Sábado, 16 de Dezembro de 2017

BATE BATE CORAÇÂO

FADO: Bate, bate coração

ACADEMIA DA GUITARRA PORTUGUESA

Voz: Américo Nunes de Almeida

Música: Alfredo Marceneiro

 

BATE, BATE, CORAÇÃO

Rogério Martins Simões

 

Quando com dores me deito,

Sinto galopar no peito,

Este sofrido alazão.

Por me sentir a tremer,

Soluço poderá ser,

Não saltes mais coração.

 

Com esta dor que rejeito,

Esta vida assim sem jeito,

Talvez mude de missão.

Com este meu mal-estar

Oiço o meu peito gritar:

Não batas mais coração.

 

Sabes bem que sou sincero,

Não penses sequer que espero,

Por piedosa solução.

E antes que bata demais

Diz à vida ao que tu vais:

Parar o meu coração.

 

Mas se ainda voltas a ter,

Coragem para viver,

No meu peito de paixão.

Deus te deu vida severa,

Tens o meu tempo à espera,

Bate, bate, coração.

 

Meco, 19/01/2017 21:41:37

(A publicar no meu próximo livro)

(Direitos de autor protegidos)

Ao meu querido avô paterno, António Antunes Simões.

Nasceu em 1881 na Pampilhosa da Serra – Aldeia Velha – casou na Póvoa e migrou para Lisboa em 1897.

Trabalhou como estivador e era um exímio tocador de guitarra.

Do pouco que sei do meu avô, dizia meu pai, que terá ensinado o Armandinho a tocar guitarra. Na verdade em investigação posterior constatei que o meu avô viveu no Pátio do Quintalinho quando o Armandinho tinha 5 anos de idade. Foi sócio da Juventude Monárquica Conservadora para poder tocar guitarra, tendo falecido na Póvoa em 1934.

Do seu neto: Rogério Martins Simões

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página
publicado por poetaromasi às 16:37
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Segunda-feira, 12 de Dezembro de 2016

POESIA NO PRATO

POESIA NO PRATO Rogério Martins Simões Lembra-se, meu pai, Quando à sua mesa Nos trocava a sobremesa Por poesia n...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 18:30
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Sexta-feira, 16 de Setembro de 2016

SEM FORÇAS PARA REGRE...

E A NATUREZA ME DEU TRÊS DIAS DE DESCANSO Foram deliciosos estes dias em que a Parkinson me deu tréguas. Corri, and...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 23:22
link do post | ##COMENTAR## | Ler comentários (1) | favorito
Quarta-feira, 2 de Abril de 2014

POR VEZES, TANTAS VEZ...

POR VEZES, TANTAS VEZES SORTE Rogério Martins Simões Esta tosse que aqui me tosse; Esta minha desconfiança Que a...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:51
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Segunda-feira, 18 de Março de 2013

TREM AZUL

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:40
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Quarta-feira, 13 de Fevereiro de 2013

Perseguição

PERSEGUIÇÃO Rogério Martins Simões Não me soltem as letras destes versos Nem me pendurem no tempo breve Basta o ...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 23:29
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2013

O meu olhar

O MEU OLHAR Rogério Martins Simões O Horizonte debaixo do meu olhar, Profundo, Impele-me a ficar Até desgarrar o ...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 17:44
link do post | ##COMENTAR## | Ler comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 26 de Novembro de 2012

Papagaio azul

PAPAGAIO AZUL Rogério Martins Simões Daquela janela virada a sul, Por onde um ligeiro vento passava, Um pedacinho...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 23:45
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Quarta-feira, 8 de Agosto de 2012

Sempre...

SEMPRE… Rogério Martins Simões Sempre que estas mãos não amparam o choro, para que não se perca uma migalha de t...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 19:46
link do post | ##COMENTAR## | favorito

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR