Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




Rogério Martins Simões

Cria o teu cartão de visita Poemas de amor e dor conteúdo da página

05.10.09

 

 

 

 

 

 

 

 



 

Efigênia Coutinho

Presidente Fundadora

Academia Virtual Sala de Poetas e Escritores

 

www.avspe.eti.br/

 

Convida todos os poetas a participar neste evento “1000 SONETOS.

Tema livre.

 

Mande 5 sonetos escritos por si para:

 avspe.academia@gmail.com

 

Selo comemorativo 1000 SONETOS

Para todos que desejarem colocar em suas WEB

e fazer o Link da página abaixo

estão autorizados.

Efigênia Coutinho

Presidente Fundadora

 

 

www.avspe.eti.br/sonetos/indice.htm

 

E CONVIDE SEUS AMIGOS,,

envio até dia 30/10/2009

Efigênia Coutinho AVSPE

 

http://www.avspe.eti.br/sonetos/convite.htm

 

http://www.avspe.eti.br/sonetos/indice.htm

 

 

 

 

 



 

 Efigénia Coutinho

 

SINA
Efigênia Coutinho
 
 
A' tardinha quando Phebo já declina
ungida de ternura e suavidade, eu me
ponho a cismar, sem que me enfade,
na escravidão de amor, que é minha Sina!
 
 
E sobre o astro Sol, parece que reclina
um Deus soberbo da pagã Hellade...
outro não tem maior virilidade...
nem se iguala em graça masculina!
 
 
Então apresso-me a venerar seu vulto,
e, enquanto o coração repica o sino
meus lábios ofertam preces de culto!...
 
 
Sonhar assim é meu prazer supino,
e dentro deste templo vibro e exulto,
se devota de ti eu me imagino!...
 
 
Balneário Camboriú
27 - 2 - 2006...
 



 



 

Armando Figueiredo

 

 

 


Reencarnação
 
Daniel Cristal
 
 
Preciso de outro corpo que sustenha
o brilho da firmeza, tida outrora,
e que guarde esta alma com a senha
duma senda vivida nesta hora...
 
Preciso de emigrar, de transumância,
de nova encarnação num outro corpo,
porque este já não firma a elegância,
e a um fácil desafio cai de borco.
 
Preciso de dizer um obrigado
a todo o amigo-companheiro,
e despedir-me assim do ser amado...
 
Irei voltar na forma de um obreiro
que continua a obra inacabada,
recordando a senha decorada.
 
2007.Portugal
 
 

 



 

 

Rogério Simões

 

Meco 2009

 

 

SOFRER POR AMOR
Rogério Martins Simões
 
Sofrer por amor é dor que arde.
Na carne, essa dor, será mais sofrida.
Sofrer por amor não se retarde,
Mais tarde essa dor será mais sentida.
 
 
Não há dor que por prazer se guarde.
Guardo a felicidade que levo da vida!
Mas se essa dor chegar mais tarde,
Se tarde e guarde para depois da ida.
 
 
E se Deus quiser que morra de amor,
Me leve desta vida em primeiro lugar,
Prefiro morrer que viver nessa dor.
 
 
Perguntem à alma se prefere ficar.
Decerto irá dizer ao corpo que não.
Então, subitamente, que pare o coração.
21/04/2005

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

15.07.09

 

 

 

 

PARABÉNS
EFIGÉNIA COUTINHO
 
HOJE É O SEU ANIVERSÁRIO.
 
Tudo de bom são os desejos deste seu sempre amigo
Rogério Simões

 



 

 

 

RELENDO
Efigênia Coutinho

Quando te releio nos cenários animados
Por teu Génio, com poesias e magias,
Cheios de vida, realça por todos os lados
O alvo nas pupilas dos meus olhos...!

Vejo o céu, mar, luar, vejo searas
Douradas, o sol que o véu das neblinas
Rompe, dourando as campinas;
E iluminando o horizonte, vales e rios!

Percebo um rumor silencioso da charrua;
São os colibris, que, ao carvalho sobranceiro,
Modulam sons elevados cheios de ternura...

E eu, consternada, volto a face, e tremo,
Vendo teu vulto que aparece, no extremo
Onde faz a curva que o sonho enternece!

2007
Balneário Camboriú
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

16.01.09

 

(Óleo sobre tela

 

Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

 
EM SONHO ME DEPENDUREI NO LUAR
Rogério Martins Simões
 
 
Em sonho me dependurei no luar.
O luar quis acordar os nossos cios.
Ali estavas, desnudada no meu olhar,
Encandeando meus olhos luzidios.
 
Os sonhos soçobram ao acordar…
O luar distende o sonho em atavios.
Ai!, sereia espraiada no meu mar
Esperando as águas dos meus rios…
 
Luar!, tapa-me os olhos e os dias:
Antes cego, que acordar e não ter,
Do que ver, e não ter o que vias….
 
Prendo, no sono, o sonho para te ver
Fico cego se em mim não te sentir
Fios de seda - não te deixem partir!
 
Lisboa, 05-01-2009 20:49:30
 
 
(Poema dedicado a Elisabete Maria Sombreireiro Palma)
 
 
OIÇA AQUI!!!! Este poema na voz de LUÍS GASPAR dos ESTÚDIOS RAPOSA!
 
Amigo Luís Gaspar muito obrigado!
 
 

 

 


 

(Óleo sobre cartão

Elisabete Sombreireiro Palma)

 

 

 

BORDANDO SONHOS
Rogério Martins Simões
 
 
Em sonho me desnudei ao luar.
Ao amor me doei branca e pura.
E quando te encontrei no olhar
Juntei o luar e o sonho na ventura.
 
Teus olhos não os deixes cegar!
Deixai olhar inocente candura.
Os sonhos conseguem triunfar
Na eternidade o sonho perdura
 
Percorre o teu olhar todo o meu ser
Feitiço tem o coração!, quer ser teu.
Glória tem teu sonho, agora meu…
 
E se não solto os fios para te ter,
Cega fico, se em mim não te sentir,
Bordo sonhos e não te deixo partir!
 
Lisboa, 15-01-2009 22:48:22
 
Poema dedicado a três amigos, dois dos quais grandes poetas, que directamente são responsáveis por não ter rasgado a poesia que escrevo.
ERMELINDA TOSCANO – Poetas Almadenses (responsável por ter tirado a poesia da gaveta) OBRIGADO!
EFIGÉNIA COUTINHO - Poeta que tanto admiro e estimo. Responsável pela divulgação da minha poesia no Brasil através do seu conceituado site.
ARMANDO FIGUEIREDO – Mestre da poesia (Daniel Cristal)
 
Finalmente a todos aqueles que visitam este blog e me incentivam a continuar.
Obrigado a todos
Rogério Martins Simões
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

15.07.08

 

 

 

 

Parabéns querida amiga e poetiza
 
Efigénia Coutinho
 
Hoje é o seu dia
O dia do seu aniversário.
 
 
Efigénia, os seus amigos, Elisabete Maria Sombreireiro Palma e Rogério Martins Simões, unidos lhe desejam que passe este dia com muita alegria na companhia de todos os que lhe são queridos. Desejamos à amiga toda a sorte, toda a alegria, felicidade, saúde e que o que resta dos sonhos se concretize.
Beijos,
Elisabete & Rogério
 
VIVA A POESIA
 
DECLARAÇÃO
Efigênia Coutinho
 

Declaro ao céu, ser tua, do teu jeito,
Desenhando em teu corpo ternura,
Desejos que me invadem mil loucura,
Por noites infindáveis, no teu leito.
 
Receberás o meu néctar liquefeito,
Dos lábios escarlates com doçura,
E a tua boca louca na procura,
Do amor, que anseio e não rejeito!
 
Arrebatados, de prazer embriagados,
Seremos dois amantes transformados,
No mais suave versos que compus.
 

E por noites  mágicas como esta,
O Luar lá ao céu faz a sua festa
Enfeitando nossos corpos com Luz!

 
Balneário Camboriú
Maio 2008.
Bilhete (*)
 

Ouvi teus recados com ais
deito a semente confiante.
Escuta bem este segredo!
Quero deslizar roçando
essa paisagem sedutora
perder-me na memória
do tempo, sentindo
na curva dos tons, toda
sonoridade horizontal
dos teus sons repousantes!

 
______
(*) Camboriú,  23/05/2008.
Efigênia Coutinho
 
Espera (*)
 

Nesta espera que desespera
Do desvario para ser tua 
Vou declamando sem alarde
Conjunto de ânsias contida
Quem à verdade se rende
E aquele que me compreende!
 
______
(*) Camboriú,  23/05/2008.
Efigênia Coutinho
 
 

 
 
ETERNO SONHO
Efigénia Coutinho
 
Hoje sopraram ventos fortes do sonho;
Tinham lágrimas que gotejam pela face,
Foram sonhos de verdade da minha vida
Que marcam sentimentos com emoção.


Abraçada ao travesseiro, por sublimes
fantasias, aconchego meu corpo deste
momento, sugando na alma a Paz que
tanto meu corpo etéreo sonhou!...


Pela fresta da janela, jorrando a Luz
dourada do sol, e a sua silhueta amorosa
flutuávamos...E estavas dentro do sonho
Sob um céu anil na brandura do Eterno!


É realmente uma grande realidade,
mas como foi bom sonhar assim...
Queria partilhar contigo este momento
incandescente de encantamento terno!

 

 

 

 


 
 
Canto Enamorada
Efigênia Coutinho

Chegastes assim, como eu te via
entoando a canção que eu queria
Ao céu abriu-se um cortejo de anjos,
Os sonhos pincelados a Luz do Luar...

Com o meu contato, algo em ti
se  fixou de mim, traços meus
se juntaram aos teus, perfilando
a trama ancestral que trouxeste!

Hoje eu te vejo e me reconheço
em ti. O  que tens de mim, não
será mais para mim! Neste canto
cega  de Amor eu me entrego!

Como te escutavas me escutavas,
ainda mais feliz então me fizeras!
Viverei por todo esse  encanto,
que  canto o Amor  como Arte!

Mas a vida faz da Arte outra Arte
em  toda  parte causa  espanto
esse canto encanto de Amar-te!
Que  festejo com sonhos e Arte!

Balneário Camboriú
Outubro 2006
 
 

 
 
Morangos
Efigenia Coutinho
Dedicado ao meu amigo
Rogério Simões
 
MORANGOS
Efigénia Coutinho
 
É a temporada
do tempo dos morangos
dos sonhos de inverno
de noites de luas cheias
do aconchego ao pé duma lareira
do bom vinho e queijos
de sonhos risos e beijos
de dançar em seus braços
de amar... amando...
da beira mar...andar descalça
dos sorvetes com
calda quente de morangos
o inverno se instalou
este é o meu tempo
e dos morangos que me
adoçam a boca
adoçando a vida...
longe... muito longe
tem um olhar clandestino
há um sonho à deriva
esperando que as sementes
dos morangos despertem
para olhar o Amor ao
tempo dos Morangos...
 
11/07/2007
Balneário Camboriú
Brasil

 

 

 

 

 
 
Morangos
Rogério Martins Simões
 
É o tempo dos corpos estendidos
Das praias vestidas - cor de morango
Dos peitos nus; dos corpos aquecidos
Num aconchego, laçados num tango.
 
Vem minha amada
Este é o nosso tempo à beira-mar
Candeias iluminam a tua fronte.
 
Defronte às ondas, na praia deserta
Onde o deserto não cobre as dunas
Tinhas na duna, a duna entreaberta
E na descoberta esquecemos as runas…
 
É a temporada dos sonhos
De todas as estações - verbo e amar
Do sémen… do belo horizonte…
 
Vem minha amada
Sorvete de morango na hora doce
Quando, no calor, os calores apertam…
 
É a temporada
Do beijo indiscreto - agridoce
Memórias que os morangos despertam…
 
(Campimeco)
Aldeia do Meco, 13-07-2007
Portugal
 
Foi um prazer partilhar convosco este momento de poesia. Feliz aniversário POETA Maria Efigénia Coutinho Mallemont
Rogério Martins Simões
 
Poemas de amor e dor conteúdo da página

14.07.08

 

 

 

EFIGÊNIA COUTINHO
Daniel Cristal


Do céu veio esta bênção, cheia de azul carinhoso,
e todo o horizonte esbelto se incendiou;
toda a musa parou, nenhuma mais ficou,
a não ser esta deusa dada ao seu gozo:

Ao gozo do prazer celeste, nada mais,
ao êxtase do amor mais puro que a vida;
penso até que a morte foi a pena erguida
para purificar a alma destes nossos ais...

E assim nos levou nas asas de uma pomba,
ou melhor: foi um arcanjo belo quem levou
as nossas almas plenas e as manejou
até às mãos de Deus, que, nunca, do amor zomba.

Nos teus olhos de azul, do azul mais brilhante
juntou-se o meu cristal ao puro diamante.

17.11.2005

 
 
 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

22.06.08

 

 

 

VERDADEIRO
Efigênia Coutinho

Se é verdadeiro e solene
o amor com que me desejas,
tornando-me a primeira entre
todas as mulheres, eu nada
mais desejo neste Mundo!...

Senhora de um afeto tão
profundo, certo suportarei
as horas duras e infindas,
ditosas e altiva até nas
amarguras impostas pelo tempo!

Balneário Camboriú
19 de Junho, 2008
 
 
 
 
A grande poetisa e minha amiga, Efigénia Coutinho, deixou aqui um poema intitulado “verdadeiro”, poema este dedicado ao ser amor. Como aprecio muito a sua poesia, fui atrás do seu poema e escrevi umas quantas palavras. – Palavras verdadeiras.
Desejo a todos que, pelo menos, sejam tão felizes como o sou com a minha companheira há quase 20 anos. É por isso que os poemas de amor lhe são dedicados. A Parkinson que se atravessou na minha vida não foi suficiente para quebrar o seu amor por mim, pelo contrário, graças ao seu amor vou resistindo fortalecido na esperança de um dia poder dizer: estou curado.
Para todos muita felicidade.
 
Verdadeiro
Rogério Martins Simões
 
As verdadeiras palavras,
não são apenas palavras,
Os verdadeiros gestos,
não são simples gestos.
 
A verdadeira razão das não palavras
Está na falta de emoção dos sentidos
No egoísmo dos sentimentos indefinidos
Finitos, escamoteados sem coração...
 
Não basta repetir sonoridades
Que estas minhas palavras não têm.
Não basta calar silêncios:
Nas inverdades
Nos acesos
Nos excessos
Nos desafectos.
 
O afastamento sem nexo
Sem palavras
Sem explicação:
Quebra
Machuca
Enlouquece
Derruba
Mata lentamente
 
Verdadeira é a palavra solidão!
Que ecoa nos confins dos silêncios:
É a falta de uma carícia
É a falta de uma ternura
É a falta de um afecto
É o abandono na desventura
É o peso das paredes que sufocam
 
Verdadeiro é o amor
Verdadeira é a amizade
Verdadeira é a dor
Verdadeira é a solidariedade
 
Verdadeiro é o abandono de nós
Em busca do outro, do não eu.
 
Lisboa, 22-06-2008 2:37:25

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

15.06.08

 

 

(Óleo sobre tela MODIGLIANE)

 

 

 

Hora Transparente
Efigênia Coutinho
 
 
Procuro  mil maneiras  ao teu sonho
 ajustar-me, o coração começa a ansiar...
na formosura dos teus abraços e beijos,
com que me dás na  matinal saudação
deixando  o peito palpitar de emoção!
 
Tudo é paz nesta hora transparente,
sendo melodia que nasce pura de nós
mesmos, e volteia entre brumas encantadas.
O corpo, enamorado  de nossas almas ...
Numa beleza horizontal de mundos quietos!
 
Contempla o céu, puro na explosão do
novo, a ressurreição misteriosa do bem
imenso, numa singular embriagues da
comunhão Universal  de todos os astros!
 Melodia dos pássaros líricos e dos Poetas!
 
 
Vislumbro o amanhã nascer, para sentir
o chão que tocamos de leve nossos pés
Há tanto tempo que caminhamos ao mesmo
lado, num ir continuo para cada vez mais
distante, onde os pensamentos se misturam!
 
 


 

salapoetas.jpg
 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

16.05.08

 

 

 

 

CORAÇÃO DE CRISTAL

Efigénia Coutinho

 

 

Tenho um coração de Cristal
minha fonte pura de magia
rei de minhas noites de luar
aos tons suave duma cantoria.

 

Fonte cristalina que vida encerra

com sua  luz  engravida a terra
todo bem que em ti alcança
 do sonho, se  imortalize a senda!

 

Vem em mim  amoroso sonho

ânsias infinitas,  olor e desejo

palpitando rumores - teu beijo!...

 

Ó fonte cristalina que  corre cheia
que eu me desmanche alva e sonora
em  teu coração por dentro e por fora!

 

Balneário Camboriú
Maio 2008

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

14.05.08

 

 

Efigénia Coutinho Poetisa brasileira que muito admiro, poeta como ela gosta que a chamem, é poeta residente deste blog. Pois bem, tenho a honra de vos dar a conhecer mais um extraordinário poema. Sem favor, deixem mensagem para a poeta e visitem a sua Academia Virtual de Poetas e escritores

 

 

 

TEU SOM GUITARRA

Efigénia Coutinho

 

Há um som que me acompanha
sempre pungente,  romântico, que
lancina da guitarra

e que só tu sabes dedilhar.

Geme sensual , aflita

e quanto tanges ressucita  minha alma
das loucas corredeiras da vida!

 

 

Chegas, redentora, desenhando
meus sonhos pelo universo

e neste verso tu me desafias,
salgando minhas fantasias,
 derramado teu tom,

fazendo-me recordar

dos sonhos que sonhávamos juntos!

 

 

Geme por coisas distantes!

Um sonho que se afunda noutro sonho,
murmuram os mesmos desejos,

desejando todos os beijos
ao som da guitarra
que dedilhas suavemente

o fado que juramos eternamente...

 

 

Balneário Camboriú

Abril 2008

http://www.avspe.eti.br/afbook/

Poemas de amor e dor conteúdo da página

12.11.07

 

(Efigénia Coutinho

Poetisa)

 

 

 

 

 

(Presidente da Associação Virtual

Sala dos Poetas e Escritores)

 

 

RELENDO
Efigênia Coutinho


Quando te releio nos cenários animados
Por teu Génio, com poesias e magias,
Cheios de vida, realça por todos os lados
O alvo nas pupilas dos meus olhos...!

Vejo o céu, mar, luar, vejo searas
Douradas, o sol que o véu das neblinas
Rompe, dourando as campinas;
E iluminando o horizonte, vales e rios!

Percebo um rumor silencioso da charrua;
São os colibris, que, ao carvalho sobranceiro,
Modulam sons elevados cheios de ternura...

E eu, consternada, volto a face, e tremo,
Vendo teu vulto que aparece, no extremo
Onde faz a curva que o sonho enternece!

2007
Balneário Camboriú

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



A MINHA GRATIDÃO

 PARA COM OS SEGUINTES AMIGOS

 QUE SEMPRE APOIARAM A MINHA POESIA


A MINHA MUSA

  • Elisabete M Sombreireiro Palma

    EFIGÉNIA COUTINHO

  • Efigénia Coutinho Poesia

  • Efigénia Coutinho SAPO

  • Efigénia Coutinho Poesia com imagens

    FERNANDO OLIVEIRA

  • Na escrivaninha com o autor

  • Instantâneos Urbanos & Naturais

    DANIEL CRISTAL

  • O Blog de Daniel Cristal

    ERMELINDA TOSCANO

  • Poetas Almadenses

    COPIE OS POEMAS GRAVADOS em MP3
    Voz de Luis Gaspar

    Estúdios Raposa

  • CARROSSEL

  • VOLTEI

    PODCAST de 2006

  • Rogério Martins Simões

  • amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR

    Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2005
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2004
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    Em destaque no SAPO Blogs
    pub