Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

26.04.14

CONVITE

LANÇAMENTO E APRESENTAÇÃO DO LIVRO

“GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”

DE

ROGÉRIO MARTINS SIMÕES

“CHIADO EDITORA”

Seguido de recital de poesia e canções alusivas na obra.

17 de Maio de 2014 pelas 17 horas, no hotel, NOVOTEL em Lisboa. Localização:

 

http://www.accorhotels.com/pt/hotel-0784-novotel-lisboa/location.shtml

 

O presente livro é dedicado: aos meus pais, à minha esposa, e a todos os meus companheiros portadores da doença de PARKINSON.

E a minha gratidão para com:

Ermelinda Toscano, poetas Almadenses;

Efigénia Coutinho, poetisa brasileira;

Armando Figueiredo, poeta português;

Fernando Oliveira, poeta português;

José Baião Santos, poeta português;

Maria Elena Sancho, poetisa da argentina;

Luís Gaspar, Estúdios Raposa;

A todos os leitores do meu blog POEMAS DE AMOR E DOR.

Poemas de amor e dor conteúdo da página

19.04.14

Aleluia!

 

Escrevo em quinta-feira Santa, memórias de um tempo passado na Igreja de S. Vicente de Fora e eu era tão feliz.

Basta olhar para as fotos que tenho no álbum, de S. Vicente de Fora, para se perceber que a amizade era e é um bem ao alcance de todos – basta querer.

Memórias dos diversos anos quando, chegados à sexta-feira Santa, se desnudavam os altares, sob os nossos olhares, enquanto os santos de cara e corpo tapado com pano roxo assistiam...

Recordo-me de uma cena interessante. Certa Sexta-feira Santa uma paroquiana activa, devota, queria lavar os santos com vinho. Estão mesmo a ver a cara do nosso prior que recusou a oferta. Que era tradição lá da terra dela… Que desperdício! Mas que risadas ganhámos naquele instante.

Hoje quando me lembro desse dia, passado recente mas não longínquo no tempo, vemos que muito mudou. Páscoa feliz! Que Páscoa? Aquela que nos abona uns quantos feriados? Ou aquela cuja razão se torna hoje quase imperceptível?

Bom! Depois de amanhã para a tristeza e lá vamos nós, antigos amigos e paroquianos, em pensamento recordar aqueles instantes, aqueles momentos, quando à porta de S. Vicente o Padre Cunha acendia o Lume Novo seguido de acto religioso solene a que o povo dava o nome da “Missa do Galo” (E o galo cantava três vezes enquanto Pedro renunciava a Jesus).

Tempos inesquecíveis que a memória não esquece! E tudo terminava alta madrugada em casa do Padre Cunha, bebendo uns cervejinhas e petiscando o que tinha, enquanto ficava no ar o belo canto perfumado da Amália, ou de uma boa música clássica aqui e além explicada pelo querido e saudoso Padre Cunha: Agora os fagotes! Agora respondem os violinos, as tubas, os tambores ou os violoncelos.

 

Depois percorríamos em grupo as ruas proibidas, mas não despidas de segurança, cantando com alegria: Aleluias.

Pelo meio-dia, do dia de Páscoa, voltámos a vestir as túnicas brancas, símbolo da nossa pureza, em comunhão com os paroquianos muitos dos quais já partiram na esperança da ressurreição.

Aleluia!

SANTA PÁSCOA PARA TODOS

Rogério Martins Simões

Poemas de amor e dor conteúdo da página

16.04.14

 

 

 

CINEMA MUDO…

Rogério Martins Simões

 

Pela nesga do sopé entra a manhã.

Este frio que me dói,

É o inverno a passar pela dor.

Logo, quando o navio passar pela lua,

Esticarei os braços para largar o pranto.

No entanto,

No cais,

Não haverá mais quem me chore.

Vês como estico o passo

E passo pela tela do movimento…

Abraço-te!

Afinal chegaste mais cedo….

 

Meco, 15/04/2014 23:55:01

Poemas de amor e dor conteúdo da página

11.04.14

PARKINSON

Rogério Martins Simões

 

Meu amor! Só tu não estavas enganada!

Só tu darias pela falta no gesto:

Nesta minha expressão desencontrada,

Neste meu lado esquerdo menos lesto.

 

Meu amor! Só tu não estás surpreendida.

Componho este poema e não desisto:

A direita a que escreve agradecida!

Com a esquerda não escrevo mas insisto!

 

Com a direita escrevo o “A” de amor!

Com a esquerda se escreve o “D” de dor!

E o “P” de Parkinson em desespero!

 

Pois sofrer tanto sofrer não conhece.

Meu corpo tanto sofrer não merece.

Sofrer mais, por tanto sofrer, não quero!

 

04-06-2002

(2013)

(Registado no Ministério da Cultura

Inspeção-Geral das Atividades Culturais I.G.A.C.

Processo n.º 2079/09)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

04.04.14

Recebi do amigo Luís Milhano e vale a pena ver
Deixo-vos com as suas palavras:
Alguém anda a fazer os trabalhos de casa por nós....
Simplesmente muito bom !!!!!! E tem de ser um banco espanhol a apresentar assim Portugal??? 
UM FILME DE ANIMAÇÃO SOBRE PORTUGAL
Vale a pena ver. 
Estranho que não tenha sido produzido por nenhuma entidade portuguesa, mas pelo banco espanhol BBVA.
De qualquer modo, o importante é que este filme foi feito e está a ser divulgado.
Muiiiiiiiiiito bom,os portugueses agradecem
(Para ouvir por favor desligue ou pare o fundo musical do blog)
Poemas de amor e dor conteúdo da página

01.04.14

FADO, SÓ FADO…

Rogério Martins Simões

 

Duas vezes por ano sou atendido na consulta de “Movimento” do Hospital dos Capuchos. Estranho nome para designar a consulta de Parkinson. Poderiam até a designar por consulta de “Falta de Movimento” pois é isso que eu sinto.

Pensava que estava bem, isto é, que por estar com menos tremores era sintoma que tudo ia bem. Porém, quando a minha médica me viu levei com uma enorme reprimenda por me recusar a ingerir “Clozapina” face à leitura da respetiva “bula”.

De facto já me tinha apercebido que se tinham agravado os sintomas da discinesia, embora tentasse disfarçar… (Discinesia é a designação que se dá aos movimentos repetitivos involuntários por uso a longo prazo e/ou em doses altas de medicamentos antagonistas da dopamina.)

Mal cheguei a casa, e depois de andar de site em site, estou convencido que tenho de ingerir a Clozapina para combater a Discinesia. Porém cresce a minha tristeza, esta minha dor, que tantas vezes se transforma em coragem. Agora reparo que até me esqueci de marcar nova consulta que de acordo com a minha médica será para daqui a 8 meses. Até lá terei de trocar a palavra desistir por ingerir…

Meco, 1/4/2014

CONSULTA DE ROTINA

 

Rogério Martins Simões

 

Regresso ao hospital

À consulta de rotina.

Espero! Não faz mal!

Tiro a senha

Que sina…

Olho em redor

Todos diferentes!

Todos iguais!

Afinal, na dor,

Quem nos distingue

Dos demais?

Hoje não cedo…

Aqui, o sofrimento

Perdeu a vergonha!

Tremo!

- Mão fora do bolso!

Aqui não temo

Aqui não tenho medo…

Quem me distingue

Dos demais?

Hospital dos Capuchos, Junho de 2004

 

FADO! SÓ FADO

Rogério Martins Simões

 

Lisboa

Não te incomodes

Comigo

Deixa secar as lágrimas

Anunciadas…

Em teu xaile preto

E mesmo que acordes.

Nos teus acordes,

Não tenho ais!

Mais,

Para trinar contigo.

 

Tirei a última lágrima

De saudade

Que escorria da varanda

Da minha viela

E reguei com ela

O vazo do manjerico

que o acaso

ou a esperança

me deixou à janela.

 

Porque é que sinto

Esta dor imensa

Que consome

E devora

O canteiro do meu corpo?

 

Não orvalha na cidade…

 Deambulo!

Sai do meu peito

Um lancinante grito

Enquanto meus passos

Despeitam a noite…

Sou viola…sem cordas.

Canto aflito...

Castigo… sem pecado

Cais?!

Barco sem arrais!

Grito?

Fado! Só fado…

 

Lisboa

Não apagues o que resta

Do cheiro a manjerico…

 

 Meco, 02-09-2008 21:48

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub