Sexta-feira, 9 de Novembro de 2018

POR QUE SOU TRISTE?

MVI_3073-001.jpg

 

POR QUE SOU TRISTE?

Rogério Martins Simões

 

Saber, quero saber por que sou triste?

Querer, por mais querer, o riso ensejo.

Chorar? Não mais chorar é meu desejo.

Saber por que razão meu choro insiste?

 

No meio deste silêncio, e que persiste,

Razão tem a razão em que me revejo.

Chorar será o clamor do meu arpejo.

Saber, quero saber em que consiste.

 

Perguntei ao meu rio Tejo, a soluçar,

Que me desse a razão deste meu estar:

Saber, quero saber que fiz de errado?

 

Sorrindo para mim para que o visse,

Cuidai desse teu riso, e mais me disse:

- Chorar, e mais chorar, será teu fado…

 

Meco, Praia das Bicas, 2013-12-12

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

 

 

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página
publicado por poetaromasi às 22:20
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Sábado, 3 de Novembro de 2018

DEPOIS DE TANTO VER...

DEPOIS DE TANTO VER Rogério Martins Simões Depois de tanto a ver Partir e chegar Voltava a desaparecer E a regressa...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 19:12
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Sexta-feira, 2 de Novembro de 2018

Deixa a Ternura

DEIXA A TERNURA Rogério Martins Simões Quando no desespero em que me deito, Como uma onda varrendo no mar alto, Qua...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:50
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Segunda-feira, 15 de Outubro de 2018

UM PÚCARO DE SAUDADE

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 23:40
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Segunda-feira, 8 de Outubro de 2018

UMA ETERNIDADE NOS ES...

UMA ETERNIDADE NOS ESPERA… Rogério Martins Simões Quando tu e eu saltávamos em andamento, Numa corrida estreita, para...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 21:16
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Quinta-feira, 19 de Julho de 2018

FONTANÁRIO DA ESPERAN...

FONTANÁRIO DA ESPERANÇA Rogério Martins Simões Adeus Minhas palavras ocas Lançadas ao rio… Adeus Minhas palavras ve...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:17
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Terça-feira, 17 de Julho de 2018

AH! ESTE SOL

AH! ESTE SOL Rogério Martins Simões Preciso deste silêncio De enrolar as minhas palavras em silêncio Se as leres… n...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 23:55
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Domingo, 8 de Julho de 2018

RAPINA...

IMAGEM DA World Press Photo Contest 2004. RAPINA Rogério Martins Simões Rapinam minhas mãos nas horas vivas, Que s...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 23:52
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Segunda-feira, 2 de Julho de 2018

MEU AMOR TARDIO E CAL...

MEU AMOR TARDIO E CALMO Rogério Martins Simões Meu amor tão fora de horas, Sem ter tempo, sem demoras, Será sempre ...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 22:52
link do post | ##COMENTAR## | Ler comentários (3) | favorito
Terça-feira, 26 de Junho de 2018

NEM UMA SÓ PALAVRA PE...

Nem uma só palavra perdida Rogério Martins Simões Nem uma só palavra perdida! Nem um só gesto desmedido! É como um ...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 19:53
link do post | ##COMENTAR## | favorito

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR