Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

16.09.17

Woman holding red roses 1.jpg

 

Seios grandes e olhar de marfim...

Rogério Martins Simões

 

Quando o riso fazia parte de mim;

Eu era a felicidade.

Se uma cotovia, apressada,

Passasse por meus olhos num relance;

Se ela sorrisse,

Eu disfarçava:

Prendia os meus olhos ao chão...

 

Envergonhado,

Mas atrevido,

Gostava de me transformar em passarito...

E lá ia eu aos saltitos,

Olhar gaiato, mas bonito,

Em busca de mais um sorriso.

 

Era um tempo de fadas,

De bruxas, de princesas,

De bichos com sete cabeças,

De estórias deliciosamente bem contadas,

E escutadas,

À luz do candeeiro.

 

Quando a manhã acordava,

Despontava em mim aquele sorriso maroto:

Um olhar de lado,

Apaixonado, e curioso,

Pelas meninas, mais velhas,

Que desdenhavam a minha precoce paixão...

 

Depressa consegui uma namorada

Que, todos os dias,

Fixamente me olhava:

Tinha uns seios enormes

E um olhar de prata.

E sorria!

Sorria quando a fechava,

E a fixava,

- Presa por pioneses -

À parede fronteira do meu antigo quarto.

 

Estou a ficar velho!

Reparo, agora, que a vejo assim:

Seios grandes e olhar de marfim...

 

28-01-2010 20:13:39

 (será incluído no próximo livro)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

12.09.17

MÃE.gif.jpg

 

Mãe

Rogério Martins Simões

 

No passado Domingo, 10 de setembro de 2017, quando a fui visitar ao Hospital da Universidade Coimbra, onde a minha mãe deu entrada, depois de ter sido assistida na Unidade de Cuidados de Saúde continuados da Pampilhosa da Serra, e nada mais ali poderem fazer. Estive mais de duas horas a falar consigo enquanto a mãe parecia dormir.

Ainda me pareceu que escutava, apesar de me ter apercebido que se encontrava muito pior de saúde. E foi naquele tempo em que estive junto e tão perto de si, minha mãe, que senti que me afogava com o peso das minhas lágrimas.

Foi nesse dia quando o seu estado de saúde se agravava, e quando consigo falava sem aparentemente me ouvir, que lhe repeti o que desde sempre lhe disse: Gosto tanto de si, minha tão querida mãe.

E no tempo em que estive junto de si, procurando suster as lágrimas que espreitavam, que lhe pedi perdão por qualquer coisa perdida no tempo, e lhe agradeci tantas voltas que deu à vida para me ajudar.

Por vezes bastava telefonar-lhe e passado pouco tempo tudo se tinha normalizado. Que poder Deus lhe deu, minha mãe. Afinal nem é preciso aprender a ler e a escrever para se falar, como a mãe sempre o fez, com o seu Deus ou com a terra-mãe que nos dá ou tira a vida. Por isso lhe digo: terá sido por acaso que, quando veio para Lisboa, a mãe conseguiu trazer consigo a sua aldeia à cabeça.

Sim, o pai tinha uma memória e uma inteligência invejável, porém por detrás de um grande homem estará sempre uma grande mulher e essa foi a minha mãe, uma enorme, nobre e extraordinária mulher.

Recordo que muito brincava com as situações mais embaraçosas, por isso transformava os espinhos em rosas. Não foi assim minha mãe?

Finalmente e por saber que neste momento deverá estar a ser submetida a uma perigosa operação, QUERO AGRADECER  A VIDA. E por não lhe ter lido este meu primeiro poema que lhe escrevi em 1967 aqui, em carta aberta, o deixo talvez na esperança de ainda ter a oportunidade de me ouvir dizer assim:

mãe

Rogério Martins Simões

 

Da semente da sua boca

Uma imagem

Subtil de encanto

Como as águas

Límpidas da fonte.

No silêncio

Da sua dor:

O espelho da eterna

Ternura de mãe.

