Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda

POEMAS DE AMOR E DOR

Livro de poesia GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO Editado pela CHIADO EDITORA Poeta: Rogério Martins Simões Blog no Sapo desde 6 de Março de 2004 Livro de poesia POEMAS DE AMOR E DOR (Chiado books) já à venda




BATE BATE CORAÇÂO

FADO: Bate, bate coração

ACADEMIA DA GUITARRA PORTUGUESA

Voz: Américo Nunes de Almeida

Música: Alfredo Marceneiro

 

BATE, BATE, CORAÇÃO

Rogério Martins Simões

 

Quando com dores me deito,

Sinto galopar no peito,

Este sofrido alazão.

Por me sentir a tremer,

Soluço poderá ser,

Não saltes mais coração.

 

Com esta dor que rejeito,

Esta vida assim sem jeito,

Talvez mude de missão.

Com este meu mal-estar

Oiço o meu peito gritar:

Não batas mais coração.

 

Sabes bem que sou sincero,

Não penses sequer que espero,

Por piedosa solução.

E antes que bata demais

Diz à vida ao que tu vais:

Parar o meu coração.

 

Mas se ainda voltas a ter,

Coragem para viver,

No meu peito de paixão.

Deus te deu vida severa,

Tens o meu tempo à espera,

Bate, bate, coração.

 

Meco, 19/01/2017 21:41:37

(A publicar no meu próximo livro)

(Direitos de autor protegidos)

Ao meu querido avô paterno, António Antunes Simões.

Nasceu em 1881 na Pampilhosa da Serra – Aldeia Velha – casou na Póvoa e migrou para Lisboa em 1897.

Trabalhou como estivador e era um exímio tocador de guitarra.

Do pouco que sei do meu avô, dizia meu pai, que terá ensinado o Armandinho a tocar guitarra. Na verdade em investigação posterior constatei que o meu avô viveu no Pátio do Quintalinho quando o Armandinho tinha 5 anos de idade. Foi sócio da Juventude Monárquica Conservadora para poder tocar guitarra, tendo falecido na Póvoa em 1934.

Do seu neto: Rogério Martins Simões

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

BATE, BATE, CORAÇÃO (Fado)

FADO: Bate, bate coração

ACADEMIA DA GUITARRA PORTUGUESA

Voz: Américo Nunes de Almeida

Música: Alfredo Marceneiro

 

BATE, BATE, CORAÇÃO

Rogério Martins Simões

 

Quando com dores me deito,

Sinto galopar no peito,

Este sofrido alazão.

Por me sentir a tremer,

Soluço poderá ser,

Não saltes mais coração.

 

Com esta dor que rejeito,

Esta vida assim sem jeito,

Talvez mude de missão.

Com este meu mal-estar

Oiço o meu peito gritar:

Não batas mais coração.

 

Sabes bem que sou sincero,

Não penses sequer que espero,

Por piedosa solução.

E antes que bata demais

Diz à vida ao que tu vais:

Parar o meu coração.

 

Mas se ainda voltas a ter,

Coragem para viver,

No meu peito de paixão.

Deus te deu vida severa,

Tens o meu tempo à espera,

Bate, bate, coração.

 

Meco, 19/01/2017 21:41:37

(A publicar no meu próximo livro)

(Direitos de autor protegidos)

Ao meu querido avô paterno, António Antunes Simões.

Nasceu em 1881 na Pampilhosa da Serra – Aldeia Velha – casou na Póvoa e migrou para Lisboa em 1897.

Trabalhou como estivador e era um exímio tocador de guitarra.

Do pouco que sei do meu avô, dizia meu pai, que terá ensinado o Armandinho a tocar guitarra. Na verdade em investigação posterior constatei que o meu avô viveu no Pátio do Quintalinho quando o Armandinho tinha 5 anos de idade. Foi sócio da Juventude Monárquica Conservadora para poder tocar guitarra, tendo falecido na Póvoa em 1934.

Do seu neto: Rogério Martins Simões

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

HORAS INFINITAS

IMG_4189.JPG

 

HORAS INFINITAS

Rogério Martins Simões

 

 

Aqui me entrego ao tempo lato.

Aqui o meu tempo não passa, demora,

Numa lenta e eterna agonia.

Deixei a vida lá fora …

Aqui apreende-se a viver sem viver.

E, enquanto me afundo,

Desvio este olhar profundo,

E passo a olhar para a vida:

Com a passagem das horas infinitas…

 

Hospital dos Capuchos, Lisboa, 20/02/2016

 

(O direito de autor é reconhecido independentemente de registo, depósito ou qualquer outra formalidade. ver artigo 12.º do CDADC. Lei 16/08 de 1/4)

(A registar no Ministério da Cultura - Inspeção-Geral das Atividades Culturais I.G.A.C. – Processo n.º 2079/09)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

AMO-TE TANTO MEU AMOR

IMG_3030.JPG

 

AMO-TE TANTO MEU AMOR

Rogério Martins Simões

 

Piorei antes e depois por estares pior.

Melhoraria se soubesse

Que estarias melhor.

Que melhoras terei se não estás bem?

Volto a estar só!

O cão faz tanta falta

e ainda só agora começou a chover!

Esperem! Não quero ficar só!

 

É tarde! Estou gelado!

O frio tomou conta deste espaço

que derruba as minhas preces.

Amo-te tanto meu amor!

22-10-2008 0:30:56

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página

FILME DE ANIMAÇÃO SOBRE PORTUGAL FEITO PELO BANCO ESPANHOL BBVA

Recebi do amigo Luís Milhano e vale a pena ver
Deixo-vos com as suas palavras:
Alguém anda a fazer os trabalhos de casa por nós....
Simplesmente muito bom !!!!!! E tem de ser um banco espanhol a apresentar assim Portugal??? 
UM FILME DE ANIMAÇÃO SOBRE PORTUGAL
Vale a pena ver. 
Estranho que não tenha sido produzido por nenhuma entidade portuguesa, mas pelo banco espanhol BBVA.
De qualquer modo, o importante é que este filme foi feito e está a ser divulgado.
Muiiiiiiiiiito bom,os portugueses agradecem
(Para ouvir por favor desligue ou pare o fundo musical do blog)
Poemas de amor e dor conteúdo da página

Malfadada herança

MALFADADA HERANÇA

Rogério Martins Simões

 

Na senda desta vida quem descontente,

Do engenho da trama, ou da urdidura,

Procura esquecer o drama rilhando o dente

Bem cedo no cais… ou noutra ventura.

 

Ah inequívoca glória de ser herói num batel de pau:

Cansado, explorado e dobrado a preceito…

Lutando, com fantasia a varapau,

Contra a usura que nos lixa o peito.

 

Princesas encantadas por desencantar…

Monstros de muitas cabeças que tudo levaram;

Lobos em matilha que os bancos salvaram;

Cuidado com o papão que te vem buscar…

 

Repetem-se as desgraças a que chamam destino.

Tragédia grega sem corpo de delito.

Malfadada herança que perdeu tino:

É a voz de um povo que sem esperança grito:

 

Tac tac tac tac olha o passarinho….

Tic tic tic tac que nem sai do ninho…

 

Meco, 16-07-2013 21:29:17

 

De acordo com a Lei os direitos de autor estão protegidos, independentemente do seu registo. (A registar no Ministério da Cultura - Inspeção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. – Processo n.º 2079/09)

Poemas de amor e dor conteúdo da página

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR