Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

A POESIA É ETERNA

A POESIA É ETERNA

Rogério Martins Simões

 

Às vezes fico para aqui a pensar...

como a poesia é eterna!

Fico a imaginar

quantos poemas foram perdidos,

rasgados,

queimados

esquecidos!

 

Que importa quem os rasgou?

Não importa quem os esqueça,

Versos que um poeta libertou,

Se a poesia sempre regressa!

 

É na palavra, pela palavra,

feita em verso que me alimento.

É na palavra, feita de pranto

riso ou encanto, que me sustento!

Sou um simples poeta!

 

Venham comigo viajar

num beijo doce roubado!

Venham comigo provar

a noite, o mel e o pecado.

 

Deixem-me recriar a poesia

que escrevo e que canto,

horas dentro,

em abrupta calma:

O riso,

o silêncio

ou o pranto

que me abraça

Que me beija

Nesta alma infinda.

 

Olhem esta folha de papel,

Este favo de mel:

A poesia é eterna

 

- Poesia! És tão linda!

 

15-10-2004 1:27:41

(Registado no Ministério da Cultura

- Inspeção-Geral das Atividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Dia Mundial da Poesia no Martinho da Arcada

 

 

DIA MUNDIAL DA POESIA

 

 

No próximo dia 21 de Março de 2011, segunda-feira, celebra-se o "DIA MUNDIAL DA POESIA".

 

 

 

Hoje, pelas 11 horas da manhã, enquanto "fazia horas" para ser atendido pelo meu médico na secular instituição - Associação dos Socorros Mútuos do Estado, situada nas Arcadas da Praça do Comércio, e não do Terreiro do Paço como por lapso muitos designam aquela Praça, resolvi ir beber um café e comer um delicioso pastel de nata ao Café Restaurante "O Martinho da Arcada".

 

Estava a saborear o pastel quando vi e cumprimentei o Sr. António Sousa, gerente deste mítico local. De repente, bailou na minha cabeça o desejo de ali realizar uma tertúlia de poesia no próximo dia 21 de Março - Dia Mundial da Poesia.

 

Com a amabilidade que lhe é reconhecida, o Sr. António de Sousa, levou-me ao restaurante onde está resguardada a célebre mesa, aonde Fernando Pessoa escreveu muitos versos - e a agenda dos eventos e reservas.

-Sim, não tenho reservas para o próximo dia 21 de Março, respondeu-me o Sr. António Sousa enquanto registava na agenda o meu nome, o meu desejo, com um ponto de interrogação.

 

Entretanto, adiantou-me que a casa tinha cerca de 80 lugares sentados e que o custo por refeição completa andaria pelos 25 euros por pessoa.

Quase me esqueci da consulta. Ficámos para ali a conversar sobre custos...  poesia, poetas e sonhos...

 

Vinha eu a caminho da Associação quando resolvi telefonar aos poetas amigos de que disponho contactos. Espera, pensei: então... e a consulta? Por sorte ainda não tinha chegado a minha vez.

 

Voltei a sair e telefonei ao amigo, e grande sonetista, Armando Figueiredo, (Daniel Cristal) que gosta de estar presente nestes eventos. - - - Sim amigo Rogério tudo farei para ir - (Vive em Gaia).

 

Entretanto, liguei para a minha amiga Anabela Portugal que, nesse preciso momento, extraía amostras de pinheiros contaminados.

- Sim! A ideia era boa e mais logo telefonava-me para casa.

 

- Está lá, José Baião?

-Sim Rogério, mas estou em serviço em Bruxelas. Expus rapidamente a ideia e fiquei de o contactar, já em Lisboa, amanhã.

Com o Zé Baião posso sempre contar, pensei, enquanto dizia para mim: então em Lisboa só se comemora o dia Mundial da poesia na véspera?

De véspera só morre o peru, pensei eu.

 

- Estou, poetisa, Dalila Moura?

- Sim, quem fala?

- É o Rogério Simões

E lá fui expondo a ideia.

- Sim, mas tenho de falar com o meu marido. Faz anos nesse dia.

- Ainda bem! Assim vêm os dois!

 

Voltei à Associação que não perdera de vista. Finalmente fui consultado pelo meu médico assistente.

- Sabe Dr. estou finalmente aposentado.

Entretanto enquanto preenchia a receita com os medicamentos para a minha Parkinson eu aproveitava para falar de poesia.

 

Chego a final destes diálogos ao sabor da pena. Deixo um vídeo que fiz para este evento e um convite:

 

 

 

 

CONVITE

 

 

 

Tendo em vista comemorar este dia, que coincide com o início da Primavera, um grupo de poetas e amigos da poesia, pretende realizar uma "tertúlia" de poesia no "Martinho da Arcada", situado numa das arcadas da Praça do Comércio, no próximo dia 21 a partir das 19,30 horas.

 

As razões para a escolha deste mítico local são, por todos os que amam a cultura, conhecidas. Nomes ilustres da vida portuguesa tais como: Bocage, Cesário Verde, Amadeu Sousa Cardoso, António Botto, Mário de Sá Carneiro, Almada Negreiros, Fernando Pessoa e José Saramago, foram alguns dos seus habituais frequentadores.

 

O Jantar será servido a partir das 20 horas e terá um custo por pessoa de 25 euros. Dado que o restaurante tem uma lotação, aproximada, de 70 pessoas solicita-se a quem estiver interessado que faça a sua reserva, diretamente para o Restaurante Martinho da Arcada, através do telefone 218879259 (Sr. António Sousa) e confirme a sua presença para os organizadores deste evento aqui no Facebook ou através do e-mail criado para o efeito poesiamartinhoarcada@gmail.com.

 

Poetas já contactados: Armando Figueiredo (Daniel Cristal); Dalila Moura; Anabela Portugal; José Baião.

 

 

Para finalizar termino com um pequeno extrato de um poema meu intitulado poesia.

 

"Tudo mudou!

Sem poesia

o mundo é menos sonhador,

é mais desumano!

Quando se escreve poesia

não se está só,

não estamos sós!

 

A poesia enche-nos a casa

de lágrimas

ou de sorrisos!

A Poesia reverte os sonhos desfeitos

em estrelas cadentes

para voltarmos, de novo, a sonhar.

Estaremos sós

quando as paredes

emparedarem

os pensamentos

e nem uma só lágrima se verta.

 

O que é a poesia?

O que é ser poeta?

 

A poesia é a magia

que espreita a ponta dos dedos

esborratados de tinta…

Ser poeta é quase morrer

e renascer

num canto ou num verso.

 

Paro! Tenho de parar!

Porque amanhã voltarei à rotina,

e sem rotina

não podemos viver.

 

Todos andamos num carreiro.

Para cá, para lá

sem saber ao que vamos.

Andamos,

corremos,

pensamos.

Como fazer para sobreviver

se não vemos!

Como podemos ver,

se nada há para ver.

E se vemos?

Poderemos parar para refletir?

 

Deixam-te refletir?

 

Que reflexão,

fazemos das nossas vidas?

Quantas televisões temos em casa?

Quantos tabuleiros se enchem de pratos

no desconforto da mesa vazia,

que esfria,

na espera?

Crescerá o bolor no pão que não sobra?

 

Que desconforto quando não há poesia!

 

 

Rogério Martins Simões

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Beija Flor

 

 

 

 

 

 
Beija-Flor
Rogério Martins Simões
 
Era um leve beija-flor
quando a tua flor descobri.
Levava o vento
quando o teu ventre percorri.
Perdi a flor!
Passou o tempo!
Sou um velho colibri…
28-02-2008 23:53
 
 
 
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

A MUSA - ELISABETE MARIA SOMBREIREIRO PALMA

 


(E junto a este seu  lindo poema de amor estava este seu belo quadro)

 


 

 

(A MUSA)

 

19/03/2009

 

(Óleo sobre tela

Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

 

VIVA A POESIA! 

 

 

 

 

 

 

A ESTRELA MAIS BELA QUE ENCONTREI!
(Rogério Martins Simões)
 
Sabes encontrar-me pela manhã,
No riacho cristalino do desapego,
Onde, renunciando, dores refego,
Para que a esperança não seja vã.
 
Livre da dor e tortura é este afã.
Cuido este corpo onde me apego.
Tarde libertar-me deste carrego,
Que extingue o carma de amanhã.
 
E se estiver na hora quero propor:
Irei de mãos dadas pelo caminho,
Perdido eu de amores, devagarinho,
 
Levarei comigo o meu lindo amor,
A estrela mais bela que encontrei.
Não quero perder quem tanto amei!
 
Lisboa, 27-03-2008 22:04:08

 

 

 

 

 

EM SONHO ME DEPENDUREI NO LUAR

 

 

Rogério Martins Simões
 
 
Em sonho me dependurei no luar.
O luar quis acordar os nossos cios.
Ali estavas, desnudada no meu olhar,
Encandeando meus olhos luzidios.
 
Os sonhos soçobram ao acordar…
O luar distende o sonho em atavios.
Ai!, sereia espraiada no meu mar,
Esperando as águas dos meus rios…
 
Luar!, tapa-me os olhos e os dias:
Antes cego, que acordar e não ter,
Do que ver, e não ter o que vias….
 
Prendo, no sono, o sonho para te ver,
Fico cego se em mim não te sentir,
Fios de seda - não te deixem partir!
 
Lisboa, 05-01-2009 20:49:30
 
 
 
 
Faz pouco mais de um ano que o nosso cão nos deixou e as palavras que então escrevi continuam a fazer eco. O cão era mesmo uma grande companhia!
Neste óleo, com que a Bete me presenteou, está representado o nosso querido Tarik.
Se repararem, durante muito tempo, deixei de escrever poesia. A sua partida deixou-me mais só e a saudade permanece.
Como sabem a doença de Parkinson leva os doentes a isolarem-se e foi o que me aconteceu: fico só, por aqui tentando agarrar as palavras, e sem o nosso lindo cão sinto um enorme desconforto apesar de muito bem acompanhado pela Bete.
Hoje estive a reler o que então escrevi neste blog.
 
 
Vem isto a propósito de uma notícia que nos chega do Brasil e que nos vem de novo alimentar a esperança de podermos vir a ter uma vida normal: um novo tratamento desenvolvido pelo médico e cientista brasileiro Miguel Nicolelis poderá revolucionar a vida de pacientes com doença de Parkinson.
 
Desistir nunca foi meu hábito! Ganhei um novo alento apesar de já me ter sentido frustrado por outras notícias parecidas que nada de novo nos trouxeram.
Para quem quiser saber algo mais sobre este tratamento poderá visitar o meu blog de Parkinson no Sapo ou o blog no “Sol”. Os links estão mesmo ao lado.
Volto a sonhar! Porém sinto uma enorme saudade do nosso pequeno/grande “Podengo Anão”.
Rogério
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

POESIA

 

(Óleo sobre tela - Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

(2008)

 

POESIA OU TALVEZ NÃO EM DIA MUNDIAL DA POESIA!

 

VIVA A POESIA!

 

 

 

 

POESIA
Rogério Martins Simões

 

 

Os poetas são operários da caneta

E trazem pensamentos errantes

que debutam no papel.

 

Serei poeta?

Que papel nos estará reservado?

 

E eu que nada sou,

serei o que o destino quiser,

porém, sou poeta!

Um poeta sonhador

a quem, tantas vezes,

lhe roubaram os sonhos.

 

Hoje estou nesta!

Mas, não irei desistir

de a escrever

ou de a chorar!

 

Hoje, apetece-me reflectir!

Não irei escrever poesia!

Aditarei palavras,

com palavras que

tenho espalhado por aí…

 

Que farei com os meus versos?

Sentir-se-á o lixo desconfortável,

com o seu peso?

E se os mandasse, mesmo, para o lixo?

- Não suavizariam o mau odor

que anda de altos…saltos?…

 

E na minha Pátria

quem liga à poesia?

 

Pouco me importa

que não tenha expressão!

Que pouco se fale de poesia.

 

- E se, em vez de medalhas,

medalhassem

com poemas Lusíadas

ou com versos de Caeiro?

 

Quantos conhecem a lírica de Camões?

- As chamadas elites culturais?

No meu caso,

nada de elites - sou povo!

Como é enorme o povo em – Pessoa!

 

Meu pai, meu mestre,

enchia-nos o prato

com saborosos poemas:

os seus e dos grandes poetas.

Mas isto é pelintrice

e pouco importa.

Importa é estar na berra.

Importa é mandar umas tretas

para que o povo se entretenha e não pense.

 

Ai quando o povo acordar!

Por mim não quero que pensem!

 

Tudo mudou!

Sem poesia

o mundo é menos sonhador,

é mais desumano!

Quando se escreve poesia

não se está só,

não estamos sós!

 

A poesia enche-nos a casa

de lágrimas

ou de sorrisos!

A Poesia reverte os sonhos desfeitos

em estrelas cadentes

para voltarmos, de novo, a sonhar.

Estaremos sós

quando as paredes

emparedarem

os pensamentos

e nem uma só lágrima se verta.

 

O que é a poesia?

O que é ser poeta?

 

A poesia é a magia

que espreita a ponta dos dedos

esborratados de tinta…

Ser poeta é quase morrer

e renascer

num canto ou num verso.

 

Paro! Tenho de parar!

Porque amanhã voltarei à rotina,

e sem rotina

não podemos viver.

 

Todos andamos num carreiro.

Para cá, para lá

sem saber ao que vamos.

Andamos,

corremos,

pensamos.

Como fazer para sobreviver

se não vemos!

Como podemos ver,

se nada há para ver.

E se vemos?

Poderemos parar para reflectir?

 

Deixam-te reflectir?

 

Que reflexão,

fazemos das nossas vidas?

 

Quantas televisões temos em casa?

 

Quantos tabuleiros se enchem de pratos

no desconforto da mesa vazia,

que esfria,

na espera?

 

Crescerá o bolor no pão que não sobra?

 

Que desconforto quando não há poesia!

ROMASI

SANTA PÁSCOA 

 

 

 

 

 

 

 

Voltei a escrever e já não queria

Rogério Martins Simões

 

Voltei a escrever e já não queria

Pensava ter esquecido este meu versejar

Ser poeta é criar e sofrer todo o dia

Passar ao papel o que a alma encontrar.

 

Este estado de alma que já não ousaria

Que nos faz sofrer, para me encontrar,

Deixa o meu corpo quando escrevo poesia,

Nos poemas que ela cria, para me libertar.

 

A ti que mais amo e sem querer

Se fico triste e te faço sofrer

Rosa eu te quero, rosas eu te dou.

 

E se tu me vires distraído ou disperso

Uma única coisa eu imploro e peço,

Espera! A minha alma não regressou.

 

Lisboa, 16 de Abril de 2004

 



MENTIA SE TE DISSESSE QUE MINTO

Rogério Martins Simões

 

Mentias se me dissesses… que pinto…

Não me esforço, peço ajuda, e tu vais

Ajeitas-me o nó da gravata… e o cinto.

Teus passos para mim são sempre mais…

 

Mentia era se eu dissesse que minto,

Que do meu corpo já não saem vendavais

Que os pés já me pesam e não os sinto

E que os meus passos para ti são demais.

 

E se te peso ao de leve e não quero

Tu bem sabes a razão do desespero

Não seja tamanha a razão do repeso

 

Pois se quis voar na ode de um poema

Irás encontrar em meus versos alfazema

Antes fosse manha a razão do meu peso.

 

10-08-2005 23:31


Poemas de amor e dor conteúdo da página

Dia mundial da poesia

 

DIA MUNDIAL DA POESIA

 

Comemora-se hoje o dia mundial da poesia.

A minha homenagem a todos os poetas conhecidos ou desconhecidos. O meu agradecimento a todos os poetas que doam a sua poesia.

O meu agradecimento a vós todos que, como eu, gostais de poesia.

Como humilde poeta, mas poeta, não posso deixar passar este dia sem que vos diga, que respiro poesia, que amo a poesia, que a poesia faz bem à alma e regenera o corpo.

A poesia é para mim a expressão da alma - a alma de poeta - e se por vezes pareço morrer num verso, ressuscito novamente num canto, - no canto mágico dos poetas.

Hoje é o nosso dia: o dia da poesia e dos poetas.

A poesia é linda!

A poesia é eterna!

Rogério Simões

21-03-2007

 

 

SINTONIA

 

Contigo, aprendi a saber o que é unidade

A ouvir o que não chega ser dito,

A sentir o que tu pensas,

Sabendo que pensas o que sinto…

Aprendi a saber de mim, através do que sei de ti…

 

Aprendi a conhecer o silêncio

A conhecer o seu dicionário mudo

Apenas pelo olhar,

Não preciso de palavras, para saber de ti

E sei que também não precisas

Porque sabemos o que sentimos…

 

Aprendi a suportar o mistério que nos une

A força que nos comanda

A energia que sentimos…

 

Aprendi contigo o valor de sermos “dois” e “um”

Estarmos juntos, estando separados,

Numa integridade única de quem sabe o que quer…

 

Aprendi contigo e com essa empatia

Que temos ainda muito que aprender

Que rir, cantar, chorar e amar

É apenas o segredo de sermos

Duas almas num só corpo…

                   MARIA CELIA SILVA

 

 

Dúvida

Romasi

 

Vejo-te ir,

Não vou conseguir chegar,

Se partir…

Vais regressar,

Mas tu já saíste,

E eu fiquei!

Deriva de mim a dúvida

E o conselho a seguir:

Rir de acordo,

Ou acordar a rir,

e ir

Ir por aí

Por onde o meu passo me leva

Atrás de tudo e de nada,

Porque tudo afinal se queda

 

Estou novamente perdido!

Vi-te partir,

Vais regressar,

Afinal prometeste voltar…

1985


 


 

 

 

 

 

“ O poeta é um fingidor.

Finge tão completamente

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve

Na dor lida sentem bem

Não as duas que ele teve

Mas só a que eles não tem.”

Fernando Pessoa

 

 


 

 

POESIA! QUERO NAMORAR CONTIGO…

(Rogério Martins Simões)

 

Nos tempos de diamante em bruto,

quando o horizonte era a eternidade,

escrevia poemas no universo estrelar.

Nesses tempos de que me lembro bastante,

por não recordar os poemas,

costumava versar as estrelas cadentes e,

pendurado na ponta de um cometa,

atravessei galáxias

onde registei os meus versos.

Certo dia reparei, porque o disseram,

que as estrelas cadentes eram, afinal,

restos de poeiras cósmicas

– Mas eu não acreditei!

Sempre que avistava uma estrela cadente

 escrevia um poema.

Era como os devolvessem embrulhados em luz…

- Rogério que fizestes aos poemas?

-Os poemas maiores são todos aqueles

que se soltam das palavras

e tão libertos esvoaçam sem vento,

sem tempo…

Talvez eu veja na poesia

a forma mais sublime

de passar a barreira

 da comédia das nossas vidas.

Prefiro as cerejas penduradas nas orelhas.

Beijar a lua

e acordar numa gota de orvalho

manhã cedo de Outono.

Poesia! És tão linda!

Gosto tanto de namorar contigo.

18-09-2006 22:49 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Dia mundial da poesia

 

 

 

 

DIA MUNDIAL DA POESIA

 

Comemora-se hoje o dia mundial da poesia com iniciativas diversas, entre as quais, destaco a maratona de "24 horas Surrealistas" em Santo Tirso.

Esta iniciativa, entre muitas, pretende "mostrar às pessoas que a poesia é divertida". A maratona teve o seu início numa pastelaria em frente à Câmara Municipal de Santo Tirso quando alguns declamadores a "invadiram" começando a dizer versos soltos. Dizem as crónicas que as dezenas de pessoas sentadas a lanchar ficaram com "um ar estupefacto a olhar à volta" E como não há surrealismo sem surrealistas eis quando "uma voz masculina, grave e cortante, anuncia que " poesia está na rua e só acaba amanhã" (hoje).

A minha homenagem a todos os grandes poetas conhecidos e desconhecidos. O meu agradecimento a todos os poetas que doam a sua poesia. O meu agradecimento a vós todos que como eu gostais de poesia.

Como humilde poeta, mas poeta, não posso deixar passar este dia sem que vos diga, que respiro poesia, que amo a poesia, que a poesia faz bem à alma e regenera o corpo. A poesia é para mim a expressão da alma - a alma de poeta - e se por vezes pareço morrer num verso, ressuscito novamente num canto, - no canto mágico dos poetas.

Hoje é o nosso dia: o dia da poesia e dos poetas.

A poesia é linda!

Rogério Simões

21-03-2005

Pensamento n.º 2

No profundo silêncio em que me deito,

na sublime atitude como me olhas

e me deixas em paz

não imaginas quanto estás presente

nos meus lúcidos pedaços de felicidade.

Rogério Simões

10/03/2005

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

Em destaque no SAPO Blogs
pub