1967

 

De novo, e na minha poesia mais recente, escrevi um outro poema para mais uma vez agradecer a vida. Com este poema pretendi recuar ao tempo em que me trazia consigo na barriga. Nasci em 5 de Julho de 1949 e terá sido assim:

 

FOI NUMA MADRUGADA DE JULHO

Rogério Martins Simões

 

Foi numa madrugada de julho:

Quando as estrelas

Se juntaram nos céus;

Quando o sol teimava

Em não arrefecer a noite,

E a lua irradiava

Confundindo

As mãos dos namorados…

 

Andava embalado

No colo de minha mãe.

E serenamente escutava,

Na fusão das águas,

O canto ameno que me embalava.

 

-Lembra-se minha mãe

Dos pontapés que eu lhe dava?

 

-Recorda-se minha mãe

De me ouvir chorar,

Quando sem ver

Me reconfortava

Passando docemente

A sua mão na barriga.

 

Ai como eu me sentia feliz

Com as suas carícias.

Ai como era feliz

Escutando o seu cantar.

 

Foi numa madrugada de julho

Quando a lua espreitava;

Quando a mãe terra me chamava;

Rompi as águas:

E tinha à espera estrelícias

Majestosamente

Espalhadas por seu corpo…

 

Foram tempos luminosos

Quando a natureza me pariu

E me trouxe de volta os olhos

Com que abracei, de novo, o Sol.

 

Lisboa, 29 de Janeiro de 2007

 

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

(Registado no Ministério da Cultura

Inspeção-Geral das Atividades Culturais I.G.A.C. Processo n.º 2079/09)

 

Mãe, enquanto escrevo a mãe deverá estar na mesa das operações. Por isso, mesmo sem me ouvir, apesar do enorme risco de vida que corre, só espero que tudo corra bem. Perdoe-me minha mãe mas não tínhamos maneira de evitar essa intervenção cirúrgica.

Por isso, e enquanto não posso falar consigo, vou deixar aqui algumas referências a si, para quem as quiser ler:

Falando de mãe, a minha é de facto um exemplo a seguir e que eu jamais esquecerei. Quando nasceu, em 1925, as mulheres não podiam estudar nem votar. Minha mãe trocou a Beira Serra – A Malhada – Colmeal, pela cidade de Lisboa.

A luta pela vida era tremenda! Levantavam-se pelas 4 horas da manhã, apanhavam o elétrico que os levava à Praça da Ribeira onde se abasteciam de legumes com que governavam a vida no mercado de Santa Clara. Era um tempo em que aqueles mercados pululavam de gente; em que os espaços reservados aos pequenos comerciantes (lugares e pedras) eram disputados e bem pagos nos leilões do Município de Lisboa.

 Antes trabalhar carregando duas sacas cruzadas à cabeça que andar a carregar mato e a passar fome, dizia minha mãe.

Minha mãe foi, e é uma mãe exemplar como muitas que viveram, e vivem, tempos difíceis.

Foi a minha mãe que me valeu desde 1970 até 1986 – sempre a caminho do hospital onde todos os anos era internado com problemas graves de saúde. Daí este poema:

 

ESTRELAS PARA SI, MINHA MÃE

Rogério Martins Simões

 

Mãe que não sabe ler nem escrever,

Mas conhece bem todos os meus ais.

Mãe que bem cedo teve de sofrer.

Mãe que tanto nos deu e tanto me dais.

 

Mãe! Por que não a deixaram aprender,

Se está sempre tão atenta aos sinais.

Mãe que doando me ensinou a viver,

Para que amando nos amemos mais.

 

E se o amor é o néctar da poesia,

Minha mãe, lhe dedico neste dia,

Estes sentidos versos do meu amar.

 

Mãe passe-me as suas mãos pelo meu peito,

Que este seu filho até já perdeu o jeito:

E tinha tanta estrela p´ra lhe dar.

 

Campimeco, Meco Café, 02/03/2016 22:14

 

E este mais antigo:

 

BEIJO AS SUAS MÃOS MINHA MÃE

Rogério Martins Simões

 

Mãe

Disse-me um dia a sorrir,

Que tantas noites a chorar,

Sem dormir,

Que me ia acariciar.

 

Mãos suaves

Embalando docemente

Meu berço.

E na sua boca um cantar

Cânticos ternos de embalar.

 

Ventos da mudança

Oh! Como os tempos

Não mudaram para si, minha mãe

Apenas se alterou o rosto.

 

Mãe!

Essas suas mãos doridas

Foram o sal das nossas vidas!

Beijo as suas mãos minha mãe.

1973

Depois, em 2002, mais ou menos, apareceu-me esta Parkinson.

Minha mãe passou a partir daí  a chorar e a rezar para que um milagre qualquer se dê.

Faz-me tanta falta minha mãe.

 

QUISERA ANDAR DE CARROSSEL

Rogério Martins Simões

 

Quisera andar de carrossel

Com um sorriso de criança que ri

Rosto rebuçado, melaços de mel

Laivos da festa que resta em ti…

 

Num dedo prendo o balão,

Com outro seguro o corcel

Soco a bola com a mão

As mãos, o rosto e a testa

Besunto-me todo com mel.

 

Solta-se dos dedos o balão

Que voa a caminho do céu

-Mãe! Vai-me apanhar

Um sorriso igual ao seu…

 

-Meu filho a mãe não sabe!

Ler, nunca aprendeu:

A mãe vai procurar

O balão que se perdeu…

 

-Mãe que sabe escutar,

Meus choros em seu coração

Abençoada o seja minha mãe

Por tudo o que foi e me deu!

 

Rodopiam as lembranças da festa

Para o movimento ondulante

Sujo-me de novo a cada instante…

Sem rebuçados com sabor a mel

Mas… Brinquei tanto no carrossel….

 

2005-10-20

 

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

 

Termino aqui este diálogo da minha alma.

Mãe, o peso deste meu sofrer é tanto que me afogo em lágrimas

Até já minha doce e tão querida mãe

Deste seu filho mais velho:

Rogério Martins Simões

Meco, Campimeco, 12/09/2017 04:26:46

Poemas de amor e dor conteúdo da página

05.09.17

World Press Photo Contest 2004.jpg

FOTO DA : World Press Photo Contest 2004

 

Este poema foi escrito por mim em 1968. Também fiz parte daqueles que se voluntariaram para tentarem minimizar os danos provocados pelas enxurradas e o que vi foi mesmo muito triste.

CONTRASTE

Rogério Martins Simões

Romasi

 

Era imponente

E erguia-se majestoso

Naquela verde colina.

 

Era miserável

E perdia-se na sombra

Do colossal palacete...

 

Havia fortuna,

Luxos, aparatos,

Grandes riquezas.

 

Havia fome,

Desgraça,

Amarguras sem fim.

 

A chuva caiu.

Os canos a escoram

E no palácio

Os senhores continuaram a dormir...

 

Mas a chuva não pára,

E continuou a cair.

 

A lama escorregou!

A chuva passou

E foi a desgraça

Somente por lá ficou

O local da barraca

E o grande palácio...

25/09/1968

 

 

 

- Menino cor de lama

Porque quem toca o sineiro?

-Foi a água que me atirou da cama

Pela encosta do ribeiro.

 

Rogério Martins Simões

20/07/2005

Poemas de amor e dor conteúdo da página

01.09.17

IMG_0152.JPG

 

PALAVRAS, SÓ PALAVRAS

Rogério Martins Simões

 

Palavras, só palavras,

Com muita falta de palavra,

Irremediavelmente pequenas;

Invariavelmente infelizes.

 

Cumpram-se as últimas vontades:

Evasivas, afogadas, queimadas.

Serenamente cansadas…

Palavras ditadas em silêncio

Quando as palavras

Eram maiores que o respirar…

 

Meco, 28 de Dezembro de 2016

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub