Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




SEGREDOS MEU AMOR

Segredos, meu amor

(Doação)

(Rogério Martins Simões)

 

Segredos, meu amor

Hoje te quero revelar!

Se eu pudesse te daria tudo:

Os poemas de amor: Sem dor!

O céu, a terra e o mundo…

E cantá-los-ia se soubesse cantar!

 

Cantar, cantavas tu e tão bem!

Pintar é a tua actual inspiração!

Reservo para ti também:

A poesia! Meu amor-perfeito;

Tempo de pausa e meditação!

A fantasia de alguém

Imperfeito!

Carente, terreno e pensante!

 

E se em momentos de inspiração

Parto por aí algo errante:

Numa completa e intemporal dação

(Mas quente e vertical entrega)

Seja breve e que encante!

Minha alma nesse instante sossega.

26-05-2004 23:29

 

(Registado no Ministério da Cultura

- Inspeção-Geral das Atividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Fala-me de amor

FALA-ME DE AMOR

(Rogério Martins Simões)

 

Fala-me de amor - disseste,

quando nos recantos dos jardins

as barreiras nos impediam de pisar a relva.

 

Rompiam as memórias

e um ligeiro vento

arrastava as folhas secas do velho plátano.

Era tão tarde…

e ainda agora despontavam as histórias...

 

Olhei sem desvario.

Antes, quando me debruçava no teu peito,

eras rio,

eras só rebuçado!

E trazíamos nos pés alpercatas,

com asas,

que reluziam por cima dos muros

e o chão era mais leve que o algodão…

 

Sabes?

A cidade fede devaneios

e as árvores crescem nos telhados das casas.

Não te vou falar de amor, não!

Reservo para mim as sensações dos velhos tempos.

Agora, restam umas quantas folhas que vêm ter comigo:

Somos dois silêncios!

Dois estranhos castanheiros perdidos na cidade…

01-02-2006.

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

NINGUÉM ME VIU

Ninguém me viu

(Rogério Martins Simões)

 

Cheguei!

Marquei presença

e não deram por mim…

Quem haveria de dar?

Tenho a ausência descomprometida

e  as regras do silêncio… para respeitar…

 

Cheguei!

Ninguém viu:

Pardais de telhado…caídos;

uma pomba branca amordaçada…

Corruptos vendidos.

Pátria minha! Sua coutada…

 

Cheguei!

O aviso estava na porta:

-Aqui só gente morta…

 

Ninguém acudiu!

Ninguém reparou!

Ninguém sorriu!

 

Farto de escutar o silêncio

Da ausência comprometida…

Chorei!

Gritei!

E ninguém me viu…

 

Barco Seixal Lisboa 21-08-2008 8,59:02

 

(Registado no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)

POEMAS DE AMOR E DOR

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

PRAIA DAS BICAS – FINALMENTE - COM ACESSOS

 

PRAIA DAS BICAS – FINALMENTE - COM ACESSOS

 


Quem frequentava a Praia das Bicas, há muito que esperava esta notícia: estão a ser construídos os acessos pedonais à praia.
Esta é certamente uma boa notícia para todos. Até à data todos os caminhos serviam para evitar a malfadada rampa e assim foi ao longo dos anos.

 


Hoje presenciámos o início das obras para implantar no terreno um caminho em madeira protegido por corrimão e, segundo uma fonte não identificada, as referidas obras terão um prazo de cerca de 3 semanas.

 


A obra é da iniciativa da Autarquia local: Câmara Municipal de Sesimbra a quem desde já agradecemos. Agradecemos, e todos ficaremos a ganhar, pois com estes novos acessos serão evitados os caminhos que destruíam as dunas e protegidas as pessoas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foram muitos os que caíram naquela rampa. Foram muitos os que se recusaram a descer e a subir. Finalmente existe um motivo para sorrir: Em Junho podemos finalmente aceder com mais segurança à Praia das Bicas.
Praia das Bicas, Meco, 07-05-2013 21:29:05

 

Rogério Martins simões

 

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR