Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

24.11.08

 

 

 

UM SORRISO DE TERNURA
Rogério Martins Simões
 
Um sorriso tanto de candura
Aberto, secreto e luzidio
A beleza que em ti irradia,
Formosa discreta e segura
 
Mas se uma lágrima te cai,
Manhã cedo espreitando o rio…
Leve, leve, como a neve fria,
Tão breve, logo amanhece
Na solidão do dia-a-dia,
Segredos da desventura
Que só a tua alma conhece.
 
Vai! Solta a amarra
Dá liberdade à ousadia
Deixa que ela te traga
De volta a tua alegria.
 
E um sorrir de ternura
Aberto, liberto e atrevido…
A beleza que em ti irradia,
Formosa, discreta e segura.
 
31/08/2004

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

09.09.08

  

 

 

 

 

 

 

PÁRA
Rogério Martins Simões
 
Segredaste-me tantas palavras,
Esta noite meu amor,
Quando no quarto imperava o silêncio!
E disseste tantas coisas,
Em silêncio,
Que nada ficou por dizer!
 
Tu sabes que eu gosto do silêncio!
De respeitar o silêncio,
Mesmo que ele incomode.
 
Incomodam-me
Mais os estados de “não alma”,
Que perturbam o silêncio,
Com palavras ditas de forma não calma.
 
Eu sei que não conheces
As “não palavras:
Que me ferem os tímpanos,
Que não acalmam!
Que me pulverizam o silêncio
Aniquilando o alento!
Que me cortam a respiração
E me deixam frustrado,
Cabisbaixo,
Adiando ou extinguindo
Para sempre a inspiração!
 
Que génio teriam os poetas
Se lhes parassem a respiração,
O pulsar e a pena?!
 
De que forma?
Com que sentido,
Teriam estas palavras,
Se as minhas palavras
Fossem desprovidas de qualquer sentido.
 
Sentidas foram as tuas palavras
Quando me disseste,
Sem falar,
Estas palavras:
Pára de escrever!
Porque as palavras te fazem sofrer!
Pára, vem descansar!
Para o corpo retemperar!
 
Mas meu amor
O meu descanso
Está nas palavras que não comando!
E se sofrer eu sofro
Escrevendo
Pior sorte seria
Não escrever chorando.
 
17/05/2004
Poemas de amor e dor conteúdo da página

01.07.07



Olha o Amolador!

Rogério Martins Simões

 

Sete notas no ar hoje ecoaram!

O pregão do Amolador anda no ar.

Por todas a casas se procuraram

Tesouras e facas para aguçar.

 

Despertou em mim a curiosidade

Fizeram-me recordar as tradições

Passado recente da minha cidade

Lisboa, de encantos e de pregões!

 

Mas o som da flauta era sonante...

Anunciava a chuva e a tempestade,

Incómoda, enfadonha e marcante

Agora ao recordar sinto saudade!

 

9 De Agosto de 2004

Poemas de amor e dor conteúdo da página

16.06.07

 

(Foto pública no sapo)
Segredos de Lisboa
Rogério Simões
 
Lisboa é linda mas tem segredos!
Perto do rio, correm para o mar
Por uma intemporal porta secreta
Eu vi as pernas, as mãos e os dedos,
De um velho amolador a amolar,
Numa simples roda de bicicleta.
 
Tinha uma pedra para afiar!
Tinha um pedal para pedalar!
Um corno pendurado para untar,
(E ao mesmo tempo para dar sorte)
Chaves de fendas para fixar,
Panelas e ferramentas de corte.
 
Escutei sete silvos de flauta no ar!
Dos contos que só contava ao serão.
- Já não tenho tesouras para aguçar!
Nem uso facas de tipo ameaçador.
- Olha o amolador! Olha o amolador!
Chove! Neste dia quente de verão.
09-08-2004
Poemas de amor e dor conteúdo da página

18.01.07

 

Rogério Simões

 

3 meses

(5/7/1949 - 5/10/1949)

 

 

 

 

VOLTEI!
 
(Rogério Martins Simões)
 
Venho dos limites do tempo
De uma galáxia qualquer
Já fui mar, já fui vento
Agora sou pensamento
Aparado em dado momento
No ventre de uma Mulher!
 
Meu corpo é magistral!
Brutal! Perfeito! Soberbo!
De início não era verbo
Agora sou o verbo ser
 
Tenho comigo segredos
Segredos do universo
Transporto no corpo recados
Escrevo em forma de verso.
Venho dos limites do tempo
Não sei o que fui e sou:
Deserto? Nascente?
Já fui Norte, já fui Sul
Pó astral, mar azul!
Luar, estrela cadente.
 
Eu me vou!
Partirei num cometa qualquer
E serei novamente pôr-do-sol.
Cor-de-rosa, aloendro, malmequer!
 
Voltei...Já cá estou…
Agora sou pensamento
Nascido em dado momento
Do ventre de uma Mulher!
 
23-09-2004 18:39
Aldeia do Meco
 
(Este poema foi gravado em MP3 pelo Luís Gaspar nos Estúdios Raposo – para o programa “Lugar aos novos” – e pode ser copiado seguindo o link no lado direito.

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

10.12.06


 

 

 

 

 

 

 

(Óleo sobre tela Elisabete S. Palma)

 

 

 

 

 

O MAR ESTÁ CALMO!
Rogério Martins Simões
 
O mar está calmo
Na onda até se rema
O céu está azul
No chão até se ama…
O peixe não pica
Picam as gaivotas
Que lembram gaviões
O mar está azul
A areia é de oiro
O oiro nem é riqueza
Qual é o maior tesoiro?
É a mãe natureza!
 
30-09-2004 19:28:45
Aldeia do Meco
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

02.11.06

(Óleo sobre tela Elisabete Sombreireiro Palma)

 

Regressaram as papoilas

Rogério Simões

 

Do Alto, ao Baixo Alentejo,

Regressaram as papoilas vermelhas

Ao chão seco pastorejo

Num tapete debruado, a Arraiolos,

Que se estende num manto,

Ondulado, como ovelhas,

19-04-2005 18:34

Poemas de amor e dor conteúdo da página

26.10.06

 

(PampilhosÓleo sobre tela Elisabete Sombreireiro Palma)

RESPIRO POESIA
Rogério Simões
 
Respiro a poesia
Como este puro ar
Que alimenta a alma
E regenera o corpo.
Vem oh inspiração!
Em ti me encorpo:
Sou galé a navegar!
Puro sal misturado no copo:
Musa do meu versejar
Leva a ode até ao topo.
 
Vou partir
Descobrir povos e marés
Fui marinheiro
Sou poeta,
Porto de abrigo,
Arca da aliança
Cantem sereias,
Portos e galés
Corre a poesia
Nas minhas veias.
 
30-09-2004 23:28:59
Aldeia do Meco
(Poema dedicado ao Poeta Daniel Cristal) 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

28.06.06

 

 

 

 

Olhem Para Mim
Rogério Martins Simões
 
Olhem para mim,
Que o tempo tem razão
(hoje não!)
Há momentos
Em que o tempo pára
Como esta noite
Em que as estrelas do céu
Me falam de poesia.
 
E meus versos viram veleiro
Nada os impedem de viajar
Levam no mastro dianteiro
Este Tejo Marinheiro
Este Tejo feito mar
 
E o mar Oceano vira poema
Leva consigo o meu versejar
Este Tejo Mar de Prata
Carregado de Luar.
 
Amo a poesia,
Preciso dela para respirar
Tenho no peito Lisboa
Levo comigo Pessoa
E a saudade para voltar.
 
E já fui na caravela
Viajei por outras Nações
Agora que regressei
Avisto da minha janela
Estas terras de Camões.
 
Olhem para mim
E vejam como sou feliz!
 
14-11-2004 23:36:31

 

 

 


 

 

(Óleo sobre tela

Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

11.08.04

Fénix
Rogério Simões
 
Nestes dias que passam a correr,
Sem sentir,
Nestes pedaços de tempo velho,
A renascer,
Reaparece a vida
Nas folhas novas a nascer,
Nas flores lindas por abrir.
Porém,
Tudo se acaba por varrer:
Todos acabamos por sofrer
Pelo que há-de vir.
E eu que nada sei,
Por nada ser.
Em cinzas vou partir
Das cinzas renascer!
 
1/08/2004
Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub