Terça-feira, 1 de Maio de 2018

A MINHA POESIA DE HOMEM SOLTO

mural MES 4.jpg

Foto de um painel que existia perto de Alcântara. Faz parte das fotos que tirei desde 1974

Este meu poema pretende ser um hino ao trabalho.

A MINHA POESIA DE HOMEM SOLTO

Rogério Martins Simões

 

Lancei ao vento,

O meu pensamento emigrante,

A minha poesia de homem solto.

E colhi, por cada palavra,

A aragem fresca da manhã.

E disse-me “Suor do campo”:

-Toma o meu pólen de flor liberta

E compartilhemos o saco da fruta madura.

 

Lancei ao vento,

O meu pensamento emigrante,

A minha poesia de homem solto.

E tomei, de madrugada,

O “Mata-Bicho” em fato-macaco.

E disse-me o Sujo de Fábrica:

-Toma o arado,

A faca por mim feita,

E comeremos também

a fruta madura.

 

Lancei ao vento

O meu pensamento emigrante,

A minha poesia de homem solto,

E colhi por cada palavra,

Na palavra, a onda calma.

E disse-me o “Mestre da Traineira”:

- Toma esta rede!

- E come também

Este cardume de vida,

Tão cheio dos nossos mortos,

E repartamos o saco da fruta madura.

 

Lancei ao vento

O meu pensamento emigrante,

A minha poesia de homem solto,

E colhi em toda a palavra

Um estilo novo;

Numa amizade velha…

E, num arranha-céus da construção civil,

Petiscámos todos:

O peixe vivo.

A carne fresca.

A fruta madura.

O mosto da uva.

Servidos pelo pólen da poesia livre

Colhendo a cada instante

A união do trabalho das forças produtivas.

 

Deixo-vos aqui

O meu pensamento emigrante,

A minha poesia de homem solto…

 

1984

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

(Registado no Ministério da Cultura

- Inspecção-Geral das Actividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página
publicado por poetaromasi às 14:13
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Sexta-feira, 9 de Dezembro de 2016

DOUTOR PENACHO...

DOUTOR PENACHO Rogério Martins Simões Cedo se levanta Tarde se deita Lá vai o Vicente rua abaixo Carregando sucata....

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 20:13
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Segunda-feira, 29 de Julho de 2013

A minha poesia de hom...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 23:23
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012

O QUE O VENTO NÃO LEV...

O QUE O VENTO NÃO LEVOU…(poema a duas mãos)AnaMar e Rogério Martins SimõesJá não levantas a terra das suas entranhas...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 19:35
link do post | ##COMENTAR## | favorito
Quarta-feira, 12 de Outubro de 2011

A minha poesia de hom...

A MINHA POESIA DE HOMEM SOLTO Rogério Martins Simões Lancei ao vento, O meu pensamento emigrante, A minha poesia d...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 21:32
link do post | ##COMENTAR## | Ler comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 22 de Maio de 2006

Sempre mulher

Sempre mulher (romasi) Maria mijona A caminho da horta Abre as pernas E mija sem cuecas - Rosa do campo! Maria fe...

Ler artigo
ano do poema: 1976
publicado por poetaromasi às 21:30
link do post | ##COMENTAR## | Ler comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 15 de Dezembro de 2005

Coveiro

COVEIRO (romasi) Cava coveiro Ganha o teu pão Não desanimes e cava Levanta a terra do chão. Tapa Enterra S...

Ler artigo
ano do poema: 1968
publicado por poetaromasi às 13:44
link do post | ##COMENTAR## | Ler comentários (8) | favorito
Segunda-feira, 6 de Junho de 2005

Sou funcionário públi...

SOU FUNCIONÁRIO PÚBLICO Pertenço aos quadros da função pública de que tanto me orgulho. Não me chamem nomes. Os fu...

Ler artigo
publicado por poetaromasi às 02:10
link do post | favorito

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR