Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

26.04.17

065.JPG

 (A nova casa na Póvoa, Pampilhosa da Serra, que pertence a 4 herdeiros sendo nós, herdeiros de meu pai, donos de 1/4 desta casa depois de se pagarem as tornas. Os outros 3/4 pertencem a primos)

 

UM PEDACINHO DE LUZ

Rogério Martins Simões

 

Deram-me um pedacinho de luz

Tão pequeno,

Mais pequeno que uma noz,

Com que acendi a candeia;

Com que retomei o velho trilho

Para a aldeia dos meus avós

E fiz com essa luz uma estrada

Por onde agora caminho

Lado a lado com o presente.

 

O passado é a distância

Que me separa da aldeia

E que me introduz nas sombras.

Fecho os olhos e ponho-me a pensar

Sem vontade de partir

Sem forças para andar:

Até que o meu corpo pare

Ou a minha alma se revele

Meco, 24/04/2017 23:40

(A incluir no meu próximo livro)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

25.04.17

mural belém 5.jpg

 (Foto de Romasi)

 

LIBERDADE

Rogério Martins Simões

 

Quando as manhãs, as tardes,

e as noites escondiam,

 desesperados esperámos,

não chegavas,

e de ti nada sabíamos...

 

Foram tão longas as noites

do tamanho dos dias,

que nos esquecemos do sol

na esperança que vinhas.

 

Foi por ti que chamámos,

e de luto, lutando, morreríamos.

Foi por ti que gritaram,

aos que antes da morte

 a morte pediram...

 

E depois de tanto tempo,

em que o tempo silenciado

e o desânimo quase vencia,

tu vieste de novo,

com mais idade,

aos olhos do dia.

 

Nossos olhos abertos

quase cegos ficaram,

quando as portas cerradas

e os cimentos caíram...

 

Era tarde e tardaste

quando finalmente chegaste

na mais linda primavera

que me recordo que vira...

É por ti que de felicidade

te chamo sem ira...

 

LIBERDADE!

 

Lisboa, 02-03-2010 17:48:32

 

Dedicado a José Carlos Ary dos Santos

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

20.04.17

Contest.jpg

 

World Press Photo Contest 2004

 

Banho

(Romasi)

Rogério Martins Simões

 

Esta é a noite

Do casamento

Entre a violência e a inocência

Entre a granada e o camarada

Porque o sangue que corre

É uno

Com o ferro

Dos estilhaços da metralha.

 

7/10/1974

 

 (memórias do poeta - Vietnam)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

11.04.17

000802_c577_0027_csls.jpg

 

PARKINSON e a LIBERDADE (E porque hoje é dia de Parkinson

Rogério Martins Simões

 

Atravesso uma agonia maior, maior que a mais inquebrantável e triste incerteza: A Parkinson que me quer derrubar é a mesma que ainda não me venceu.

Lucidez não me falta para medir esta desmensurável criatura que, só de nome, se apoderou de mim. A pessoa em si não tem culpa, até se poderia chamar ROMASI.

Foi nesta mistura de letras aglutinadas que me revi, quebrando o rigor do meu nome, e me escondi, furtando-me aos inquisidores das palavras discordantes e aos amantes das noites tensas…

E foi assim que agarrado aos meus poemas corria para as ruas contrárias onde havia sempre uma cave, ou uma escapatória, que me levava ao encontro dos cantos proibidos da Liberdade.

Por vezes nem tempo havia para escapar ao banho certo, com que marcavam os “panfletários”para, logo a seguir, os acorrentarem às palavras.

Hoje, esta aberrante e tão lapa doença não me larga. Porém alarga a perceção de mim quando nem a meu pedido se não presta a desertar.

 

Sabes? “Quando os ideais desgastaram as nossas vidas

sofremos mais ao não vermos nada”...

 

Romasi era eu! E eu era tão feliz sem Parkinson.

 

Meco, 10/04/2017 23:10

Hoje porque é dia de Parkinson, desejo a todos os meus companheiros que mantenham a coragem de lutar pela vida, pela cura. Estejamos todos atentos à força dos interesses económicos em jogo.

Sabiam que a cirurgia de estimulação cerebral profunda, já existe em Portugal desde o ano de 2002. http://www.dn.pt/ciencia/interior/sintomas-do-parkinson-regridem-com-minuciosa-cirurgia-de-estimulacao-cerebral--4503084.html

“A cirurgia de estimulação cerebral profunda, realizada desde 2002 em Portugal, é como alargar um fato que está apertado. Segundo o neurocirurgião do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) Manuel Rito, este procedimento pode fazer com que os sintomas dos doentes de Parkinson voltem cinco ou dez anos atrás no tempo, reduzindo também a medicação da qual estão dependentes.”

http://jornal.usp.br/ciencias/ciencias-da-saude/estudo-com-antibiotico-deixa-controle-do-parkinson-mais-proximo/

http://agencia.fapesp.br/antibiotico_doxiciclina_pode_ser_esperanca_no_tratamento_do_parkinson/24835/

http://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/antibiotico-deixa-controle-do-parkinson-mais-proximo-20976872.html

https://zap.aeiou.pt/cientistas-descobrem-engano-antibiotico-antigo-pode-tratar-parkinson-150575

https://www.publico.pt/2016/11/30/ciencia/noticia/o-que-e-que-as-bacterias-dos-intestinos-tem-a-ver-com-a-doenca-de-parkinson-1753224

http://www.saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/pesquisador-da-usp-descobre-por-acaso-antibiotico-que-age-contra-o-parkinson/

http://salud360.cienradios.com/parkinson-investigan-un-antibiotico-que-podria-curarlo/

http://bandnewstv.band.uol.com.br/videos/ultimos-videos/16160621/pesquisadores-estudam-antibiotico-para-barrar-avanco-do-parkinson.html

ETC ETC ETC

Temos todo o direito de saber a razão para não noticiarem as recentes e não dispendiosas possíveis curas da doença de Parkinson que nos chegaram do Brasil e que foram publicadas em revistas da especialidade.

Coragem para todos,

Rogério Martins Simões

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

04.04.17

Colagens.jpg

 

SIGA A FESTA

Rogério Martins Simões

 

Continuo a pensar que a promoção deste quase abandono das terras do interior – da Beira Serra – foi, e é um grave erro político.

Quem conhece a Pampilhosa da Serra sabe que a maior parte da população é constituída por idosos. Quem lá vive, e conheceu o "antigamente", repara, apesar de algumas melhorias levadas a termo pelas Comissões de Melhoramentos e pela Câmara Municipal, que a juventude tende a "fugir", como sempre…

 

O desenvolvimento de um turismo "de ar puro", de "pura água cristalina", irá ter no futuro um enorme incremento e a Beira Serra tem todas as condições para ser um dos locais preferidos.

Mas um desenvolvimento não se pode fazer sem ter em conta a preservação dos sinais, dos locais, dos vestígios culturais de um povo. Perdoem-me: fico muito triste ao ver casas medievais arrasadas sem intervenção arqueológica. Salvaguardando a existência de carta arqueológica do concelho, que desconheço; considerando as notícias e os documentos históricos que nos dão conta daqueles locais terem sido povoados por povos primitivos, uma questão paira na minha cabeça: onde para o espólio arqueológico do Concelho? Talvez o defeito seja meu – tenho participado desde 1961 em trabalhos arqueológicos nomesadamente medievais e olho os sítios de uma maneira diferente.

Talvez me preocupe demasiado… com estes assuntos. Porém, tomem a devida nota: daqui a alguns séculos haverá pelas serras grupos de arqueólogos a procurarem o que indevidamente destruíram, deixaram destruir e irão destruir.

Não se culpe o povo! O povo que não dá valor a cacos velhos partidos.

- Ainda que fosse algum tesouro!?

O maior tesouro da Pampilhosa está no seu povo e nos sinais da sua presença – na sua riqueza cultural que se vai definitivamente arrasando.

Deixando estas considerações o Concelho da Pampilhosa da Serra carece de mais infraestruturas, de estradas sem curvas a ligar às grandes redes viárias. O Concelho na Pampilhosa da Serra, a Beira Serra, apesar de ser o pulmão de Portugal, e fonte quase inesgotável da água que abastece Lisboa e não só, não foi, nem é compensado, bem pelo contrário: é simplesmente votado ao abandono. Mais uma vez lhes digo: virá o dia em que a água terá mais valor que o então extinto petróleo e o ar será disputado pelos povos.

O Lar da Santa Casa da Misericórdia da Pampilhosa da Serra e a fixação de idosos às suas velhas aldeias é um exemplo a seguir e a fomentar. Existe acompanhamento e assistência no domicílio a idosos que, assim, continuam ligados às suas aldeias. Seguindo esta ideia, sabendo e conhecendo que muitas aldeias já estão abandonadas definitivamente, penso que poderiam ser apoiadas, essas aldeias e esses lugares, criando condições de vida para lá morarem os idosos que quisessem em vez de os colocarem em "silos". Falo concretamente em habitações - casas individuais ou coletivas com todas as condições. Falo em disporem de equipamentos de lazer, falo em investimento e em criação de postos de trabalho.

Dou mais uma vez o exemplo da aldeia onde meu pai nasceu, a PÓVOA. Os idosos que por lá vivem são bem mais felizes que os colocados em lares da terceira idade: Mulheres e homens jogam às cartas na casa do povo, semeiam e cultivam pequenas hortas próximas de casa e, agora que finalmente o Governo "acordou" para a injusta perseguição aos produtos tradicionais, talvez possam voltar a criar alguns animais para consumo caseiro, como sempre o povo criou.

Talvez volte a "petiscar" uma canja de galinha ou uns torresmos sem serem de "aviário".

Esta é a mensagem que vos quero deixar, num tempo de festas de verão, num tempo de aldeias e casas cheias. Pena que seja curto e novamente o povo trilhe os caminhos da diáspora.

Mas os tempos são de "mudança"! Siga a festa!

Lisboa, 5 de Agosto de 2008

Rogério Martins Simões

 

(Este texto foi escrito em 2008 e publicado na Pampilhosa da Serra)

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

02.04.17

IMG_4137_tonemapped.jpg

 

PERSEGUIÇÃO

Rogério Martins Simões

 

Não! Não me soltem as letras destes versos

Nem me pendurem num tempo breve

Basta o que não escrevi, e chorei,

Tudo se alagou no que não sei...

Que Deus te perdoe

E que seja leve.

 

Não! Não me prendam nas letras dos versos,

Deram-me setas afiadas na ilusão:

Ligeiras e tão lestas.

Quem lhes afiou as arestas?

Quem me retalhou o coração?

 

Não! Não me soltem as letras destes versos.

Nem a insensibilidade de quem se atreve

A distorcer, sistematicamente, a razão…

Antes tivesse perdão.

 

Que Deus te perdoe e te leve.

 

Lisboa, 28 de abril de 2011

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub