Segunda-feira, 8 de Outubro de 2018

UMA ETERNIDADE NOS ESPERA

UMA ETERNIDADE NOS ESPERA…

Rogério Martins Simões

 

Quando tu e eu saltávamos em andamento,

Numa corrida estreita, para a existência,

Havia um brilho, intenso, que cegava a escuridão externa.

 

Falávamos em língua redonda,

Impercetível,

Que nos deixava latejar à distância do universo das palavras.

Éramos nada!

Éramos tudo!

Frequentávamos os mesmos colégios ricos,

Onde a riqueza se media pelo contágio,

Em resultado das vidas passadas.

E fazíamos parte de um grupo sem forma…

 

Grandes aos sentidos,

Sabíamos que iríamos viajar em busca da luz:

Éramos uma luz ténue…

E procurávamos um brilho permanente.

 

Entrámos por uma porta estreita

Onde formas sem luz

Reproduziam uma língua quadrada,

Sem nexo, herança de uma Torre de Babel,

Que tivemos de aprender.

 

Estamos a ficar cansados!

Não importa…

Tomámos o caminho reto e certo

E partiremos na luz…

 

Falta pouco meu amor.

Uma eternidade nos espera…

 

Lisboa, 30 de Abril de 2009

(Registado no Ministério da Cultura

- Inspeção-Geral das Atividades Culturais I.G.A.C. –

Processo n.º 2079/09)

À BETE MINHA TERNA E ETERNA COMPANHEIRA

 

Simões, Rogério, in “GOLPE DE ASA NO SEQUEIRO”,

(Chiado Editora, Lisboa, 1ª edição, 2014)

 

 

Poemas de amor e dor conteúdo da página
publicado por poetaromasi às 21:16
link do post | favorito
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

amrosaorvalho.gif

MEIO HOMEM INTEIRO
Rogério Simões
 
Meia selha de lágrimas.
Meio copo de água
Meia tigela de sal
Meio homem de mágoa.
Meio coração destroçado
Meia dor a sofrer.
Meio ser enganado
Num homem inteiro a morrer.
11/4/1975

Todos os poemas deste blog, assinados com pseudónimo de ROMASI ou Rogério Martins Simões, estão devidamente protegidos pelos direitos de autor e registados na Inspecção-Geral das Actividades Culturais IGAC - Palácio Foz- Praça dos Restauradores em Lisboa. (Processo 2079/2009). Solicita-se a quem os copiou alterando o nome, não respeitando o texto ou omitindo o seu autor que os apague ou os reponha na fórmula original com os respectivos créditos. Se apreciou algum destes poemas e deseje colocar em blog para fins não comerciais deverá colocar o poema completo, indicando a fonte. Obrigado

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados. All rights reserved © DIREITOS DE AUTOR