Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

25.02.09

 

 

 

 

 

 

Fénix
Rogério Martins Simões
 
Nestes dias
que passam a correr:
Sem sentir.
Nestes pedaços
de tempo velho:
A renascer.
Reaparece a vida:
Nas folhas novas a nascer.
Nas flores lindas por abrir.
Porém,
Tudo acaba por se varrer.
Todos acabamos por sofrer,
Pelo que há-de vir.
E eu, que nada sei,
Por nada ser:
Em cinzas irei partir.
E das cinzas renascer.
 
1/08/2004
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

22.02.09

 

(foto da NGeographic)

 

 

 

OLHAR NÃO É PECADO…
Rogério Martins Simões
 
Rapaz enamorado um colo não deixa!
Velho embasbacado… olha para o meio…
Olhar só é pecado quando se desleixa,
Se deixa de apreciar um perfeito seio.
 
E se for de mulher bela cor de ameixa…
Com beijos enfarinhados de centeio…
Que importa a farinha? Quem se queixa?
- Deixa p´ra lá a janta que hoje não ceio…
 
Não ceio, o gato tem peixe e não come…
Ou tem barriga cheia; ou não tem fome:
- Anda cá sardinha não voltes para o mar…
 
Pois se a fome é maior que a barriga,
Come-se a ameixa, a farinha e a espiga:
Comer não é pecado! Pecado será olhar?
 
15-01-2007 21:57
Poemas de amor e dor conteúdo da página

21.02.09

 

 

 

Água Salgada
Rogério Martins Simões
 
Tenho sede...e sofro
É em vão a minha dor.
A vida acaba
Quando espero o seu começo.
Triste, já cansado,
Fatigado de andar
Busco água
No oceano da vida.
Retiro-me, procuro o mar
Mergulho…,
Afogo a minha sede de vida!
E morro…
 
Olhos salgados de mar…
 
Novembro de 1968

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

20.02.09

 

 

 

 

 

ERA NOITE, NÃO SE OUVIA VIVALMA
Rogério Martins Simões
 
Era noite, não se ouvia vivalma,
Nem o ranger da cama de cima…
Esta quietude que não me acalma.
Aquele silêncio que lateja e rima…
 
E meu corpo desafiava a alma.
Meus olhos tristes, que triste sina.
Estava tão só… como esta calma,
Abismo fundo da profunda mina…
 
Sentida agonia de quase morto,
A fétida melena me denunciava:
Mais tempo houvesse eu era horto.
 
Olhei em redor tudo era branco.
Deitado na maca sinistra do banco.
Estivera morto e ressuscitava…
 
(Memórias do poeta)
16-05-2005 19:07
Poemas de amor e dor conteúdo da página

19.02.09

 

 

 

 

 

 

A ESTRELA MAIS BELA QUE ENCONTREI!
(Rogério Martins Simões)
 
Sabes encontrar-me pela manhã,
No riacho cristalino do desapego,
Onde, renunciando, dores refego,
Para que a esperança não seja vã.
 
Livre da dor e tortura é este afã.
Cuido este corpo onde me apego.
Tarde libertar-me deste carrego,
Que extingue o carma de amanhã.
 
E se estiver na hora quero propor:
Irei de mãos dadas pelo caminho,
Perdido eu de amores, devagarinho,
 
Levarei comigo o meu lindo amor,
A estrela mais bela que encontrei.
Não quero perder quem tanto amei!
 
Lisboa, 27-03-2008 22:04:08

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

17.02.09

 

 

 

PARA ALÉM DO VENTO…
Rogério Martins Simões
 
Volúpias em corpos que bailam submersos,
Dispersam em nós o sémen da procriação.
São inocentes os nossos dias em tentação,
Anseios da natureza doces como versos…
 
Mordiscaste a minha boca em provocação...
Desejos inatos tão diferentes, tão diversos,
Anunciando um tempo novo sem reversos,
Ardendo como fogo em adoçada erupção….
 
E a natureza nos cobriu com vento criador,
Confiando as sementes num acto de amor,
Quando o teu corpo fértil comigo dançava!
 
Além de nós havia um tempo pouco visível,
Para que recomeçássemos, num cio sensível,
E o teu corpo com ingénita sedução bailava…
 
Aldeia do Meco, 26-10-2007 23:11:43
Poemas de amor e dor conteúdo da página

16.02.09

 

 

 

NA NOITE
 
ROMASI
 
Na noite,
Há milhões de vidas,
Milhões de mortes,
Seres tímidos
Tornando-se fortes.
 
Na noite
Na vida do sangue
Há cocaína.
Vampiros…
Heroínas...
 
Na noite
Há olhos tristes
Há ódio
Espadas em riste…
 
Na noite
Na escuridão que já viste
Os cegos têm
A sensação que já sentiste.
 
Na noite
Uma mulher chora
E o homem afoito
Na rua mora.
 
Na noite
A lua destoa
É a impotência
Do eclipse do dia.
 
Na noite
Dizem que há amor
Mas não andam os girassóis.
 
Lisboa, 10 de Janeiro de 1971
 
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

16.02.09

 

 

 

Poema suave
Rogério Martins Simões
 
Venham de lá as flores
Neste nosso verbo amar
Que as folhas estão caindo.
As dores estão sentindo
Uma criança chorar.
 
Venham de lá as flores
E os frutos por colher
Que as dores estão sentindo
Os homens que vão partindo
A chorar e a sofrer.
 
Venham de lá as flores
E o Outono vai passar
Que as dores estão sentindo
A Primavera chegar.
 
Venham de lá as flores
No milagre do nascer
Que as dores estão sentindo
As verdes folhas, crescer….
 
Venham de lá as flores
E a alegria de viver!
 
Lisboa, 1989

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

15.02.09

 

Nasceu na Malhada - Comeal

 

15/02/1925

 

 

Isabel Martins de Assunção, Minha mãe, nasceu numa pequena aldeia da Beira Serra. Desde muito cedo começou a trabalhar e, por isso, nem a deixaram aprender a ler.
O seu amor por meu pai, pelos seus 3 filhos, pela família e amigos é a verdadeira razão para se ter esquecido de si.
Neste dia em que completa 84 anos estamos de “abalada” para comprar o bolo de aniversário e fazer a festa. A minha doce Bete já tem tudo pronto.
Reparto convosco a minha felicidade e dou a conhecer uma mulher extraordinária, prima direita do falecido Presidente do Tribunal Constitucional Luís Manuel César Nunes de Almeida, minha querida mãe
Rogério

 

 

 

MÃE
 
Mãe que não aprendeu a ler
Mas sabe sempre os meus ais
Mãe que cedo lutou para ter
O tanto que nos deu e me dais
 
E depois de si minha mãe?
Quando um dia me faltar
Não a tiver a acariciar
Este pedaço de si também!
 
De si, minha querida mãe.
 
Mãe!
Passe-me as suas mãos pelo peito
Que este seu filho perdeu o jeito…
E nem as estrelas consegue agarrar…
 
Um beijo minha querida mãe,
Parabéns pelo seu aniversário,
Seu filho,
Rogério Martins Simões

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

13.02.09

 

 

PÁRA
Rogério Martins Simões
 
Segredaste-me tantas palavras,
Esta noite meu amor,
Quando no quarto imperava o silêncio!
E disseste tantas coisas,
Em silêncio,
Que nada ficou por dizer!
 
Tu sabes que eu gosto do silêncio!
De respeitar o silêncio,
Mesmo que ele incomode.
 
Incomodam-me
Mais os estados de “não alma”,
Que perturbam o silêncio,
Com palavras ditas de forma não calma.
 
Eu sei que não conheces
As “não palavras:
Que me ferem os tímpanos,
Que não acalmam!
Que me pulverizam o silêncio
Aniquilando o alento!
Que me cortam a respiração
E me deixam frustrado,
Cabisbaixo,
Adiando ou extinguindo
Para sempre a inspiração!
 
Que génio teriam os poetas
Se lhes parassem a respiração,
O pulsar e a pena?!
 
De que forma?
Com que sentido,
Teriam estas palavras,
Se as minhas palavras
Fossem desprovidas de qualquer sentido.
 
Sentidas foram as tuas palavras
Quando me disseste,
Sem falar,
Estas palavras:
Pára de escrever!
Porque as palavras te fazem sofrer!
Pára, vem descansar!
Para o corpo retemperar!
 
Mas meu amor
O meu descanso
Está nas palavras que não comando!
E se sofrer eu sofro
Escrevendo
Pior sorte seria
Não escrever chorando.
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub