Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




PARA ALÉM DO VENTO…

0019.JPG

(Óleo sobre tela Elisabete Sombreireiro Palma)

 

PARA ALÉM DO VENTO…

Rogério Martins Simões

 

Volúpias em corpos que bailam submersos,

Dispersam, em nós, o sémen da procriação.

São inocentes os nossos dias em tentação,

Anseios da natureza, doces como versos…

 

Mordiscaste a minha boca em provocação...

Desejos inatos; tão diferentes; tão diversos,

Anunciando um tempo novo sem reversos,

Ardendo, como fogo, em adoçada erupção….

 

E a natureza nos cobriu com vento criador,

Confiando as sementes num acto de amor,

Quando o teu corpo fértil comigo dançava!

 

Além de nós havia um tempo pouco visível,

Para que recomeçássemos, num cio sensível,

E o teu corpo, com ingénita sedução, bailava…

 

Aldeia do Meco, 26-10-2007 23:11:43

(Registado no Ministério da Cultura

Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C.

Processo n.º 2079/09)

(Próximo Livro de poesia)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Presente e verbo amar

 

(Óleo sobre tela Elisabete Sombreireiro Palma)

 

 

PRESENTE E VERBO AMAR

Rogério Martins Simões


Sempre que vou comigo,

Comigo fico a pensar:

Quantas vezes em mim,

Contigo no meu olhar.


Quando estou contigo,

Contigo no teu cuidar...

Quantas vezes em mim,

Comigo, te sinto chorar.


Tento, mas não consigo,

Não consigo disfarçar:

Quantas vezes em mim,

A morte mais desejar.


Sempre que estou contigo,

Por vezes volto a sonhar:

Sonho que estarás comigo

Quando de novo voltar.


Sempre estarás comigo!

Sempre estarei contigo!

Presente e verbo Amar.


Lisboa, 19-02-2011 15:49:25

Poemas de amor e dor conteúdo da página

POESIA e exposição de pintura na lll Feira de Saúde do Pinhal Novo

Óleo sobre tela Elisabete Sombreireiro Palma

CONVITE
MOSTRA DE PINTURA DE
ELISABETE SOMBREIREIRO PALMA
Na próxima segunda-feira,
dia 18 de Maio de 2010,
pelas 20 horas,
na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo,

terá lugar a inauguração da III Feira de Saúde,
com a “mostra” de pintura de
Elisabete Sombreireiro Palma
cujo programa completo será publicado neste blog. Esta exposição estará patente até ao dia 23 de Maio.

NOITE DE POESIA

NA FREGUESIA DE PINHAL NOVO – PALMELA

Tenho a honra de convidar quantos se queiram deslocar ao Pinhal Novo

para uma sessão de poesia,

que decorrerá no dia 20 de MAIO de 2010,
pelas 20,30 horas
na Biblioteca Municipal de Pinhal Novo.

Os meus agradecimentos à organizadora e responsável por todos estes eventos

a Dra. Margarida Martins.

serão lidos poemas do autor deste blog, Rogério Martins Simões, que estará presente. Quero agradecer ao
Dr. José Baião Santos,
meu colega de trabalho e amigo,
poeta, músico, cantor e declamador de poesia
que acedeu participar e fazer parte da organização deste evento. Deste modo para além de poesia recitada pelo José Baião, pelo João Completo e demais poetas, a sessão terá momentos de piano pelo Pedro Alves, canto e viola de José Baião.
Venham!
Será uma noite inesquecível.

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Os anos correm

 

(Óleo sobre tela Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

 

OS ANOS CORREM!
Rogério Martins Simões
 
Os anos correm!
O tempo passa…Lentamente,
Mas passa.
E, quando vamos na pressa,
Vemos, sem graça,
Que o tempo passa depressa.
 
Ontem fui menino!
Era noite já era adulto!
Percorri o meu destino,
Pois, o passado já foi muito!
 
Oh! Como os meus cabelos mudaram!
Como o meu rosto crispou!
Como as minhas lágrimas choraram!
E a minha juventude me deixou!
 
Que importa se já sofri;
A quem importa o que já chorei
Pois sempre me esqueci,
De mim, e tão tarde acordei:
Como os poemas que escrevi,
E na manhã seguinte rasguei.
 
E não me tomem por louco!
E não dêem como certo!
Ser poeta é um pouco,
Da loucura se estar perto.
Mas isso já eu sabia,
Quando deixei a poesia,
Ser poeta é ser louco!
Voltei a escrever e já não queria!
 
19-07-2004 22:35:23
(Registado no Ministério da Cultura
Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C.
Processo n.º 2079/09)
 
 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

Segredos meu amor (republicado)

 

 

TEMPESTADE

 

(Óleo sobre tela da minha companheira

 

Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

 

 

Segredos, meu amor
(Rogério Martins Simões)
 
Segredos, meu amor
Hoje te quero revelar!
Se pudesse te daria o mundo:
A eternidade, meu amor profundo,
Os poemas de amor - sem dor
Num canto belo se soubesse cantar.
 
Cantar, cantavas tu e tão bem!
Pintar é a tua actual inspiração!
Reservo para ti também:
A poesia! Meu amor-perfeito;
Tempo de pausa e meditação!
A fantasia de alguém
Imperfeito!
Carente, terreno e pensante!
 
E se em momentos de inspiração
Parto por aí algo errante…
Numa completa e intemporal dação
(Mas quente e vertical entrega)
Seja breve e que encante.
Minha alma nesse instante sossega.
 
26-05-2004 23:29
(Registado no Ministério da Cultura
- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –
Processo n.º 2079/09)
 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

A MUSA, O SONHO E O POETA - trilogia poética.

 

   

(Óleo sobre tela - 2007 -

Elisabete sombreireiro Palma)

  

Com a publicação do soneto “A musa, o sonho e o poeta” termino esta trilogia poética iniciada em 2009. Agradeço mais uma vez ao Luís Gaspar ter dado voz ao primeiro destes 3 sonetos. Dou também a conhecer 3 quadros da minha querida e solidária companheira Elisabete Sombreireiro Palma Deixo-vos com a pintura da Elisabete e com a minha poesia. Sejam todos muito felizes,

Rogério Martins Simões

 

  

TRILOGIA POÉTICA
 
A MUSA, O SONHO E O POETA
 
I
 
EM SONHO ME DEPENDUREI NO LUAR
Rogério Martins Simões
 
 
Em sonho me dependurei no luar.
O luar quis acordar os nossos cios.
Ali estavas, desnudada no meu olhar,
Encandeando meus olhos luzidios.
 
Os sonhos soçobram ao acordar…
O luar distende o sonho em atavios.
Ai!, sereia espraiada no meu mar,
Esperando as águas dos meus rios…
 
Luar!, tapa-me os olhos e os dias:
Antes cego, que acordar e não ter,
Do que ver, e não ter o que vias….
 
Prendo, no sono, o sonho para te ver,
Fico cego se em mim não te sentir,
Fios de seda - não te deixem partir!
 
Lisboa, 05-01-2009 20:49:30
 
 

 


 

(óleo sobre tela 2009

Elisabete Sombreireiro Palma)

 

 

 

 

II

 

BORDANDO SONHOS
Rogério Martins Simões
 
 
Em sonho me desnudei ao luar.
Ao amor me doei branca e pura.
E quando te encontrei no olhar,
Juntei o luar ao sonho na ventura.
 
Teus olhos não os deixes cegar!
Deixai olhar inocente candura.
Os sonhos conseguem triunfar!:
Na eternidade o sonho perdura.
 
Percorre o teu olhar todo o meu ser.
Feitiço tem o coração!, quer ser teu!
Glória tem teu sonho agora meu…
 
E se não solto os fios para te ter,
Cega fico, se em mim não te sentir,
Bordo sonhos e não te deixo partir!
 
Lisboa, 15-01-2009 22:48:22
 
 


 

(Óleo sobre tela 2008

 

Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

 

 

III
 
A musa, o sonho e o poeta
(Rogério Martins Simões)
 
Estreita o espaço, abraça e não beija.
Vejo o luar no teu caminho errante…
Não irei recordar se tiver de amante,
Não quero acordar! O sonho voeja!
 
Adorno o sonho, no sono, incessante.
Afasto o meu olhar! Devaneio seja!
Poeta não serei, se te vir de mirante,
Musa serás!, em meus versos te veja.
 
Baila! Canta comigo! Vamos dançar!
Nos versos que me dás, para eu te dar.
Glória por ser minha a tua inspiração.
 
Soltam-se fios de seda, de seda fina,
Bordando versos num barco à bolina.
Os poemas são teus! Minha alma não!
 
Lisboa, 21-01-2009 22:30:15



 

COPIE AQUI OS POEMAS GRAVADOS

LUÍS GASPAR

Estúdios Raposa 

 

 

 

  • EM SONHOS ME DEPENDUREI NO LUAR

     

  • CARROSSEL

     

  • VOLTEI

     

    PODCAST

     

  • Rogério Martins Simões

  • Poemas de amor e dor conteúdo da página

    BORDANDO SONHOS

     

    (Óleo sobre tela

     

    Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

     

     
    EM SONHO ME DEPENDUREI NO LUAR
    Rogério Martins Simões
     
     
    Em sonho me dependurei no luar.
    O luar quis acordar os nossos cios.
    Ali estavas, desnudada no meu olhar,
    Encandeando meus olhos luzidios.
     
    Os sonhos soçobram ao acordar…
    O luar distende o sonho em atavios.
    Ai!, sereia espraiada no meu mar
    Esperando as águas dos meus rios…
     
    Luar!, tapa-me os olhos e os dias:
    Antes cego, que acordar e não ter,
    Do que ver, e não ter o que vias….
     
    Prendo, no sono, o sonho para te ver
    Fico cego se em mim não te sentir
    Fios de seda - não te deixem partir!
     
    Lisboa, 05-01-2009 20:49:30
     
     
    (Poema dedicado a Elisabete Maria Sombreireiro Palma)
     
     
    OIÇA AQUI!!!! Este poema na voz de LUÍS GASPAR dos ESTÚDIOS RAPOSA!
     
    Amigo Luís Gaspar muito obrigado!
     
     

     

     


     

    (Óleo sobre cartão

    Elisabete Sombreireiro Palma)

     

     

     

    BORDANDO SONHOS
    Rogério Martins Simões
     
     
    Em sonho me desnudei ao luar.
    Ao amor me doei branca e pura.
    E quando te encontrei no olhar
    Juntei o luar e o sonho na ventura.
     
    Teus olhos não os deixes cegar!
    Deixai olhar inocente candura.
    Os sonhos conseguem triunfar
    Na eternidade o sonho perdura
     
    Percorre o teu olhar todo o meu ser
    Feitiço tem o coração!, quer ser teu.
    Glória tem teu sonho, agora meu…
     
    E se não solto os fios para te ter,
    Cega fico, se em mim não te sentir,
    Bordo sonhos e não te deixo partir!
     
    Lisboa, 15-01-2009 22:48:22
     
    Poema dedicado a três amigos, dois dos quais grandes poetas, que directamente são responsáveis por não ter rasgado a poesia que escrevo.
    ERMELINDA TOSCANO – Poetas Almadenses (responsável por ter tirado a poesia da gaveta) OBRIGADO!
    EFIGÉNIA COUTINHO - Poeta que tanto admiro e estimo. Responsável pela divulgação da minha poesia no Brasil através do seu conceituado site.
    ARMANDO FIGUEIREDO – Mestre da poesia (Daniel Cristal)
     
    Finalmente a todos aqueles que visitam este blog e me incentivam a continuar.
    Obrigado a todos
    Rogério Martins Simões
     
    Poemas de amor e dor conteúdo da página

    Renascerei!


     

    (Óleo sobre tela Elisabete Maria Sombreireiro Palma)

     

     

     

    RENASCEREI
    Rogério Martins Simões
     
    Queria ver minha sombra
    Caída por terra sem ver o corpo.
    Queria ver a minha alma
    Caída do céu sem ver o corpo.
     
    Haverias de ver…
    Quando o amanhã chegar
    Meu corpo caído ao sol
    E a minha alma
    Escapando da sombra…
     
    Voltaria a cintilar no firmamento
    Alma que não sente nem desespera
    E regressaria em dado momento
    Num corpo que nasce e a espera.
     
    E disse o filho do homem
    - Que sabes tu poeta?
    - Que esperas recolher
    no teu corpo velho?
     
    E disse o poeta
    Que sabes tu de mim?
    Quantas almas
    desceram depois de ti?
    Quantos ventos
    limparam os teus pensamentos,
    E disseste, não sei!
    Afinal o que queres saber,
    Se tudo dizes!
    Se nada sabes!
     
    Acaso vês a serpente
     rastejante
    Que sobrevive ao deserto
    ondulante?
    Quanta sabedoria
    tem a sobrevivência?
     
    Será o calor e o frio do deserto
    Maior que o próprio deserto?
    Soltastes os teus camelos…
    Quando já morto de sede
    Clamaste por Deus?
     
    Pois eu te digo
    Renascerei!
    Lisboa, 8 de Abril de 2005

     

    Poemas de amor e dor conteúdo da página

    Brincando com as tintas

    Segredos, meu amor

    (Rogério Martins Simões)

     

    Segredos, meu amor

    Hoje te quero revelar!

    Se pudesse te daria o mundo:

    A eternidade, meu amor profundo

    Os poemas de amor - sem dor

    Num canto belo se soubesse cantar!

     

    Cantar, cantavas tu…e tão bem!

    Pintar é a tua actual inspiração!

    Reservo para ti também:

    A poesia! Meu amor-perfeito;

    Tempo de pausa e meditação!

    A fantasia de alguém

    Imperfeito!

    Carente, terreno e pensante!

     

    E se em momentos de inspiração

    Parto por aí algo errante

    Numa completa e intemporal dação

    (Mas quente e vertical entrega)

    Seja breve e que encante!

    Minha alma nesse instante sossega.

    26-05-2004 23:29

     

    (Trabalhos de minha esposa Bete)



     

     

     

     Para ver o vídeo por favor desligue o som do blog)

     

     

    4 ANOS DE PINTURA

    Elisabete Maria Sombreireiro Palma

     

    No YOUTUBE

     

    http://www.youtube.com/watch?v=iokb8FXy3Gw

     

     

    Agradeço à fadista Ana Marina Marques a cedência dos seus belos fados.

     

    Blog da fadista

     

    http://marinafadista.blogs.sapo.pt/

     

     

     

    A quem desejo o maior sucesso: Ou como escreveu a fadista

     

     

    “NADA ACONTECE POR ACASO”

     

    Obrigado

     

    Rogério Martins Simões

     

    Poemas de amor e dor conteúdo da página

    Não! Hoje não!

     

    (òleo sobre cartão

     

    Elisabete Sombreireiro Palma)

     

     

    NÃO! HOJE NÃO!

    Rogério Martins Simões

     

    Não hoje não!

    Não existem freios no vento

    Cristais no pensamento…

    Palavras a mais pelo chão

     

    Não! Hoje não

    Não tenho o corpo doente

    Maresia no meu coração

    Embalo a alma docemente

    No fogo desta paixão

     

    Sim! Hoje só há rosas!

    Vermelhas e bem viçosas,

    Belas na perfeição.

    Eu as entrego como presente

    Eu me dou neste amor ardente

    Recebe-me em teu coração

     

    Lisboa, 19 de Outubro de 2005

     

     (À minha doce companheira,

    Elisabete M. Sombreireiro Palma)

     

    Poemas de amor e dor conteúdo da página

    amrosaorvalho.gif

    MEIO HOMEM INTEIRO
    Rogério Simões
     
    Meia selha de lágrimas.
    Meio copo de água
    Meia tigela de sal
    Meio homem de mágoa.
    Meio coração destroçado
    Meia dor a sofrer.
    Meio ser enganado
    Num homem inteiro a morrer.
    11/4/1975

    Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

    Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR