Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

Respiro poesia

LISBOA ANTIGA

 

 

 

RESPIRO POESIA

Rogério Martins Simões

 

Respiro a poesia

Como este puro ar

Que alimenta a alma

E regenera o corpo.

Vem oh inspiração!

Em ti me encorpo:

Sou galé a navegar!

Puro sal misturado no copo:

Musa do meu versejar

Leva a ode até ao topo.

 

Vou partir.

Descobrir povos e marés.

Fui marinheiro.

Sou poeta.

Porto de abrigo.

Arca da aliança.

Cantem sereias,

Portos e galés,

Corre a poesia

Nas minhas veias.

 

30-09-2004 23:28:59

Aldeia do Meco

(Poema dedicado ao Poeta Daniel Cristal)

(Registado no Ministério da Cultura

Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C.

Processo n.º 2079/09)

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

No amor me dispo...

 

 

 



NO AMOR ME DISPO...

Rogério Martins Simões

 

 

No amor me cego;

no amor me dispo...

No amor me ergo;

no amor me visto.

 

Visto cambraia,

seda ou cetim,

fico de atalaia

se reparas em mim.

 

No amor me perco

e não resisto.

Teu amor eu cerco

e não desisto.

 

Resisto à chuva,

ao frio e à sorte;

ao vento que uiva,

à dor e à morte.

 

Sem amor eu cego!

No desamor eu findo!

Amor!

Seja bem-vindo!

 

Lisboa, 06-05-2010 21:35:42

 

(O direito de autor é reconhecido independentemente de registo,

depósito ou qualquer outra formalidade

artigo 12.º do CDADC. Lei 16/08 de 1/4)

(A registar no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Serenamente

 

 

 

SERENAMENTE

Rogério Martins Simões

 

Serenamente volto às palavras do coração:

O nosso amor é tão lindo.

Serenamente, como se o tempo não passasse:

O nosso amor é favo de mel.

Serenamente, deixarei partir o tempo,

O nosso amor é eterno.

Serenamente caminho para a saudade…

O nosso amor é o instante mais presente.

 

Por isso te digo, agora, e para sempre:

A felicidade trespassa o meu coração.

A serenidade veio de ti;

Nasceu contigo, irá comigo.

 

Olhos doces, poejo em flor,

serás para sempre:

O mais lindo e puro amor.

Serenamente

beijo-te com palavras do coração,

e alindo os teus cabelos de versos:

Mansamente!

Eternamente!

Meu lindo amor.

Lisboa, 06-11-2009 23:56

(O direito de autor é reconhecido independentemente de registo,

depósito ou qualquer outra formalidade

artigo 12.º do CDADC. Lei 16/08de 1/4)

(A registar no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Verdade com coragem... Um poema de 1970

 

Em 1970 escrevi este poema. Em 1974 estive no no meu 1º primeiro de Maio em Liberdade

 

 

VERDADE COM CORAGEM

ROMASI

Rogério Martins Simões

 

Toda a verdade

só é verdade

se  for dita com coragem...

A coragem é a inocência

na boca de uma criança:

"Brilha a lama…

e tapa os olhos aos videntes…

Chove o sol

e abre os olhos aos cegos…"

 

Já oiço, ao longe,

o eco da verdade...

E de limite em limite…

entre o tudo e o nada:

Que coragem…

 

Toda a verdade

só é verdade

Se dita com coragem...

"Secam as terras

e os lavradores emigram...

Jorra o sangue

e nadam as vidas na morte…

Esvoaça o zinco

e os órfãos vêm luz…

Dilata-se o ferro

e os presos fogem…"

E esta força da verdade

tem dureza...

tem arte…

 

Hoje artista…

Amanhã correndo…,

borraremos as paredes,

brocha em brocha...,

com coragem,

para que a verdade

Seja escrita em liberdade...

 

A coragem é o amor:

leite materno

da igualdade.

Está perto… e já oiço

o eco da coragem…

Que coragem…

Tavira, Agosto de 1970

(Registado no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

Pág. 2/2

Em destaque no SAPO Blogs
pub