Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




O FADO DA MINHA VIDA

IMG_2296.JPG

 

 

O FADO DA MINHA VIDA

Rogério Martins Simões

 

Tu sabes que em teu cansaço,

Ainda vou tendo o espaço

Para o teu amor merecer.

Eu sou o teu xaile traçado:

Que em teu peito suspirado,

Minha dor se vai esconder.

 

Não quero pisar o risco,

Antes um pequeno cisco

Acabe por me tombar.

Bastava um pequeno gesto:

Mas contigo ainda me presto

Ao teu amor me entregar

 

Se a minha sorte soubesse,

Que sem ti logo aparece

A minha sombra ferida.

Tendo a sorte por destino,

Açoitava o torvelinho

Ao fado da minha vida.

Meco, 17/06/2014 00:06

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Empréstimo de duzentos e setenta e cinco alqueires de trigo e duzentos e setenta e um alqueires de milho, na forma de empréstimo, aos lavradores do Concelho de Sagres

Gravuras 001.jpg

 

 

 

CELEIRO PÚBLICO 1) (TERREIRO DO TRIGO): Empréstimo de duzentos e setenta e cinco alqueires de trigo e duzentos e setenta e um alqueires de milho, na forma de empréstimo, aos lavradores do Concelho de Sagres

Manda El-rei, pela Secretaria de Estado dos Negócios do Reino, participar à Comissão Encarregada da Inspeção E Administração do Terreiro Publico que sendo-lhe presente a sua informação de 21 de Novembro de 1822 pretérito sobre a pretensão da Câmara de Sagres para que lhe emprestassem sementes “atenta a necessidade e penúria em que se acham os povos daquele Concelho, ocasionada pela esterilidade da colheita e que se acha devidamente verificado pela informação do Corregedor de Lagos e sumário de testemunhas…"

2) DETERMINANDO-SE OUTRO SIM QUE OS ATUAIS VEREADORES RESPONDERÃO PESSOAL E SOLIDARIAMENTE PELAS QUANTIDADES DO GÉNERO EMPRESTADO…

Paço da Bemposta em 3 de Janeiro de 1823

 

Algumas considerações:

  • O Celeiro Público foi criado por :

JOSÉ:I. AUGUSTO INVICTO PIO REI E PAI CLEMENTISSIMO DOS SEUS VASSALOS PARA ASSEGURAR A ABUNDANCIA DE PÃO AOS MORADORES DA SUA NOBRE E LEAL CIDADE DE LISBOA E DESTERRAR DELA A IMPIEDOSA DOS MONOPÓLIOS DEBAIXO DA INSPECÇÃO DO SENADO DA CÂMARA SENDO PRESIDENTE DELE PAULO DE CARVALHO MENDONÇA MANDOU EDIFICAR DESDE OS FUNDAMENTOS ESTE CELEIRO PÚBLICO ANO MDCCLXVI (1766).

Recomendação 07/52 (IND) - Pela classificação do Edifício da Alfândega, como Imóvel de interesse Público

09-12-2014

  • Veja-se que, apesar da penúria em que se achavam os lavradores de Sagres, foi exigida aos Vereadores da Câmara de Sagres uma responsabilidade pessoal, e solidária, pelo empréstimo do milho e do trigo.
  • O original deste documento encontra-se agora na Torre do Tombo.

 

Rogério Martins Simões

Antigo Reverificador Assessor da D.G.A.I.E.C.

 

terreiroTrigo 006.jpg

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

FERRO NAS PALAVRAS...

autodefe.jpg

 (Auto-de-fé em Valladolid)

 

EU, ANTÓNIO JOÃO

(Rogério Martins Simões)

 

Eu, António João,

Filho de João Anes, lavrador,

E de Isabel Pires, Lavradeira,

Cristão Velho

Perante vós do Santo Ofício

juro por Deus e só por isso

que outra fé não tenho

A que sempre fui submisso

Desde os tempos de antanho

Pois pertenço ao rebanho

Do priorado da minha terra

Temente e a Deus fiel

Assim foi meu crescimento

E nunca lhe fui infiel

Por Jesus no Sacramento

E por minha mãe Isabel

 

(Mensagem M. de 12/9/2014)

(António João, do Vale Serrão, Pampilhosa da Serra, condenado pela Inquisição)

 

Ferros nas palavras…

Rogério Martins Simões

 

Os ferros prendem as letras

Quando as letras formam

Palavras inconvenientes…

 

O que sentiste quando

Te cortaram a respiração?

Como engoliste as palavras,

Quando te torturaram

Pelas palavras

E te colocaram a ferros?

 

Com que ferros te marcaram,

E te secaram o grito.

 

Que raiva quando nos deixam sem ego!

 

Ainda assim:

Os cobardes vestidos de negro

Não te mandaram para a fogueira…

Nem te queimaram os ossos...

Quando nem os deuses

Protegiam os inocentes…

Meco, 12/9/2014 22:17

(Ao António João, do Vale Serrão, Pampilhosa da Serra, condenado pela Inquisição e a todos os perseguidos…)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

O desencarne da Doutora Marlene Nobre

Allan Kardekmarlene-nobre-foto.png

 

O desencarne da Doutora Marlene Nobre

No passado dia 6 de janeiro de 2015, desencarnou a Presidente das Associações Médico-Espíritas do Brasil e Internacional Dra. Marlene Rossi Severino Nobre, 77 anos. Foi médica ginecologista, especializada em oncologia. Autora dos livros espíritas.

Tive a felicidade de a conhecer, em Lisboa, quando participei nas Jornadas Portuguesas de Medicina e Espiritualidade.

Deixo-vos com um poema meu muito a propósito, publicado no meu livro "GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO".

Rogério Martins Simões

 

AMANHÃ...

Rogério Martins Simões

 

Era manhã…

a noite ia longa e não descansara,

tinha os olhos fechados e choravam.

Sim era manhã,

o melro bem cedo assobiava,

talvez não fosse, mas trinava,

e o espírito caminhava…

 

Era manhã…

a noite ia longa e me esforçara…

tinha os olhos fechados e secavam.

Sim era manhã,

- um cheiro a hortelã,

talvez não fosse, mas cheirava,

e o corpo espírito respirava…

 

Era manhã…

a noite ia longa e clareava

tinha os olhos fechados e brilhavam.

Sim era manhã,

a alma pura e sã,

Talvez não fosse, mas tentara,

e a minha alma aperfeiçoara…

 

Sim! Será amanhã…

Quando a minha alma o corpo deixar

Quando a noite for longa e altear…

abrirei de novo um olhar…

E serei novamente manhã,

amanhã…,

quando o meu espírito regressar…

 

19-04-2010 21:49:14

Praia das Bicas, Meco

(Alterado e findo no dia 30 de Maio de 2010

nas V Jornadas Portuguesas de Medicina e Espiritualidade:

"Chico Xavier: 100 anos de Amor, Ensinando o Caminho da Cura da Alma")

(O meu público agradecimento ao Dr. Roberto Lúcio Vieira de Souza)

(Dedicado a ALLAN KARDEC)

 

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Não sei rimar palavras azedas

meco 041_tonemapped.jpg

 

NÃO SEI RIMAR PALAVRAS AZEDAS!

(Rogério Martins Simões)

 

Não sei rimar palavras azedas!

Não sei encurtar,

nem cortar as palavras!

Reajo às nefastas evidências…

E cerro o punho na mesa.

 

Não acendo

as letras apagadas…

Nem cedo às letras indefinidas…

Sou um iletrado,

Nas palavras que sobram das letras…

Renuncio

às funestas evidências da alma…

E volto-me para a luz.

 

Bate o sol no meu olhar!

 

17-10-2006 21:37

(Poema dedicado à Poetisa Efigénia Coutinho)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR