Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

1000 sonetos AVSPE convite aos poetas

 

 

 

 

 

 

 

 



 

Efigênia Coutinho

Presidente Fundadora

Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores

 

www.avspe.eti.br/

 

Convida todos os poetas a participar neste evento “1000 SONETOS.

Tema livre.

 

Mande 5 sonetos escritos por si para:

 avspe.academia@gmail.com

 

Selo comemorativo 1000 SONETOS

Para todos que desejarem colocar em suas WEB

e fazer o Link da página abaixo

estão autorizados.

Efigênia Coutinho

Presidente Fundadora

 

 

www.avspe.eti.br/sonetos/indice.htm

 

E CONVIDE SEUS AMIGOS,,

envio até dia 30/10/2009

Efigênia Coutinho AVSPE

 

http://www.avspe.eti.br/sonetos/convite.htm

 

http://www.avspe.eti.br/sonetos/indice.htm

 

 

 

 

 



 

 Efigénia Coutinho

 

SINA
Efigênia Coutinho
 
 
A' tardinha quando Phebo já declina
ungida de ternura e suavidade, eu me
ponho a cismar, sem que me enfade,
na escravidão de amor, que é minha Sina!
 
 
E sobre o astro Sol, parece que reclina
um Deus soberbo da pagã Hellade...
outro não tem maior virilidade...
nem se iguala em graça masculina!
 
 
Então apresso-me a venerar seu vulto,
e, enquanto o coração repica o sino
meus lábios ofertam preces de culto!...
 
 
Sonhar assim é meu prazer supino,
e dentro deste templo vibro e exulto,
se devota de ti eu me imagino!...
 
 
Balneário Camboriú
27 - 2 - 2006...
 



 



 

Armando Figueiredo

 

 

 


Reencarnação
 
Daniel Cristal
 
 
Preciso de outro corpo que sustenha
o brilho da firmeza, tida outrora,
e que guarde esta alma com a senha
duma senda vivida nesta hora...
 
Preciso de emigrar, de transumância,
de nova encarnação num outro corpo,
porque este já não firma a elegância,
e a um fácil desafio cai de borco.
 
Preciso de dizer um obrigado
a todo o amigo-companheiro,
e despedir-me assim do ser amado...
 
Irei voltar na forma de um obreiro
que continua a obra inacabada,
recordando a senha decorada.
 
2007.Portugal
 
 

 



 

 

Rogério Simões

 

Meco 2009

 

 

SOFRER POR AMOR
Rogério Martins Simões
 
Sofrer por amor é dor que arde.
Na carne, essa dor, será mais sofrida.
Sofrer por amor não se retarde,
Mais tarde essa dor será mais sentida.
 
 
Não há dor que por prazer se guarde.
Guardo a felicidade que levo da vida!
Mas se essa dor chegar mais tarde,
Se tarde e guarde para depois da ida.
 
 
E se Deus quiser que morra de amor,
Me leve desta vida em primeiro lugar,
Prefiro morrer que viver nessa dor.
 
 
Perguntem à alma se prefere ficar.
Decerto irá dizer ao corpo que não.
Então, subitamente, que pare o coração.
21/04/2005

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

FUTURECER

 

 

 

Esta é a minha homenagem a um dos grandes poetas vivos da língua portuguesa: Seu nome Armando Figueiredo, português, que escreve utilizando variadíssimos pseudónimos.
 
Meu querido e amigo poeta,
Perdoe-me, o amigo pregou-nos um grande susto! Sei que nada quer que diga, digo apenas que estivemos consigo no nosso pensamento, nas nossas preocupações. Estamos felizes agora que regressou e que se refaz do susto.
Um abraço deste seu amigo,
Rogério Martins Simões
 
Amigos, que gostais de poesia, deixo-vos com belos poemas deste enorme poeta “futurecido”

 

 

 

 

 

FUTURECER
Eugénio de São Vicente


Depois da tempestade, virá a bonança…
Como gigante feroz que um dia amansa,
Vivemos, não há dúvida, a esperança
De que da tempestade surja a mudança!

Há milénios que dura o raio da morte,
A iniquidade, o ódio e o desrespeito
E nós mereceríamos melhor sorte
Do que haver tanto ódio dentro do peito!

O tal Futurecer será a míngua
Do nosso rodopio – a grande busca
Desse Amor eterno que é sob a língua
E ainda não brotou… e nada custa!

Há-de desabrochar – ângulo recto
Daquele eterno arcanjo – um novo feto!




AINDA FUTURECER

O futurecer é assim como o amanhecer!
Um amanhecer feliz e contradito…

É amar ao presenciar uma pessoa
Qualquer uma com todas no coração

O futurecer é uma nova madrugada
Desejada ansiada esperada radiosa

São raios de luz a despertar o sono profundo
De todas as cegueiras
De todas as alienações
Dos alheamentos perniciosos, preguiçosos

É o amanhecer do novo mundo
Esse que não vem… que tarda a chegar,
Crisálida angustiada num ovário
Morta por despertar.

Março, 2003



FUTURECER

Já cumpri, amigos, todos os invernos
E todos os estios e todos os cios.
Cumpri, assim, amigos, todos os infernos
Vossos e meus, nas devidas gerações...

Gozei as praias, gozei montanhas
Gozei, ao lado vosso, toda a vida...
Assumi as dores do coração e das entranhas!
Perdoai, companheiros, algumas perdas
Acontecidas nesta lida!

Estou cansado, amigos, e quero do zero recomeçar
Ou, para ser sincero, parar para sempre numa ermida!
Estou desolado do amor, perdido na memória!
Estou fraco e esmorecido da paixão!
Nem sei se, de mim, ficará alguma história...

Nem isso importa, amigos, fique a negação!
A negação de tanta futilidade
A negação do Amor que nunca chega...
Pois, eu irei desta para a eternidade
Mas levo-vos, isso levo!, no coração
- um coração bem pulsado sem idade!
.
2003-06-12



É POSSÍVEL FUTURECER

Que feliz eu sou! Descobri finalmente que é possível
Futurecer. Tão possível como possível é nascer,
crescer e ser e agir amando…
Possível, sim, é futurecer, não só de quando
em quando
Mas continuamente… É possível viver amando
A futurecer segundo a segundo,
Tal e qual como sermos iluminados pelo amanhecer da aurora
Outrora… agora… em qualquer hora
presente ou futura,
Na escassez e na fartura!


Tão fácil foi descobrir o futurecer do teu ser, dado no meu ser,
Com a magia da alegria num sorriso que afinal era o teu
E também meu. Uma descoberta tão simples que aferiu
O valor da chama do teu calor!

Foi autêntico amanhecer dum botão em flor aberto por amor.
A abertura permanente no sorriso nosso: o que perdura!
E nem é preciso, oh, que bom, nem preciso é: ser preciso
Por ser uma animada
e contínua postura!

Quem diria?!… uma flor aberta, aberta à flor
numa única sutura dum prazer vário!

Que alegria amanhecer no futurecer diário
Alimentado pela flor aberta no amor de cada dia!

Tão bela, tão odorífera, tão presente e futura
Permanecendo a estrela que nos guia
Ou a postura que perdura!
.
2003-08-13



RONDEL FUTURECER

Hoje futureceu na aurora um mundo novo:
Foi aviso do Futuro num presente obtuso!
Hoje, é dia especial p’ra mim, porque o povo
Anda confuso à espera dum aceno luso...


Do aceno liberto, diferente e difuso,
Que é a gema incutida de novo no ovo...
Hoje futureceu na aurora um mundo novo;
Foi aviso do Futuro no presente obtuso!


É o regresso à origem na qual eu me movo:
Extirpação do mal e causa do abuso
Que confunde a pomba com o negro corvo
E impede a criação doutro ansiado fuso.
Hoje, futureceu na aurora um mundo novo!


Versado na Arte Maior
(hendecassílabos)


FUTURECE


Futurece quando a mão
com cinco folhas de seda
afaga a criança carente
ou o menino doente

Futurece quando há cura
prá depressão adolescente
ou sempre que se enternece
o jovem que amadurece

Futurece quando o adulto
perdoa a traição ultrajante
seja de qualquer irmão
seja duma vil amante

Futurece quando o idoso
se sente dorido e pário
e pela fé é curado
no Amor sem fim e vário...

Agosto de 2003

 


 

EIA, CONCIDADÃOS!

O astro-rei nasce mais alegre e fecundo!
É um segundo contínuo... afaga o vale
acarinha o monte; todo o holomundo
futurece à visão humana e universal...
Vivemos no futuro.

Vivemos no futuro à visão da utopia...
Não há fome na criança nem a ânsia da ignorância;
não há guerra nem ódio; há risos de alegria...
Futurece o milagre da santa abundância!
Vivemos no futuro.

Vivemos no futuro, criado o novo mundo...
Sete estesias grávidas desabrochadas
no poder da utopia - é a ética onde abundo!
Onde afinal auguro certezas nadas!
Vivemos no futuro!

Agosto de 2003

FUTURECENDO


Hoje acordei com um sorriso
que se tornou o bom sintoma
da utopia que interiorizo
neste futuro que a todos soma

Futureceu por consequência
antes da aurora amanhecer:
é a mais feliz coincidência
do meu presente acontecer

Pois futureço durante o luar
antes do Sol aparecer
para alegrar e fecundar
este planeta a suceder

Vivo desta arte no meu futuro
o que é presença na existência
e sem jurar até murmuro
que é a construção da consequência.

26.08.2003



A BELEZA DUMA RUGA

.Que rosto lindo eu vi hoje, rugoso,
Tão fascinante qual o duma criança!
Continha o mesmo brilho radioso,
Continha a alegria pura duma dança...

É um brilho de amor por ser-se homem
E pela fé confiada na existência;
É como se o amanhã unisse o dia d' ontem
É como se o amanhã fosse a nossa essência!

Nos rostos deslumbrantes por que passas:
Um duma criança linda renascida
Ou a cara dum velho bem franzida
Reluz futurecida a acção de graças.

Pois, uma ruga é prémio incontestável,
É o colo mais feliz da transcendência!
E é assim que se é criança admirável,
E é assim que finda a vida em sapiência.

Net, 09.11.2003



Utopizar o Dia


Quando amanhece, já eu futurei
o futurecer! Auguro o futuro!
Ponho-me a futurar
o futuro outro imprevisto...
É um caso nunca visto,
prever o dia que não seja entardido
na espera oposta
ao habitual dia tardo porque tardio:
Antes do amanhar, começo sempre a milagrar
- a foz do mar a desaguar no rio
diluviando a mais bela utopia;
É uma esperança esperançada
no entardecer que nunca deu lugar à
noite;
uma voz cheia que se ri do próprio riso!
Prevejo-me sempre na espera duma noite
que nunca anoiteceu
ou duma ceifa repartida.
E assim me ponho a futurar o novo futurecer
na luz alucinada do pavio
dum fio fiado de breu.
Todavia nem o fio fiou
nem o mar desaguou.
Quando entardece
e tarda a luz do luar
ainda há uma esperança cheia de temperança
de que o rio seja mar
mas vai anoitecer certamente,
vai anoitar uma noite muito igual
ao fio que não foi fiado
com o mar estagnado...
Ah, quem me dera milagrar o futuro!
Esse futuro futurecido
que futura antes do amanhar;
Esse fio que deseja fiar
como uma cabeça a pentear seu mesmo pente
ou esse mar que quer brincar
como uma criança inocente.
E tenho pena, mas não perdi a esperança,
mau-grado a criança não ter brincado
porque o mar estagnou
e o fio de cada rio
também nunca futurou!

03.01.2004



FUTUREÇAMOS!

Aguardai a entrada do Futuro!
Antes do amanhecer ele acena
Com uma nítida auréola de apuro
Quaisquer iluminados desta cena.


Aguardai o seu aceno... não demora!
Basta serdes sensíveis à Pureza
Ou à simples natureza da Beleza
Ou à Mulher que amais e vos adora!


Aguardai na ansiedade... na sua crença!
Como uma prece à Mater-Natureza
Ou oração humilde ao Deus primeiro!


Porque o Futuro vem co'a Benquerença
Como uma bela crença na Beleza
Do Verbo Amar que foi nosso pioneiro!

30.12.2003



A INFÂNCIA FUTURECIDA


Canto-vos um milagre espontâneo!
E evoco a minha infância nesta hora:
É a hora de sonhar... ser consentâneo
Com a premonição que nos melhora.


A entrega ao respeito pela criança
- É estoutro o milagre do Futuro
No Presente, o milagre da infância:
Esse Futurecer que sempre auguro!


Nem um só tiro da espingarda!
Mudada esta acção por lauta festa
Com o mundo a dançar alegre em barda...


Mãos dadas, plenos risos, esta gesta;
Uma gesta marcando toda a História,
Rosas e cravos tecidos na memória.

02.01.2004
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

Venha o que vier

 

Poeta Daniel Cristal é poeta residente deste blog. Daniel Cristal é poeta português e mestre de poesia.

Ele sabe quanto o admiro e o que lhe desejo neste momento!

 

 

 

 

VENHA O QUE VIER

Daniel Cristal

Como eu te entendo amigo-companheiro,

como eu sinto a cruel dor duma amargura!

Também já atravessei com fartura

charcos de água bolor num atoleiro...

 

Entre muitos revezes enfrentados

tu vais usufruindo da vitória

com perdas e iguais ganhos numa história

que goza esta vida dos dois lados.

 

Aceitar a derrota e a vitória

como uma aprendizagem permanente,

torna qualquer pessoa independente

e deixa-nos felizes na memória...

 

No momento azarento tu dirás

pois venha o que vier nada me estraga

a vida... e até prescindo da adaga!

As coisas são tão boas quanto más!

 

E continua na senda do sucesso;

podes mesmo virar-te do avesso

e mostrar-lhe uma cara feita gesso,

mas agita a bandeira do progresso.

 

 

2007. Portugal

©ArmandoFigueiredo

 http://romasi.netpampilhosense.org/daniel_cristal.htm

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Coração de Cristal

 

 

 

 

CORAÇÃO DE CRISTAL

Efigénia Coutinho

 

 

Tenho um coração de Cristal
minha fonte pura de magia
rei de minhas noites de luar
aos tons suave duma cantoria.

 

Fonte cristalina que vida encerra

com sua  luz  engravida a terra
todo bem que em ti alcança
 do sonho, se  imortalize a senda!

 

Vem em mim  amoroso sonho

ânsias infinitas,  olor e desejo

palpitando rumores - teu beijo!...

 

Ó fonte cristalina que  corre cheia
que eu me desmanche alva e sonora
em  teu coração por dentro e por fora!

 

Balneário Camboriú
Maio 2008

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

A minha terra - DANIEL CRISTAL -CIRANDA EM DÉCIMAS COM QUADRA E GLOSA -

CIRANDA EM DÉCIMAS COM QUADRA E GLOSA

 « A MINHA TERRA»

Uma iniciativa do Poeta Daniel Cristal

 

 

 

(Foto da autoria de Fernando Pinto)

 

 

FURADOURO - OVAR

Praia da minha afeição
Do meu brincar de menino,
Vives no meu coração
A rir do próprio destino!

QUADRA DE MANUEL MENTARFA

(Poeta vareiro)
Glosada por Daniel Cristal

Não é só do Furadouro
mas também da sua ria
que a terra d' alegria
desenha com cor de ouro
signo emerso imorredouro...
Nunca traz a frustração
e conforta o coração,
esta praia conhecida:
Furadouro, cheia de vida
praia da minha afeição.


Mas além do Furadouro
gosto imenso dessa ria,
nosso espanto e alegria
que já acolheu o louro,
também o vencido mouro;
circundada pelos montes,
encostas com muitas fontes,
tem fértil planície aberta,
a eira ideal e certa
do meu brincar de menino.

O seu Museu e a Igreja
são seus belos monumentos,
mas há outros acrescentos,
esculturas de quem seja
símbolo do que almeja...
A faina é a emoção
amor de varina e pão,
ensejo de arte nativa
- o Entrudo que cativa...
Vives no meu coração.

O rio Cáster serpenteia
na nossa cidade alegre
e com a ria se agrega;
Tanto banha quão bronzeia
quem se diverte n' areia...
Em cima dum gordo suíno
No Carnaval faço o pino!
E ainda qu' aí troque o passo,
posso até ser um palhaço
A rir do próprio destino!

2008

 

 

(Um especial agradecimento à fadista, Ana Marina Correia, por me ter cedido diversos fados para colocar neste blog.

Que gesto tão bonito fadista Marina Correia! Como diz - nada é por acaso! Muita sorte e sucesso na sua digressão pela Suíça - Rogério Simões)

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

A minha terra - Alfredo dos Santos Mendes -Ciranda em décimas com quadra e glosa

CIRANDA EM DÉCIMAS COM QUADRA E GLOSA

 « A MINHA TERRA»

Uma iniciativa do Poeta Daniel Cristal

 


(Pintura de Tarsila do Amaral)

 

A MINHA TERRA

CIRANDA EM DÉCIMAS COM QUADRA E GLOSA

 

A poesia é a maior manifestação de arte que o ser humano dispõe para emoldurar o mundo. Poetas somos todos nós e até na guerra, na miséria há poesia, mas só é mesmo poeta quem nasce com o dom.

O verdadeiro poeta manifesta-se com a alma e se seguir as métricas e todas as leis na sua composição esta ganha foros de sabedoria aliada ao bem estar de quem os lê.

Armando Figueiredo, Daniel Cristal, Eugénio de S.Vicente e muitos outros heterónimos foi o poeta que organizou esta ciranda em décimas com o tema A MINHA TERRA.

Deixo ao leitor a apreciação deste grande documento de raro valor.

Victor Jerónimo

 

MOTE

de

Armando Figueiredo

 

CIRANDA COM O MOTE «A MINHA TERRA» - UTILIZE ESTA ESTRUTURA FORMAL : A DÉCIMA - ESCOLHAM UMA QUADRA PARA SERVIR DE MOTE NA FORMA DE QUADRA, E EM QUATRO DÉCIMAS (ESTROFES COM DEZ VERSOS), REPITA NO FIM DE CADA ESTROFE UM VERSO DO MOTE (PRIMEIRA QUADRA) PELA MESMA ORDEM.

 

POETAS

 Alfredo dos Santos Mendes,  Daniel Cristal, Célia Lamounier de Araújo, Benedita Azevedo, Carmo Vasconcelos, Humberto Rodrigues Neto, Mercília Rodrigues, Eugénio de Sá, Paulo Gondim, Rogério Martins Simões.

***

 

Seguem-se décimas  de Manoel Virgílio, Luiz Poeta, Efigênia Coutinho e um exercício poético de Lino Vitti

 

 

Querido Poeta Romasi,
agradeço muito as palavras elogiosas que me dedica, atribuindo-me atributos que não mereço, mas aceito-os por vir de quem vêm. Sou um Poeta em construção, e costumo chamar Poeta a quem sente a minha Poesia, porque reside na empatia todo o segredo e mistério das almas que se revêem num signo, num sintagma, numa composição, numa alegoria.
Pois bem, meu Amigo, edite a Ciranda, acrescida com o seu trabalho, que felicito neste momento como sendo uma composição que na companhia nos prestigiará a todos os que partilharam a iniciativa, que pela sua beleza excedeu todas as minhas expectativas.
Creio que ainda haverá mais um ou outro Poeta que irá enriquecer este espaço, e aguardo a sua remessa para acrescentar às já editadas.
Um abraço para todos com forte amizade e indispensável amor anímico,

Armando Figueiredo

Nota Final: 

Com a devida autorização, começa hoje a ser editada em Portugal esta linda Ciranda. Quero agradecer ao Victor Jerónimo por ter publicado as minhas décimas na sua bela página no Brasil e aproveito para reproduzir suas palavras.

Gostaria de colocar aqui, de uma só vez, toda a Ciranda. Porém, não é possível dado o tamanho dos poemas. Visto isto, inicio a divulgação da Ciranda com um muito obrigado ao Mestre Daniel Cristal e aos poetas aqui divulgados.

Rogério Martins Simões

 

 

(Baia do Seixal

foto de Romasi)

 

A MINHA TERRA

CIRANDA EM DÉCIMAS COM QUADRA E GLOSA

 

 

MINHA TERRA

Minha terra é o Seixal
Parece que tem virtude.
Acolhe a terceira idade
E apoia a juventude.


Quadra de: Germana M. Saúde
Glosado por: A. Mendes

Eu nasci juntinho ao Tejo,
Nas suas águas brinquei.
E quantas horas fiquei
Alimentando o desejo
De lhe dar um terno beijo!
Recitar-lhe um madrigal,
Mavioso, musical,
E lhe dizer com carinho:
Ó Tejo sou teu vizinho,
Minha terra é o Seixal!

Repara como é vistosa.
Olha bem a nossa gente.
O porte altivo, valente,
Dos seus costumes briosa,
Porém sempre carinhosa!
É toda solicitude
Ao tomar uma atitude.
Como sabe receber...
E como é bonito ver,
Parece que tem virtude!

Tem ares de realeza
Com cheiro a maresia.
Tem tanto encanto, magia,
Que creio que a natureza
Quis fazer dela, princesa.
Óh minha bela cidade,
Tu deves sentir vaidade
Da nossa Associação.
Que com amor e paixão,
Acolhe a terceira idade.

Gente ordeira dedicada,
Amiga do seu amigo.
Traz sempre o amor consigo
Para na hora indicada
Dar tudo, em troca de nada!
A adversidade ilude,
Com magnânima atitude.
Acarinha seus velhinhos
P’ra que não fiquem sozinhos...
E apoia a juventude!

Lagos, 3/09/01
Alfredo dos Santos Mendes

 



Poemas de amor e dor conteúdo da página

Com um cálice de vinho

(Mestre POETA

DANIEL CRISTAL,

Armando Figueiredo)

 

 

Com um cálice de Vinho

DANIEL CRISTAL

 

Um cálice de vinho celebra a vida
E trapaça a morte pela embriaguez!
Somos dois num só nessa taça erguida
E se juntarmos Baco então somos três.

Bebendo mais um cálice somos tetra:
eu, tu e o vinho, talvez mais o Baco;
o terceiro aquece e o quarto não peca!
Pra ti fica sempre o melhor naco...

Com um cálice de vinho não há morte
porque aqui Belzebu perde a frescura
- teu odor de mosto é o que me calha em sorte
e junta meu néctar à tua candura.

Ofereces-me o leito, a espuma e a lua
na dança que seguimos da concertina;
a noite é felina, e tu estás nua,
e é fina a canção que nos ilumina...

Mais vinho no cálice faz arder a alma;
despe já as parras que estorvam a palma
- Não pares, amor, chupa o mel da colmeia
até que o sangue sorva a Lua cheia...

Com mais vinho no copo ficas ígnea
e haverá mais tesão e frenesim;
é mel lambido na boca benigna
na forma de bolinho, creme ou pudim...

Ai, amor, que tens a boca sem manhas
que exalas o aroma mais fresco do mundo
e me dás as entranhas e as artimanhas
o esplendor da trapaça é gozo rotundo!

 

Mais palavras para quê? Só um grande poeta como o é Armando Figueiredo serve a poesia em belos copos de Cristal. Obrigado por partilhar este bom de tinto que o bebi até á exaustão. Estou muito feliz pelo sucesso do grande poeta da língua portuguesa.

Rogério Martins Simões

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Primavera - Daniel Cristal

 

PRIMAVERA
Daniel Cristal

 

A minha Primavera é o teu sorriso;
por isso, não tem tempo, não tem ano,
nem na cronologia qualquer dia.
Ela é a alegria dentro do ser sano!

 

Pode mudar o tempo, pode até mudar
as rotas do Rei-Sol, a translação
de estrelas e cometas, que o teu olhar
traz os prazeres da vida ao coração.

 

Ela anula as dores cruéis do corpo e alma
transforma o que é triste em alegria
na dádiva do amor - a imensa palma
que traz felicidade ao dia-a-dia.

 

Logo, o teu sorriso é a Primavera
que gera a alegria duma espera!

 

PORTUGAL

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Reencarnação - Daniel Cristal

 

 

Reencarnação
 
Daniel Cristal
 
 
Preciso de outro corpo que sustenha
o brilho da firmeza, tida outrora,
e que guarde esta alma com a senha
duma senda vivida nesta hora...
 
Preciso de emigrar, de transumância,
de nova encarnação num outro corpo,
porque este já não firma a elegância,
e a um fácil desafio cai de borco.
 
Preciso de dizer um obrigado
a todo o amigo-companheiro,
e despedir-me assim do ser amado...
 
Irei voltar na forma de um obreiro
que continua a obra inacabada,
recordando a senha decorada.
 
2007.Portugal

 


 

 

de poesia

 

 

 

POESIA Y ALGO MAS

 

Quero agradecer à poetisa Anne MÜLLER o convite que me remeteu para mandar poemas  para a Argentina.

Quero agradecer a MARIA ELENA Sancho

 A tradução e adaptação poética para castelhano do meu poema inédito, “A MENINA DANÇA?”, e a sua gravação em mp3

OBRIGADO;
Rogério Martins Simões

Poemas de amor e dor conteúdo da página

EFIGÉNIA COUTINHO e DANIEL CRISTAL - A tua melodia e Qual diapasão

 

(foto da autoria de Rogério Rimões)

 

 

Com a devida autorização destes dois grandes poetas, que muito estimo e admiro, deixo-vos com estes dois belos poemas.

Um momento sublime - um hino ao amor!

 

 

A TUA MELODIA

Efigênia Coutinho

 

Enfeitiçada pelo teu canto,

a sonhar e bailar nas vozes

dos pássaros, qual hino celeste,

seduzes-me a cada alvorecer.

 

Se o acaso permitir, este afeto

hei de consolidar, voando nas

asas dum Condor, viverei este

Amor que faz canção no peito!

 

Permanece onde estás, porque

cruzarei todos os céus e mares,

por este afago do teu clamor!

 

Sendo uma vereda infinita, viva

qual rosa-dos-ventos, elevada

ao tom maior do Amor sentido.

 

Balneário Camboriú

Abril 2007

(BRASIL)

 

 

http://www.avspe.eti.br/efigenia/indice.html

 

 

QUAL DIAPASÃO

Daniel Cristal

 

O encanto adentra o nosso canto

na voz do rouxinol ao pôr-do-sol;

a libelinha voa e também soa

nesse sinal bemol com que nos côa.


Vai no feliz sorriso da viagem

a paixão da palavra com sentido

na sua asa vibrante deslumbrante

qual vagem bi-fendida ressonante.


Não saio deste lugar, a melodia prende,

o timbre arrebata a melodia,

e a que não fende, afaga todo o dia...


É o espaço do amor, vivo sem fim

infindo o amor, infindo ao ouvido,

bandolim do olvido sustenido.

 

2007.Portugal

 

 

http://www.avspe.eti.br/daniel/indice.html





TANTA SEDE DESATINA…

Rogério Martins Simões

 

Corre a água cristalina

Mata a sede é fresca e pura

Vai à fonte a menina

Com espreitada formosura

 

Alagada por sorrisos…

Com que corres à fonte

De onde vêm os teus risos

-Vêm do cimo do monte!

 

Tanta sede molha os seios…

Tanta sede desatina…

Vem a fonte por seus meios

 

Corre a água cristalina

Enche o cântaro é fresca e pura

Não tem sede a formosura

 

 

 





Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

Em destaque no SAPO Blogs
pub