anúncio etéreo:
“Nasceu o Deus-Menino”.
 
 
Plantam-se ceias nas mesas,
Ouvem-se coros, orquestras,
Mas Maria não tem mesa,
Maria nem tem janela
Só tem a porta da igreja
E uma natalina certeza
De que a noite que agora boceja
Vai dormir sem lhe trazer festa.
 
Seu nome é Jesus,
Jesus, menino, 10 anos.
Ele não tem segredos
Apenas certezas miúdas
E muitas mágoas graúdas
Que esmagam a criança
E constroem sua cruz.
A boca gelada de silêncio,
Silêncio que grita mais alto
Que a voz das passeatas,
Que esconde o seu medo.
Escolaridade: mendicância.
Ele povoa a cidade
Entre tantos Jesus,
Entre tantos contrários,
Sem mangedoura, sem berçário,
Carregando sua fragilidade
Sem cobrar o que a vida
Há muito lhe deve: a infância.
Jesus, 10 anos, menino,
Por ele passam os sonhos
De tantos que levam planos
Na cabeça, nos passos,
No olhar, no sobressalto.
Nas mãos de Jesus uma lata
Onde cabe o seu espaço,
Onde fecha o seu destino.
 
É Natal
Mas eles não sabem,
Talvez porque não cabem
No nosso Feliz Natal.
 
Autor: FRANCISCO SIMÕES
Em: Dezembro / 1998
 
(Esta poesia ganhou o prêmio de Melhor Crítica Social na 4ª e na 6ª edições do Concurso “Expressão da Alma”, no Rio de Janeiro, além de diversos outros prêmios importantes em vários concursos literários)

 



 

 

World Press Photo Contest 2004

 

 

 

MENSAGEM DE NATAL
Rogério Simões
(A minha mensagem de Natal deste ano foi retirada de um e-mail que remeti ao amigo e poeta Francisco Simões. Aproveito para agradecer a sua autorização para editar o seu extraordinário e premiado poema “É NATAL”)
 
Natal é, para mim, um tempo em que se recorda o nascimento de um Menino a quem chamaram de Jesus e, segundo rezam as notícias que chegaram até nós, Cristo terá nascido humildemente num palheiro.
Existe uma hipocrisia instalada, do tipo caridadezinha, que renasce em cada ano, exultando sentimentos fortuitos, não sinceros, como se nesses dias se resolvesse ou aligeirassem os sofrimentos de um ano inteiro.
A sociedade em que vivemos é egoísta, carregada de "gente não presta", que guerreia o ano inteiro para no Natal dar a parecer o contrário.
A sociedade aproveita-se dos sentimentos verdadeiros, daqueles que efectivamente são solidários, e generaliza empacotando presentes adquiridos em lojas de chineses ou nas "lojas dos trezentos". Efectivamente, transformaram a quadra natalícia num grande centro comercial onde se empacota a "banha da cobra" com um único objectivo: a sobrevivência de um certo capitalismo que não olha a meios para atingir fins.
Afinal, transformaram a quadra natalícia num enorme repasto de gula enquanto os sobreviventes da desgraça matam a fome nos restos, disputando-os com os ratos, dos caixotes de lixo.
A noite parece calar a desgraça! As organizações sociais não chegam nem dispõem de meios para acudirem a tudo. O próprio estado que deveria assumir e retirar das ruas os abandonados, os doentes, os sem-abrigo, não cumpre minimamente o seu papel.
Amigo Francisco Simões, amigos e/ou leitores deste meu livro de poesia, detesto a caridadezinha! Todo o ser humano tem direitos que a própria sociedade lhe nega.
A anunciada crise não é só uma crise monetária. A verdadeira crise é uma crise de valores, de educação, de civismo, de justiça, de equidade. Lamentavelmente nada muda para melhor.
Não vou continuar este despertar que me entristece.
Que o futuro transforme e crie um novo sentido de humanidade.
Desejo a todos vós e às vossas famílias um Santo Natal.
Sempre
Rogério Martins Simões
 


 

 Casa construída pelo bisavô do poeta - Francisco Maria Simões. Foi ele quem construiu, durante 13 anos, a grande e bonita Quinta da família em Salreu, a 16 kms de Aveiro.

 

 

FRANCISCO SIMÕES NA PRIMEIRA PESSOA
 
Eu nasci em Belém do Pará, bem ao norte do Brasil. Sou filho de pai português e mãe brasileira. Daí para trás todos os meus ascendentes são portugueses.
Desde criança sempre tive uma paixão muito forte pelo rádio, o que carrego comigo até hoje. O amor pela escrita e pela leitura surgiram ali pelos 10 anos, incentivado por meu pai.
Aos 17 anos eu já trabalhava no rádio paraense (Marajoara e Rádio Clube do Pará) por concurso. Fui locutor, produtor de programas e escritor de crónicas diárias.
Durante cerca de 20 anos pertenci ao quadro da ABAF – Assoc. Brasileira de Arte Fotográfica (Rio). Naquele período ganhei mais de 1000 premiações nos salões mensais e anuais da ABAF. Destaco “Prova do Mês” e “Prova do Ano”que venci em várias oportunidades.
 Durante o auge da bitola super-8 produzi vários filmes de curta-metragem durante o regime autoritário. Participei de muitos eventos do gênero pelo Brasil, principalmente os realizados em Universidades e Centros de Treinamento Profissional como o CEFET de Curitiba, por exemplo. Logrei ganhar vários prémios de destaque naqueles Festivais e Mostras com filmes basicamente apresentando crítica social e política. Algumas vezes tive problemas, mesmo sendo um trabalho amador, com a Censura da época.
Trabalhei por 30 anos no Banco do Brasil onde fui não só bancário mas também professor, coordenador e programador de cursos, chefe de um grupo que produzia módulos audiovisuais para palestras e aulas, Assessor no Gabinete da Presidência da PREVI do BB entre 1982 e 1986, quando me aposentei.
Após a aposentadoria parti para exposições de minhas “Fotografias Artesanais” a um público maior que o da ABAF onde convivera com grandes mestres por 20 anos. Realço as seguintes Exposições: 
“Na Sala de Arte do Jardim Botânico (RIO); no Espaço Cultural do Planetário (RIO); no Salão de Arte da AABB-Lagoa (RIO); no CHARITAS, em Cabo Frio (RJ), uma individual mais duas no Espaço Cultural de lá em exposições colectivas de ARTE VERÃO e mais recentemente na Biblioteca Municipal Walter Nogueira com 20 fotos e 20 poesias; no transatlântico “Eugênio-C”, em viagem para a Europa, no Salão Âmbar e no Corredor de Arte daquele navio; na APAF-Assoc. Portuguesa de Arte Fotográfica, em Lisboa, Portugal; no Espaço Cultural da Prefeitura de Teresópolis (RJ); na Galeria de Arte da artista plástica Lenita Holtz, em Teresópolis, etc.
No dia 11.novº.2000 a Câmara de Vereadores de Cabo Frio (RJ) concedeu-me o título de “Cidadão Cabofriense” pela divulgação graciosa que faço há anos daquela cidade que tanto amo através de vídeos amadores mas com toque de profissionalismo em sua produção bem como através de “Fotografias Artesanais”e exposições em Cabo Frio e fora dela.
Em Abril / 2004, o grupo liderado pelo Lord Marcelo Fortuna of Lancaster e Richard Price, de Londres, concedeu-me o ambicionado prêmio "Lancaster House Award". Até aquele mês apenas 5 personalidades, no campo da literatura, actividades artísticas e culturais, entre outras, haviam logrado ter a honra de o receber.
Em 1994 voltei a escrever poesias o que parara de fazer há muito tempo. Desde Dezembro/1999 participei de inúmeros concursos literários e logrei receber algumas boas premiações. A partir de 2003, entretanto, reduzi bastante minha participação nesses concursos. Retornei à prosa, pelas córnicas, desde Janeiro/2001, já com 64 anos de idade. Escrevo no coojornal da Revista Virtual RIO TOTAL e sou também colunista fixo do site SINAL, do Sindicato dos Funcionários do BACEN. Colaborei também com o site NAVE DA PALAVRA  que deixou de ser actualizado há alguns anos. Mais recentemente  participo do GRUPO ECOS DA POESIA, do poeta português Victor Jerónimo e sua esposa, e do site CONEXÃO MARINGÁ, de Valéria Eik,  nos quais exponho crónicas, poesias e fotos. Tenho um espaço em Londres-Inglaterra, “O Cantinho do Francisco”: integrante do Cantinho do Poeta, de Marc Fortuna e Richard Price, hoje desactualizado.
Meu site pessoal é este em que você se encontra:=> FRANCISCO SIMÕES
 


 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

21.12.08

 

QUISERA ANDAR DE CARROSSEL
Rogério Martins Simões
 
Quisera andar de carrossel
Com um sorriso de criança que ri
Rosto rebuçado, melaços de mel
Laivos da festa que resta em ti…
 
Num dedo prendo o balão,
Com outro seguro o corcel
Soco a bola com a mão
As mãos, o rosto e a testa
Besunto-me todo com mel.
 
Solta-se dos dedos o balão
Que voa a caminho do céu
-Mãe! Vai-me apanhar
Um sorriso igual ao seu…
 
-Meu filho a mãe não sabe!
Ler, nunca aprendeu:
A mãe vai procurar
O balão que se perdeu…
 
-Mãe que sabe escutar,
Meus choros em seu coração
Abençoada o seja minha mãe
Por tudo o que foi e me deu!
 
Rodopiam as lembranças da festa
Pára o movimento ondulante
Sujo-me de novo a cada instante…
Sem rebuçados com sabor a mel
Mas… Brinquei tanto no carrossel….
 
2005-10-20
 
Este poema está aqui gravado e declamado por Luís Gaspar
 
 
 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

21.12.08


 

 

 

 

É Natal? Por que é Natal?
 
Um autocarro coloca-me à entrada de um túnel – que escuridão…
Doravante direi que os egoístas, os corruptos e os cobardes, até o sorriso nos querem roubar.
Duplicam os vencidos que, despidos, penhoram as vestes numa casa de “prego”. Parecem uns suplicantes à míngua por uma sopa.
- Que sopa irá comer, Vossa Excelência, na consoada?
A fome mata-se nos restos de um caixote de lixo!?
A gula será incómoda pois engorda!?
- Que importa? Amanhã faço dieta…
Imunes às crises, da bolsa, estão todos aqueles que sempre tiveram a bolsa vazia.
Ainda assim pagamos, com os trapos, a recuperação da crise dos mais ricos!
 
 
- Acendam os holofotes e iluminem esses desgraçados!
- É Natal! Está a ouvir? É Natal!
 -O senhor ministro do reino - sua majestade - manda entregar-lhe um bolo-rei e uns quantos cartões novos para aquecer os mais pobres.
 
-É Natal? Que porvir sendo Natal?
 
É Natal?! Por que é Natal?
 
21-12-2008 01:01:41

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

19.12.08

 

 

 

Solidariedade, onde estás?
Rogério Martins Simões
 
Ai esta sensação
de solidariedade
Que marcou os meus sonhos;
Que me devolveu o alento,
E que finge
ou teima em tardar...
 
Pura ilusão!
Onde estás?
De que forma te revestes
Que, ainda,
não te consigo vislumbrar.
07-04-2008
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

18.12.08



 

 

 

QUE LIMITE TÊM AS MÃOS
Rogério Martins Simões
 
Que limite têm as mãos
- As minhas mãos.
Quanta paz no estender de mãos,
- As nossas mãos.
Vede como tudo é simples
Pois a eternidade dos nossos actos
Está mesmo aqui
Ao alcance destas mãos:
Nas nossas mãos.
 
Lisboa, 1 de Julho de 2005

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

15.12.08

 

  

 José Augusto Simões

MEU QUERIDO PAI

O autor deste trabalho

nasceu na Póvoa - Pampilhosa da Serra em 20 de Maio de 1922

 

 

 

Meu Pai

 

António Antunes Simões

Nasceu na Pampilhosa da Serra

 

Abril de 1881

 

 

 

 

A minha família
SIMÕES
Da
PAMPILHOSA DA SERRA
Autoria: JOSÉ AUGUSTO SIMÕES
Nasceu na Póvoa em 20 de Maio de 1922
 
A família do meu avô paterno, Francisco Simões, era toda da Pampilhosa da Serra.
Meu avô paterno foi viver para a Póvoa por ter contraído matrimónio com Emília de Jesus Antunes.
A minha bisavó paterna era da família Henriques e o meu bisavô paterno da família Simões, eram da Pampilhosa da Serra. (Agradeço que me informem do nome dos meus bisavós). Neste levantamento não assumem o n.º 1 por desconhecer os seus nomes. (Por aqui já podem reparar que os Simões estão ligados por laços de sangue aos Henriques da Pampilhosa da Serra)
 (Para que se entenda melhor as relações de parentesco dos Simões da Pampilhosa mantemos os números de 1 a 7 acrescentando as descendências conhecidas de cada.
As cores servem para melhor se entenderem as relações de parentescos que se estabelecem entre cada descendente deste sete irmãos)
Os nomes a branco indicam a primeira linhagem conhecida e eram 7 irmãos (por exemplo o meu avô)
A cor amarela nos nomes indica que são primos direitos, por serem filhos de irmãos. Por exemplo: o meu pai António Antunes Simões era primo direito do Abílio Augusto Simões este, por sua vez era filho da tia do meu pai e minha tia-avó Albertina Simões.
A cor verde indica que são primos em 2º grau (este é o meu caso, José Augusto Simões, tomando como exemplo o meu primo, José Maria Simões, filho do Virgílio primo direito do meu pai)
A cor vermelha indica que são todos primos em 3º grau (como é disso exemplo o meu filho Rogério Martins Simões)
 
Os pais do meu avô, Francisco Simões, que descendem de uma HENRIQUES casada com um SIMÕES, ambos da Pampilhosa da Serra, tiveram muitos filhos, mas só consigo localizar, no tempo, o nome de 7:
 
1.     José Simões,meu tio-avô, (filho mais velho), que casou em Porto de Castanheiro, Freguesia de Teixeira, Arganil. Sei que teve muitos filhos mas não os conheci;
2.     Manuel Simões,meu tio-avô, que casou nas Moradias, mas viveu sempre nas Relvas Velhas;
3.     Albertina Simões,minha tia-avó, que viveu na Pampilhosa da Serra;
4.     César Augusto Simões,meu tio-avô. Casou com Olinda da Paixão (Agradeço ao meu primo Júlio Cortez Fernandes a sua colaboração);
5.     Ana Simões,minha tia-avó, que morreu solteira;
6.     Hermínia Simões,minha tia-avó. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos. Apelo aos descendentes, meus primos para me deixarem a lista completa.
7.     Francisco Simões,meu avô, que casou na Póvoa.
 
Passo, agora, a mencionar alguns dos meus parentes, filhos dos irmãos do meu avô Francisco Simões:
 
1. JOSÉ Simões, meu tio-avô, (filho mais velho), casou em Porto de Castanheiro, Freguesia de Teixeira, Arganil. Sei que teve muitos filhos mas não os conheci. Aguardo que de lá me escrevam a indicar os nomes dos primos direitos do meu pai.
 
 2. Manuel Simões, meu tio-avô, que casou nas Moradias mas viveu sempre em Relvas Velhas teve 10 filhos.
 
2.1. Abílio Simões, que casou nos Covões, com Maria Garcia. São os pais do meu primo, José Maria Simões, padrinho do meu filho, mais novo, José Manuel Martins Simões;
2. 2. António Simões que casou em Carvalho;
2.3. José Maria Simões, que casou no Cadavoso;
2.4. Alfredo Simões, que casou na Póvoa com Elvira Antão e faleceu em França. Tiveram 4 filhos:
2.4.1. Zulmira Simões, nasceu na Póvoa em 10 de Agosto de 1922 e casou na Trafaria;
2.4.2 José Maria Simões nasceu na Póvoa em 1924
2.4.3. Fernando augusto Simões nasceu na Póvoa em 1929
2.4.4. Sérgio AntãoSimões nasceu na Póvoa em 1933 e faleceu em 10/2007. Teve 5 filhos:
2.4.4.1. Fernando Olímpio da Silva Simões, vive na Suiça e tem dois filhos: David Simões e Dan Simões. (agradeço ao primo Fernando a contribuição prestada)
2.4.4.2. Luís Filipe da Silva Simões, faleceu em 2001.
2.4.4.3. Paulo Alexandre da Silva Simões
2.4.4.4. Américo Manuel da Silva Simões, faleceu em 2001.
2.4.4.5 Ana Cristina da Silva Simões
 
2.5. Antonino Simões, que casou no Sobral;
2.6. Urbano Simões, que casou em Carvalho;
2.7. Alberto Simões, que casou em Moninho;
2.8. Augusto Simões, que casou na Malhada do Colmeal;
2.9. Jaime Simões, que casou na Lousã
2.10. Conceição Simões, que casou em Carvalho;
(nota: conheci todos, assim como todos os seus filhos).
  
3. Albertina Simões: irmã do meu avô Francisco Simões teve 9 filhos. Quero agradecer às minhas segundas primas a colaboração prestada e graças a elas foi possível identificar os meus primos netos da minha tia-avó:
 
3.1. Virgílio Augusto Simões;
A minha prima Alice Maria de Jesus Gaspar forneceu-me a lista dos primos direitos do meu pai, os filhos do Virgílio Augusto Simões, que passo a transcrever e são 7 
3.1.1. José Maria Simões nasceu em 1917
teve 3 filhos.
3.1.2 Maria da Ascenção Simões nasceu em 1914
teve 2 filhos.
3.1.3.Virgílio Augusto Simões nasceu 1921
Teve 2 filhos.
3.1.4. António Maria Simões teve, nasceu em 1919
2 filhos.
3.1.5. Maria de Jesus de Nazaré
Teve 2 filhos.
3.1.6. Júlio Augusto Simões nasceu em 1924
Teve 1 filho Augusto Simões
3.1.7. Albertina de Jesus Simões,
Teve 1 filha, a Alice Maria de Jesus Gaspar.
(nota: as datas de nascimento foram tiradas da minha memória. Faltam as datas das minhas primas)
 
3.2.Abílio Augusto Simões;
Recebi da minha prima Ernestina Olivença Simões os nomes dos 11 irmãos filhos de (Abílio Augusto Simões) para memória  futura.

3.2.1. António Olivença Simões nascido em 1927 (falecido) teve 4 filhos.
3.2.2. Albertino Augusto Simões nascido em 1930 (falecido) teve 2 filhos
3.2.3.
Abílio Simões de Olivença nascido em 1931 (faleceu bebé 3 anos)
3.2.4.
Maria Suzete Olivença Simões nascida em 1933 (faleceu 9 anos)
3.2.5.
Carminda Olivença Simões nascida em 1935 (tem 1 filha)
3.2.6.
Hermano Olivença Simões nascido em 1938 (tem 2 filhos adoptados)
3.2.7.
José Mário Olivença Simões nascido em 1939 (tem 1 filho)
3.2.8.
Laurentina Olivença Simões nascida em 1941 (tem 1 filha)
3.2.9.
Ernestina Olivença Simões nascida  em 1942 (tem 1 filha)
3.2.10.
Antero Olivença Simões  nascido em 1944 ( tem 2filhos)
3.2.11
Deolinda Olivença Simões nascida em 1946 (tem 2 filhos)
 
3.3. Manuel Augusto Simões;
Solteiro
3.4. Ângelo Augusto Simões;
Solteiro
3.5. António Simões;
4 filhos
3.6. Aurora Simões;
Solteira
3.7. Belmira Simões;
Teve 10 filhos
3.8. Maria José Simões;
Solteira
3.9. Antónia Simões; (Tonita)
Solteira
 
  4. César augusto Simões, casado com Olinda Paixão, que por muitos anos foi parteira, uma bondosa senhora conhecida por Olinda do César. O meu tio-avô teve 6 filhos. (Este levantamento familiar teve a colaboração do meu primo Júlio Cortez Fernandes a quem agradeço.)
4.1. Maria Olinda Simões casou com João Fernandes Carloto e tiveram 5 filhos:
4.1.1 António Maria Fernandes que faleceu em 1992 era casado com Maria de Jesus Cortez, ainda viva, (irmã de António Cortez falecido na Argentina, foi casado com Maria dos Anjos Antão, ainda viva e residente em Buenos Aires, natural da Póvoa, filha de Delfina Antunes e Augusto Antão). António Maria Fernandes e Maria Jesus Cortez tiveram dois filhos:
4.1.1.1. Júlio Cortez Fernandes;
4.1.1.1. José Cortez Fernandes;
 
4.1.2 Conceição Simões falecida em 1972;
4.1.3 Maria Piedade Simões falecida em 1976;
4.1.4 Laura Simões
 
4.2. Amaro Simões,
4.3. António Simões, (Certa)
4.4. Maria Simões (Da Misericórdia)
4.5 José Simões, (Zé Coxo)
4.6 Agostinho Simões
 
5. ANA SIMÕES, Não deixou descendentes.
  
6. Hermínia Simões, minha tia-avó. Sei que teve muitos filhos mas recordo-me de poucos. Apelo aos descendentes, meus primos para me deixarem a lista completa.
 
7. Francisco Simões, o meu avô, que casou na Póvoa com Emília de Jesus Antunes, a minha avó paterna os quais tiveram 7 filhos. Tanto o meu pai e cinco irmãos nasceram na Pampilhosa da Serra:
 
7.1        António Antunes Simões (meu pai);
António Antunes Simões nasceu em Abril de 1881, casou com Maria Ascenção Ramos (meus pais), tiveram 5 filhos:
7.1.1. Maria da Nazaré Simões, nascida a 21 de Abril de 1913 e faleceu a 22 de Janeiro de 1975;
7.1.2 José Maria Simões, nasceu em 1915 e faleceu em 1920;
7.1.3 Laura da Conceição Simões nasceu em 1917 e faleceu nesse ano com 7 meses;
7.1.4 Laura da Conceição Simões nasceu a 4 de Dezembro de 1919 e faleceu em 25 de Abril de 1997; (2 Filhos: Almerinda Simões Gaspar e José Augusto Simões Gaspar)
7.1.5 José Augusto Simões, eu, o autor deste trabalho, nasci em 20 de Maio às 5,30 da manhã, mas, por engano, estou registado como tendo nascido em 19 de Maio de 1922. Deixo aqui os nomes dos meus filhos:
      7.1.5.1 Rogério Martins Simões, nascido em 5 de Julho de 1949.
   7.1.5.2 Jaime Augusto Simões, nascido em 17 de Fevereiro de 1952.
    7.1.5.3 José Manuel Martins Simões nascido em 22 de Dezembro de 1955
 
7.2. Aires Antunes Simões;
Aires Antunes Simões, meu tio, pai de 2 filhos:
7.2.1. António de Oliveira Simões, que nasceu em Monforte, Alto Alentejo, no dia 29 de Fevereiro de 1920 e faleceu no dia 2 de Março de 1982;
7.2.2. Ana de Oliveira Simões nasceu Monforte, Alto Alentejo, em Março de 1922.
 
7.3. Albano Antunes Simões;
Albano Antunes Simões, meu tio, pai de 2 filhas:
7.3.1 Ilda da Silva Simões nasceu em 1914 em Lisboa;
7.3.2 Alzira da Silva Simões, que nasceu em 1920 em Lisboa.
 
7.4. Maria da Piedade Simões
Maria da Piedade Simões, minha tia, mãe de 5 filhos:
7.4.1 António Maria Simões Dias nasceu a 21 de Maio de 1923 e faleceu em 1966;
7.4.2. Aires Simões Dias nasceu em 1925 e faleceu com 2 anos de idade;
7.4.3. Eduardo Simões Dias nasceu a 5 de Novembro de 1927;
7.4.4. Lurdes Simões Dias nasceu o dia 5 de Novembro de 1929;
7.4.5.  Maria da Solidade Simões Dias nasceu no dia 1 de Janeiro de 1931.
 
7.5. Maria de Lurdes Simões (a minha madrinha);
Maria de Lurdes Simões, minha madrinha e tia, teve 2 filhos:
7.5.1. Artur Simões de Almeida nasceu em 1929 e faleceu com 20 anos de idade;
7.5.2. Fernanda Simões de Almeida Rodrigues nasceu em 1934 e é mãe da médica Dra. Manuela de Almeida Rodrigues;
7.6. Maria da Solidade Simões;
Maria da Solidade Simões, minha tia, (faleceu em França) teve 1 filho:
7.6.1 José Maria Antunes, que nasceu no dia 19 de Março de 1928 e faleceu em França.
(nota: Dou graças por ter recuperado a casa dos Simões da Póvoa. Que bonita que está).
 
7.7. Maria Lusitânia Simões que nasceu na Póvoa;
Maria da Lusitânia Simões, minha tia, mãe de 2 filhas:
7.7.1. Maria Luísa Simões;
7.7.2. Deonilde Simões.
 
Esta é a minha linhagem por parte dos Simões da Pampilhosa da Serra. O meu pai tinha 86 primos direitos, filhos de irmãos.
Espero ter contribuído para reescrever, um pouco, a linha parental dos Simões da Pampilhosa. E àqueles que ainda podem concluir esta minha memória deixa um desafio: completem ou rectifiquem.
Em memória da minha mãe Maria Ascenção Ramos que me ensinou os nomes de todos aqueles que não conheci.
José Augusto Simões
2004-02-23
 
Qualquer contacto poderá ser feito para o e-mail do meu filho Rogério Martins Simões. poemasdeamoredor@gmail.com
 
Nota final: Meu pai José Augusto Simões, para além de ser um extraordinário pai, um homem íntegro e inteligente, tem uma memória extraordinária. Está vivo à data em que escrevo e seria óptimo que lhe dessem notícias dos seus parentes descendentes dos Simões e dos Henriques da Pampilhosa da Serra.
Em tempos, o meu falecido primo Aires Simões chegou à conclusão que o ANTÓNIO SIMÕES, antigo e extraordinário jogador do Benfica, descendia da nossa família.
Encontro uma certa dificuldade em obter os nomes dos nossos familiares quando eles descendem de nossas tias avós, pois perderam por casamento o nome da família, apesar de serem tanto Simões como eu sou.
Existem, depois, aqueles que tiveram de partir da Pampilhosa, por casamento, cujos descendentes desconhecem a sua ascendência da Pampilhosa da Serra, tal como desconhecemos o nome do mais velho Simões que casou com uma senhora da família Henriques da Pampilhosa da Serra. De uma coisa podem ter a certeza - todos aqueles que aqui se vêm retratados: descendem de um Simões e de uma Henriques da Pampilhosa da Serra do século 19 (XIX) ou mesmo do século 18 (XVIII).
Por favor colaborem! Mandem fotos antigas da família, ou histórias interessantes da família, por e-mail que terei muito gosto em as colocar neste blog do meu pai ou no meu: http://poemasdeamoredor.blogs.sapo.pt
Saudades
Rogério Martins Simões
Actualizado em 16-12-2008 23:36
 

 

 20 de Maio de 2008

 

Pai!, como vê fiquei acordado até tarde para passar a limpo e publicar o seu último poema no dia em que fez 86 anos de idade.

 

Todo feliz, aí, na sua Póvoa, na sua Pampilhosa da Serra! Com que então veados e gazelas?

 

Feliz aniversário meu querido pai e que a vossa presença, meus pais, continue a encantar as nossas vidas.

O seu filho mais velho

Rogério Martins Simões

 

 

 

 

 

 

BEIRA SERRA

 

José Augusto Simões

 

Conheço a Beira Serra

É bonita não é feia

Montanha, montes e vales

Muita terra e pouca areia.

 

Os matos dos seus terrenos

Cheios de encanto e beleza

Todos ali foram criados

Pelo poder da natureza

 

Falando da sua existência

Não é uma palavra em vã

Toda a Beira Serra começa

Na linda vila da Lousã

 

Chegando ao Vilarinho

Começa a subir e não erra

Três Concelhos se juntam

Góis, Arganil e Pampilhosa da Serra.

 

Três serras bem conhecidas

Fazem a Beira mais bela

Serra da Lousã e do Açor

E a linda serra da Amarela

<span style="font-size: 14pt; color: #99cc00; font-family: 'Luc

Poemas de amor e dor conteúdo da página

15.12.08

 

 

 

Programa detalhado em
 

 

 

VONTADE
Romasi
 
Que subam ao ar
Os censores da liberdade
A estalarem como foguetes...…
 
1973

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

13.12.08

 

 

 

UM POEMA DO POETA
 
KHALIL GIBRAN
(DO LIVRO “O PROFETA”)
 
O Dom
 
Então um homem rico disse:
- Fala-nos do dom.
 
E ele respondeu:
 
- Dais muito pouco,
Quando dais daquilo que vos pertence.
 
Quando vos dais a vós mesmos
é que dais realmente.
 
Que é aquilo que vos pertence,
senão coisas que conservais ciosamente,
com medo de vir a precisar delas amanhã?
 
E amanhã,
que trará o amanhã
ao cão demasiado prudente
que enterra os ossos na areia movediça
enquanto segue os peregrinos
a caminho da cidade santa?
 
E que é o medo da miséria,
senão a própria miséria?
 
Quando o vosso poço está cheio,
não é o medo â sede
que torna a vossa sede insaciável?
 
Alguns dão pouco
do muito que têm, e fazem isso
em troca do reconhecimento,
e o seu desejo oculto
corrompe os seus dons.
 
Outros têm pouco
e dão tudo.
 
Estes são os que acreditam na vida,
na bondade da vida;
e o seu cofre nunca está vazio.
 
Há quem dê com alegria,
e esta alegria é a sua recompensa.
 
Há quem dê cheio de dores,
e essas dores são o seu baptismo.
 
Há ainda quem dê, inconsciente,
da sua virtude,
sem nisso sentir dor nem alegria.
 
Dão como os mirtos do vale
que a espaços atiram para o céu
o seu perfume.
 
É bom dar quando nos pedem;
e é bom dar sem que nos peçam,
como bons entendedores.
 
E para o homem generoso,
procurar aquele que vai receber
é maior alegria do que dar.
 
E haverá alguma coisa
que possais conservar?
Tudo quanto possuís
será dado um dia.
 
Portanto, dai agora,
para que o tempo de dar seja vosso
e não dos vossos herdeiros.
 
Muitas vezes dizeis:
- Gostava de dar
mas só aos que merecem.
 
As árvores dos vossos pomares
não falam assim,
nem os rebanhos das vossas devesas.
 
Dão para poderem viver,
porque guardar é perecer.
 
Por certo
aquele que é digno de receber
os seus dias e as suas noites,
é digno de receber de vós
tudo o resto.
 
E aquele que mereceu
beber do oceano da vida
merece encher a sua taça
do vosso regato.
 
E que maior merecimento
do que aquele que reside
não na caridade,
mas na coragem e na confiança
de receber?
 
E quem sois vós
para que os homens
devam rasgar o peito diante de vós,
vencendo o orgulho,
para poderdes ver o seu mérito
a descoberto
e a sua altivez manifesta?
 
Procurai primeiro
merecerdes ser doadores
e instrumentos de doação.
Porque, em verdade,
é a vida que dá à vida,
e quando julgais ser doadores,
sois apenas testemunhas.
 
E vós que recebeis
- e todos sois recebedores–
não atireis para cima de vós
o peso da gratidão,
sob pena de impordes um jugo
a vós mesmos e àquele que dá.
Mas elevai-vos
juntamente com o doador,
usando os dons como asas.
 
Porque ligar demasiada importância
à vossa divida
é duvidar da sua generosidade,
que tem por mãe a Terra magnânima
e Deus como Pai.
 
Khalil Gibran
Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub