Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




ESTAS PALAVRAS, AGORA, NÃO SERÃO VIRGENS

039.JPG

 

ESTAS PALAVRAS, AGORA, NÃO SERÃO VIRGENS

(Rogério Martins Simões)

 

Quando o desespero nos aperta

E do peito saem soluços

É que o gesto

Toma o lugar incerto

É que o caminho louco

Corre louco

Como a pena com que escrevo.

 

Alinho minhas palavras

Cem palavras

Ritmadas

A muitas pulsações por minuto

E nesta cadência

Arrasto

Meu arrasto

Minha canoa virada ao tempo.

 

E em que gesto

Meu gesto se transforma

Num acto

Numa viagem apressada

Cadenciada

Vencendo quem sabe

O desastre que arrasto

À razão do tempo adulto.

 

Que decência

É a cadência do gesto

Do acto

Porque neste momento exacto

Mais palavras não serão virgens…

 

1978

 

(Caderno Uma Dúzia de Páginas de Poesia n.º 41)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

ÁGUA DA FONTE

IM024880.JPG

 

 

 

ÁGUA DA FONTE

José Augusto Simões

 

Fui buscar água da fonte,

P´ra minha casa levei,

Passei uma velha ponte,

Outro caminho não sei.

 

Deitei-o na cantareira,

No dia seguinte voltei,

Quando cheguei à lareira,

O Cântaro não encontrei.

 

Quem a minha água tirou,

Sabia que ela era minha:

Água e o cântaro levou

Da minha casa velhinha.

 

O cântaro da cantareira,

Eu sei bem quem o levou,

Fez isso por brincadeira,

Mas bem sabe que pecou.

 

Deixou um papel escrito:

- Muito te quero dizer

Sabes bem o que tens dito…

Foste à fonte sem me ver.

Lisboa, 18 de Agosto de 2013

 (Poema de meu pai)

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

PARKINSON: SORRINDO À DOR PARA VIVER

Still Life 004401.jpg

 

 

PARKINSON: SORRINDO À DOR PARA VIVER

Rogério Martins Simões

 

Amarram-se estes dedos com que escrevo.

Enfraquece-me a fala. Não a entendem.

Todos os movimentos se me prendem.

Perdi a esperança e sei que a ti o devo…

 

Trina tão forte meu despertador,

Lembrando os comprimidos a tomar.

Sou fábrica de espasmos e de dor.

Sofro por turnos sem mais descansar.

 

Parkinson: maldita sejas doença,

Que tanto aqui me tens feito sofrer.

Parkinson: tu terás a indiferença.

 

Que diferente te eu seja na viagem:

E baloiça meu corpo na coragem.

Sorrindo eu mesmo à dor para viver.

 

Meco, Praia das Bicas, 03/12/2014 22:51:43

 

 

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR